Pular para o conteúdo principal

Maria Callas - Em suas Próprias Palavras, um filme de Tom Volf


O documentário que conta a história da cantora de ópera greco-americana Maria Callas, mostrada através de gravações de seus espetáculos no palco e de entrevistas com ela e com pessoas que a conheceram muito bem em vida. Muitas dessas entrevistas, feitas para programas de TV da época, são inéditas para o público atual, e nelas são mostradas algumas opiniões e desabafos, além de desejos secretos da própria Maria, falando sobre sua vida pessoal e sua carreira, pois, embora ela fosse grata por tudo que conseguiu alcançar, a escolha de se tornar cantora na verdade veio de seus pais, principalmente de sua mãe, que a incentivou bastante.

A montagem faz um bom uso das imagens, equilibrando bem entre exibir as entrevistas e as apresentações, conectando-as através da linha temporal, mostrando Maria falando sobre uma face de sua vida e logo em seguida corta para uma de suas apresentações no teatro, mostrando-a cantando a música por completo na cena, e, mesmo que muitas dessas canções sejam longas, o espectador fica deslumbrado com o talento e o tom da voz de Callas.

Mesmo com esse mérito, ao longo do filme essa fórmula se repete demais, mostrando a cantora sendo entrevistada, corta para uma apresentação, e depois com uma narrativa em off da própria Callas, falando sobre o que ela sentiu naquele momento. Novamente outro elemento que agrada o público, mas que também é mal utilizado, no caso na opção de mostrar toda a apresentação de Maria cantando uma cena no palco, que embora seja bonito de ver e ouvir, tem a função de alongar mais o filme, elemento este que poderia até servir para mostrar o talento dela, se não fizessem isso em quase todo o filme.

Resultado de imagem para maria callas em suas próprias palavras

O diretor Tom Volf consegue mostrar várias faces de Maria apenas com o material colhido para o filme, mostrando que ela era uma mulher determinada, querida e idolatrada por muitos fãs, exigente com o profissionalismo de seu trabalho, mas que também largaria de tudo que ela conquistou sem olhar para trás, mostrando sua humanidade acima de tudo.

Entrevistas feitas com pessoas próximas de Maria, como sua professora, amigos e profissionais que a respeitavam, também são mostradas, e isso ajuda o público a entender melhor como ela se tornou um dos maiores nomes da ópera, além de entrevistas com fãs da cantora que mostram o porquê de eles a idolatrarem tanto.

Resultado de imagem para maria callas em suas próprias palavras

O desfecho apresenta várias cenas que poderiam servir como um final para o filme, mas quando se pensa que o filme acabou, o diretor opta por mostrar outro acontecimento que causa a mesma reação no público durante um breve período até o final definitivo da historia.


Esse é um ótimo filme para conhecer um pouco da trajetória de uma das maiores vozes da opera, contada pela própria Maria Callas.

NOTA: 8 apresentações de opera. (8/10)

Trailer:





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …