Pular para o conteúdo principal

Minha vida em Marte: uma comédia descontraída, equilibrando-se entre erros e acertos



Sequência do filme “Os Homens São de Marte... E é pra lá que eu vou”, lançado em 2014, diferente do primeiro filme, em que Fernanda (Monica Martelli) está à procura de um marido, neste, em que ela já está casada, mostra a personagem procurando formas de salvar seu casamento a todo custo.


O primeiro ato do filme se resume a isso, com ela tomando várias atitudes para reacender o relacionamento com o marido, algumas das quais são apelativas e ocupam demais a cena, e poderiam facilmente ter sido encurtadas para deixar a história mais focada no real assunto do filme: a relação de Fernanda com seu melhor amigo, Aníbal (Paulo Gustavo), que embora tenha o principal foco na maioria das cenas, quase fica em segundo plano, dando espaço para Fernanda em sua sua reconquista do homem que ama.

Resultado de imagem para minha vida em marte
O roteiro parece um conjunto de vários episódios de uma série contados de uma só vez em sequência, e a montagem é bem aleatória, reforçando mais esse fato de parecer uma série que foi convertida para virar um filme.

Resultado de imagem para minha vida em marte

Embora a protagonista passe o filme inteiro falando sobre seu casamento, muitas das cenas são totalmente descartáveis, com o intuito de fazer piadas forçadas que quase não funcionam. Parece que o personagem de Paulo Gustavo que tem que fazer uma piada a cada 3 minutos, o tempo inteiro em que está em cena ele fala algo para o público rir, mas a cada 5 piadas, apenas uma funciona.

Várias coisas que acontecem para melhorar o ânimo de Fernanda não têm nenhuma função no desenvolvimento da personagem, sendo praticamente a mesma coisa em todo o filme; ela tem uma ideia para salvar seu casamento, põe essa ideia em prática, mas depois encontra os defeitos e se foca neles até desistir e ir para outra ideia e acontecer a mesma coisa.

Imagem relacionada

O desfecho acaba sendo muito expositivo sobre o tema que o filme queria abordar, em vez de deixar o público tirar suas tirar suas próprias conclusões.

Imagem relacionada

O filme erra no foco de seu tema principal, mas é uma boa comédia para se descontrair e que diverte em alguns momentos.

NOTA: 4 momentos divertidos com o amigo e meio. (4/10)


Trailer:





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …