Pular para o conteúdo principal

Mary Poppins (1964), clássico e ainda atual


O filme, baseado no livro de P.L. Travers, traz uma das mais maravilhosas obras-primas da Disney, repleta de cenas que encantam crianças e adultos, além de personagens divertidos e carismáticos.

A história do filme é bem simples e, ao mesmo tempo, bem criativa, utilizando bem o desenvolvimento dos personagens e o jeito como eles interagem uns com os outros, principalmente entre os membros da família Banks.

O roteiro apresenta bem cada membro da família, seus hábitos, suas personalidades distintas, suas ambições - tudo isso no inicio do primeiro ato. O clima do filme deixa bem claro o caminho que a história vai seguir, história esta que é bem focada no entretenimento do público infantil, mas que consegue prender a atenção dos mais velhos, devido às subtramas que podem fazer muitas pessoas se identificarem com a situação ou mesmo com os personagens.

As canções são bem contagiantes, compostas por palavras inventadas que grudam na cabeça. Muitas das canções são introduzidas no meio de diálogos que se transformam em uma conversa cantada, e que não são muito marcantes, mas foram bem compostas.

Julie Andrews tem um total equilíbrio na hora de interpretar Mary Poppins, nunca se excedendo demais. Desde que ela é introduzida na história, ela já mostra toda sua personalidade: ela é divertida, educada, firme, sempre se empenhando em suas tarefas sem perder a compostura, transformando-as sempre em algo divertido e interativo para chamar a atenção das crianças dos Banks, como ela mesma se intitula: “praticamente perfeita em todos os aspectos”.

Resultado de imagem para mary poppins

Dick Van Dyke se diverte bastante interpretando Bert. O ator consegue passar seu entusiasmo para o personagem com muita facilidade. Ele é alegre, vive um dia de cada vez, sem se preocupar demais com o amanhã. Além disso, ele também vê sempre o lado bom da vida, mesmo em tempos cinzentos, animando todos à sua volta (principalmente o público) com sua boa vontade.

Imagem relacionada
O Sr. Banks (David Tomlinson) é um homem rígido, sensato, e que é a favor da disciplina e da ordem em sua casa, principalmente vindas de seus filhos. O personagem também é  bem machista, mesmo respeitando as mulheres de sua casa, ele as trata de acordo com a função de cada uma: as empregadas como empregadas, sua esposa cumprindo o seu papel no casamento de amar, obedecer e respeitá-lo, o que pode incomodar bastante o público. Mesmo o personagem não sendo muito amado pelo público, ele é o que tem mais desenvolvimento ao longo do filme, mostrando aos poucos que sua ambição e seu ego não permitiram que ele visse que não eram seus filhos que precisavam de correção.

A Sra. Banks (Glynis Johns) é uma sufragista que se empenha e se alegra com sua causa, mas que tem como marido um homem machista que representa tudo contra o que ela luta, o que, mesmo assim, não parece incomodá-la.

Resultado de imagem para mary poppins

Os efeitos especiais são impressionantes até hoje, notando-se muito pouco as falhas que deixam expostos os efeitos, e mesmo percebendo esse detalhe, isso não chega a incomodar o público. A sequência da pintura que mistura o live action com animação tem um ótimo trabalho de integração, em perfeita sintonia.

Mary Poppins é um filme que, mesmo com sua idade, envelheceu muito pouco, encantando públicos de diversas gerações, com sua brilhante história animada que serve como cortina para o verdadeiro tema do filme.

NOTA: 9 ventos vindo do leste e meio.

Trailer:



Comentários

  1. Muito bom explanado pelo crítico Bruno Martuci Ramos com excelentes orientações

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …