Pular para o conteúdo principal

#Oscar2019 - Vice, indicado a vários Oscars, é um filme político na visão de um não-especialista


O novo filme do diretor Adam McKay (A Grande Aposta, O Âncora – A Lenda de Ron Burgundy) , Vice, que conta a trajetória de Dick Cheney desde antes de entrar para a politica até se tornar vice-presidente dos EUA durante o governo Bush, é bem interessante em questões politicas, já que o diretor tem o estilo de pegar um assunto um pouco entediante e tedioso e contá-lo de forma cômica, sem desrespeitar o assunto em questão. Embora acabe ficando mais divertido de se ver, ainda continua sendo um assunto um tanto complexo. O diretor ainda opta por utilizar uma narrativa em off de um personagem que só terá importância no desfecho da trama, para esclarecer melhor o assunto em questão e os interesses de Dick.

A montagem, embora esteja boa, é um pouco apelativa e expositiva, colocando trechos de caça entre animais na natureza durante as conversas de Dick com colegas de trabalho ou superiores para fazer uma comparação que poderia facilmente ser resolvida com um dialogo sobre esse assunto entre Dick e sua família (já que a família de Dick tinha o habito de interagir com a natureza como caça ou pescaria) antes de mostrar a cena dele conversando com seus colegas de trabalho.

O trabalho de maquiagem impressiona, pincipalmente a de Cristian Bale, como Dick Cheney, e de Sam Rockwell, como George W. Bush, que ficaram idênticos aos seus personagens, além da ótima atuação dos atores.


Cristian Bale se supera interpretando Dick: ele é malicioso, astuto e manipulador, sempre vendo a oportunidade em momentos mais críticos e desesperadores do país, o que leva o público a se questionar sobre seus métodos. O personagem com certeza vai dividir opiniões entre os espectadores sobre várias decisões tomadas por Dick.

Imagem relacionada


Amy Adams, que interpreta Lynne Cheney, a esposa de Dick, está sensacional. Já em sua primeira cena, ela mostra todo o potencial da personagem, mas logo em seguida ela é muito mal aproveitada, não tendo o destaque merecido.


Steve Carell interpreta a si mesmo, mas imitando o ex-Secretário da Defesa dos EUA, Donald Rumsfeld.

Resultado de imagem para Backseat


Resultado de imagem para vice movie

Sam Rockwell está bem como o presidente Bush, mas poderia ter mais tempo em cena.


Embora Vice seja fiel aos fatos, ele foi feito somente para um público especifico, e é um filme que provavelmente não terá o mesmo impacto em pessoas que não se interessam pelo tema principal da trama, cuja história ainda é interessante, e, mesmo com todas as falhas, é muito bem contada, sob o ponto de vista de alguém que não é especialista no assunto.

NOTA: 7 cargos e meio  na Casa Branca. (7,5/10)

Trailer:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …