Pular para o conteúdo principal

Era uma vez um Deadpool - chega aos cinemas a versão "censurada" de Deadpool 2


Deadpool volta mais uma vez nos cinemas, mas esse novo filme do mercenário tagarela não é nada mais que uma versão censurada de Deadpool 2, cortando as piadas e cenas mais obscenas e sangrentas, assim como os palavrões (que não são poucos).

A diferença entre a sequência do primeiro filme e essa nova versão são as cenas em que Deadpool conta a história do filme para o ator e diretor Fred Savage (diretor de vários episódios da série “Modern Family”), como se fosse um conto de fadas; essas cenas são bem divertidas, e tem ainda o fato de que Fred está ouvindo as histórias contra a sua vontade. Além disso, Deadpool explica a existência desse novo filme na introdução, brincando com a censura. As iradas que Fred faz com Deadpool são bem inteligentes, pincipalmente quando os dois personagens se encaram sem disser nem uma palavra.

A montagem sabe bem o momento certo de cortar o filme para as cenas no quarto onde Deadpool conta a história, em que são feitos comentários bem criativos por parte de Fred, como se dois fãs estivessem assistindo ao filme e tecendo comentários sobre os erros de roteiro e continuidade e exigindo total semelhança dos personagens do filme com as HQs: destaque para a cena em que Deadpool explica a participação inesperada de um grande ator de Hollywood no filme, que é simplesmente hilária.

Resultado de imagem para era uma vez um deadpool

A censura do filme é bem sutil, mas para quem já viu Deadpool 2, algumas vezes vai notar a diferença, mas a sutileza acaba quando eles censuram um ato físico de um personagem desfocando a imagem, perdendo a essência e o encanto do protagonista que é tirar sarro sem arrependimento, o palavrear vulgar e a violência gráfica. Várias referências a outros filmes de vários gêneros também foram cortadas nessa versão, muitas delas nem tão obscenas assim.

Resultado de imagem para era uma vez um deadpool

Tirando que a nova é uma edição censurada, o filme é praticamente o mesmo, a mesma história, o mesmo desfecho e as mesmas cenas pós-creditos (por Stan Lee, fiquem até o fim de todos os créditos), feito apenas para levar o publico mais novo para ver o filme nos cinemas.

Resultado de imagem para era uma vez um deadpool

Quem não viu Deadpool 2 vai se divertir mais do que os outros, mas aqueles que já viram vão achar essa versão um pouco sem graça, apesar de valer a pena pelas novas cenas introduzidas.

NOTA: 6 p#+&as de cenas censuradas e meia (6,5/10)


Comentários

  1. Interessante, você gostou do filme? É excelente, sinto que história é boa, mas o que realmente faz a diferença é a participação do ator T.J Miller neste filme. Eu o vi recentemente em a jogador no 1 filme, você viu? A participação da atriz foi fundamental. Adorei, pessoalmente eu acho que é um filme que nos prende. A historia está bem estruturada, o final é o melhor! Sem dúvida o veria novamente, se ainda não tiveram a oportunidade de vê-lo, eu recomendo. Cuida todos os detalhes e como resultado é uma grande produção.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …