Pular para o conteúdo principal

Encantado, uma versão de contos de fadas com um toque moderno, mas que não encanta tanto assim


Mais uma animação de contos de fadas que tenta misturar uma história de reinos e castelos com a cultura pop atual, que falha drasticamente, o filme que tenta imitar o sucesso de Shrek (inclusive é produzido pelo produtor dos filmes da franquia, John H. Williams), acaba se tornando só uma animação fraca que não surpreende em nenhum sentido.

A técnica de animação é bem relaxada e limitada, a movimentação dos personagens e dura e lerda como um boneco de articulação, os cenários são bem chapados e simples demais, se resumindo a um castelo no meio de um pequeno reino, no meio da floresta cheia de perigos.


O roteiro é fraco, sem criatividade para tentar algo novo ou empolgante para o público mais velho, cuja história só vai impressionar o público de 7 anos para baixo. A atitude do príncipe Felipe não tem cabimento, ele sai em uma jornada perigosa para descobrir como quebrar sua maldição, sendo que essa solução já tinha sido apresentada no inicio da historia; ele também fica dando pausas no filme, quebrando a quarta parede para fazer comentários "engraçados"que são totalmente sem graça. 

Leonora é uma mulher ambiciosa, determinada, que não depende de ninguém e que, por motivos desconhecidos, renegou o amor. Ela tenta ser um símbolo de poder feminino que se propõe a passar uma boa mensagem, mas fica muito expositivo, não tem descrição, eles simplesmente jogam essa informação para o público. As piadas e referências a cultura pop são bem bobas, mas algumas delas funcionam e tiram uma risada passageira do publico mais velho. Muitas das cenas que ocorrem na floresta são totalmente descartáveis, com a função de alongar o filme para que atinja os 75 minutos.

Resultado de imagem para Charming 2018

Várias frases "de efeito" são colocadas ali, mas nenhuma delas tem realmente efeito. A vilã é genérica, e sua motivação e a construção de sua personagem é bem preguiçosa. Quando um personagem tem uma boa ideia, ele decide fazer o oposto do que ele pensou, só depois quando ele está quase perdendo, toma a atitude certa.



As canções são introduzidas do nada, como se o diretor estivesse lendo o roteiro e lembrasse que o filme é  uma animação para crianças, e tem que ter músicas para entretê-las, e escolhe aleatoriamente onde vai encaixa-las.

Na versão brasileira, Larissa Manoela, que dubla Leonora (na versão original dublado por Demi Lovato) faz um bom trabalho de voz, mas se percebe uma dificuldade nas cenas musicais. Ela não chega a desafinar, mas força um pouco a voz para chegar ao resultado final.

Encantado é uma animação focada apenas no público infantil, que vai fazer os mais velhos revirarem os olhos.

NOTA: 3 princesas enfeitiçadas pelo encanto do príncipe (3/10)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …