Pular para o conteúdo principal

Sugestão de maratona de série na Netflix: O mundo sombrio de Sabrina


O mundo sombrio de Sabrina é a nova série baseada nas HQs de Archie Comics, que também faz uma releitura da sitcom dos anos 90 Sabrina, Aprendiz de Feiticeira, trazendo uma nova abordagem para a história, só que dessa vez com uma pegada mais de terror, utilizando bruxas mais tradicionais, que são devotas ao Satanismo, como no pensamento dos habitantes de Salem no século XVI.

O tema do satanismo é bem colocado na história, mostrando que desde a queima de bruxas de Salem, as bruxas ainda mantêm os mesmos costumes e tradições, mas também, atualizando seus métodos com o passar dos anos. Embora o satanismo seja um dos temas principais, mostrado como uma religião à qual as bruxas são totalmente devotas, é apenas uma cortina para disfarçar outros temas presentes na série. Temas como o fortalecimento do feminismo em uma sociedade controlada por homens extremamente machistas são bem introduzidos, e, mesmo que alguns personagens masculinos sejam um pouco caricatos, também é mostrada a  força das mulheres que protagonizam a série, sejam elas bruxas ou não. O único problema e que esses temas são logo esquecidos, sendo abordados em um ou dois episódios, cedendo depois espaço para a trama principal focada na protagonista, ainda que fazendo citações e referências a esses temas em outros episódios, fazendo com que esses problemas ainda existam, mas dão uma menor importância a eles.

Os personagens são muito bem desenvolvidos, nenhum deles está de graça só porque existiam na série original, cada um tem alguma importância na trama, e todos têm o seu momento, sejam as amigas de Sabrina, cujo passado de suas ancestrais tem relação com as antigas bruxas, sejam elas como aliadas ou não, o namorado de Sabrina, que vem de uma linhagem de caçadores de bruxas, mas que é completamente diferente de qualquer membro de sua família, tendo um coração mais nobre.

Kiernan Shipka dá bastante personalidade a Sabrina, ficando dividida entre o mundo dos mortais e o das bruxas devido a sua linhagem mestiça, mas mostra grande interesse por seu lado sombrio, que tem grande potencial. A atriz ainda passa a aparência de uma garota inofensiva, mas que tem o coração nas trevas, mesmo tendo carinho com sua vida mortal.


Imagem relacionada

As tias de Sabrina são dois lados diferentes da mesma moeda: Zelda (Miranda Otto) é rígida, determinada em levar a sobrinha pelo caminho das trevas e fazer com que ela assine seu nome no livro do senhor da Besta, mas que só quer o seu bem. Já Hilda (Lucy Davis) é a tia divertida que protege Sabrina não só com feitiços, mas também com carinho materno que embora Zelda também tenha, Hilda demonstra mais.


Imagem relacionada

Resultado de imagem para o mundo sombrio de sabrinaA vilã é boa, não fica claro o real motivo de seus atos até o ultimo episódio da temporada, apenas é falado que ela está a serviço do próprio Satanás.

O Salem, que também está presente na série, embora não fale, também tem uma grande função na trama.

Resultado de imagem para o mundo sombrio de sabrina salem

Resultado de imagem para o mundo sombrio de sabrina
O roteiro de cada episódio trabalha bem os mistérios apresentados na série em poucos episódios, interligando a história de um personagem com a de outro, sejam elas no tempo atual ou não, apresentando várias questões ao longo da temporada, mas não respondendo a todas elas, deixando varias pontas soltas para serem amarradas futuramente. Mesmo com o tema do satanismo apresentado com tanto entusiasmo pelas bruxas, ele não incentiva o espectador a praticar essa religião, e também não desrespeita outras crenças.

O Mundo Sombrio de Sabrina revisita uma boa história com um gênero diferente, mas que também eé empolgante de assistir, e que deixa o público ansioso para a 2° temporada, que já está confirmada pela Netflix.

Nota: 8 assinaturas e meia no livro da besta. (8,5/10)


Bônus: Clique na imagem para baixar ícones da série para seu computador ;)






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …