Pular para o conteúdo principal

Bumblebee - uma bela surpresa: um filme familiar, divertido e empolgante



O primeiro spin-off da franquia “Transformers” traz uma abordagem totalmente diferente dos filmes dirigidos por Michael Bay, com um clima mais familiar, divertido e empolgante.

A abertura do filme já mostra o visual retrô dos Transformers, lembrando bastante a linha original dos brinquedos clássicos da Hasbro, o que causa bastante nostalgia no público mais velho. As cenas de batalhas são muito bem feitas, com a câmera acompanhando os personagens sem cortes excessivos a todo o momento.

Resultado de imagem para bumblebee

Os personagens são muito bem desenvolvidos, e o diretor, Travis Knight (Kubo e as Cordas Mágicas) trabalha bem os relacionamentos entre eles, principalmente os que envolvem a protagonista Charlie (Hailee Steinfeld). Logo no início, quase não é falado nada sobre ela, mas, por meio da relação com sua família, percebe-se  como eles a enxergam, usando apenas gestos simples, como na cena dos presentes. A relação entre Charlie e Bumblebee também tem grande desenvolvimento, e o roteiro não enrola muito ao fazer Charlie descobrir a verdadeira natureza de seu carro, o que dá mais liberdade para explorar a amizade entre eles sem pressa.

Resultado de imagem para bumblebee film
O roteiro é um pouco forçado nas cenas de descontração, principalmente nas cenas de humor, em que muitas situações cômicas envolvendo Bumblebee divertem o público, mas algumas piadas são bem bobas. As cenas em que a protagonista interage com outras pessoas de sua idade são extremamente genéricas e desnecessárias.

O filme serve-se bastante referências a E.T. e ALF, dosando bem essa mistura com o próprio Bumblebee, dando também personalidade para ele como um guerreiro caído e refugiado tentando se adaptar ao mundo desconhecido para ele.

Os vilões, os Decepticons, não apresentam nada de diferente da franquia original, mas eles têm sua função na trama.

Resultado de imagem para bumblebee

Hailee Steinfeld trabalha bem sua personagem, ela tenta demonstrar que está de alguma forma abalada devido à tragédia em sua família, fazendo com que ficasse sem força de vontade em atividades em que se destacava, enquanto os outros membros da família seguem em frente com suas vidas, como se nada tivesse acontecido.

Jorge Lendeborg não tem nenhuma função no filme, além de ser o possível interesse romântico da protagonista. O personagem de John Cena é bem fraco, age em relação a tudo impulsivamente, destrói tudo aquilo de que  não gosta.

O terceiro ato é bem empolgante, tendo uma das melhores cenas de perseguição do filme, envolvendo os vilões humanos e a família de Charlie, mas o desfecho é bem alongado, acrescentando vários finais, não sabendo quando acabar.
Resultado de imagem para bumblebee

Bumblebee é a prova que o maior problema de Transformers é o Michael Bay, e que a franqueia pode sim funcionar.

NOTA: 7 Autobots refugiados e meio. (7,5/10)

Trailer:


Comentários

  1. Uma analise de Bruno Martuci muito bem feita do filme que nos permite escolher assistir ou não Bumblebee.Expressando os momentos interessantes e como são exploradas as cenas e os personagens. As fotos e o trailler também nos dão uma precisa dimensão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …