Pular para o conteúdo principal

Meu Querido Filho: Sobre Choque de Gerações, Expectativas e Sonhos


Riadh (Mohammed Dhrif) e Nazli (Mouna Mejri) formam um casal de classe média tunisiano. Ele trabalha no porto e está prestes a se aposentar, enquanto ela dá aulas. A vida de ambos gira em torno do único filho, Sami (Zakaria Ben Ayed), que se prepara para prestar os exames de admissão no Ensino Superior. Quando o moço desenvolve um quadro de enxaquecas frequentes, os pais se preocupam e o submetem a uma bateria de exames. Entre diagnósticos imprecisos e palpites de leigos, o rapaz segue estudando. Mas quando as coisas parecem estar entrando nos eixos, Sami some.

Riadh e Nazli são pais amorosos que se esforçam para dar do melhor ao filho. Embora ambos trabalhem e não enfrentem grandes dificuldades financeiras, fica claro que o dinheiro deles é contado, que muitas vezes eles abrem mão de pequenos luxos para pagar os estudos de Sami. E ter o filho aceito em uma universidade significa, para eles, um sonho realizado, provavelmente aquele que eles mesmos não tiveram condições de viver. Portanto, não é de se estranhar que cobrem comprometimento do rapaz.


O problema é que Riadh, que obviamente quer que o filho tenha um bom futuro, é extremamente invasivo, não escuta o que o garoto diz e age como se Sami tivesse 5 anos de idade. Ele não consegue enxergar que a criança que ele costumava conduzir já não existe mais, que Sami agora tem suas próprias opiniões e quer trilhar seu próprio caminho, ainda que suas escolhas sejam questionáveis. E então a divergência de ideias e a falta de comunicação acabam por separar pai e filho.

Durante toda a peregrinação de Riadh atrás de Sami, fica claro que o pai não estava de fato interessado em saber os motivos que fizeram com que o filho fosse embora; o tempo todo só o que Riadh queria era encontrar o filho e arrastá-lo de volta para casa, para que ele não estragasse os planos detalhadamente traçados para ele (por outras pessoas). Riadh se torna tão obsessivo que, na ânsia de evitar que o futuro ideal que ele imaginava para o filho fosse arruinado, ele esfacela o próprio casamento e o único elo que o mantinha conectado com a realidade.


“Meu querido filho” é um drama sobre choque de gerações, sobre expectativas e sonhos dos pais, sobre a incomunicabilidade nas famílias. Apesar de tratar de temas interessantes, acompanhar a busca insana de Riadh pelo filho em terra estrangeira se torna cansativa a certa altura, justamente porque sua urgência é exagerada – Sami não é um menino perdido ou sequestrado, e sim um jovem que resolve desaparecer para poder viver de acordo com suas convicções.

Nota: 3 ligações perdidas (3/5)
Estreia prevista: 3 de janeiro


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …