Pular para o conteúdo principal

Enquanto isso.... na Sala da Justiça, digo... nos blogs parceiros... #1

Essa é uma coluna que eu já fiz anteriormente em um site antigo, e que acho extremamente válida. Pretendo que seja semanal, mas... às vezes a gente aqui da USS Sinistra acaba se enrolando com mil afazeres, entra em algum buraco de minhoca, segue em alguma aventura, seja ajudando o Batman a combater o crime, procurando coisas legais para postar para vocês e/ou nos afogando em coisas chatas no mundo não virtual - como lavar roupa, e outras atitudes menos nobres, porém necessárias em nossas vidas de adultos, já que pelo menos eu não tenho uma casa toda automatizada e nem uma empregada robô incrível como a Rosie de Os Jetsons...

Bom, esse primeiro post terá 5 dicas de leitura em alguns blogs de que eu gosto, sejam (ainda) parceiros ou não.

Apertem os cintos, relaxem em suas poltronas, sei lá, fiquem de cabeça para baixo, enfim... apenas...

Deliciem-se!



1. Comecemos com uma dica do blog pessoal da Michelle (Mi) que é uma de nossas tripulantes:

Se aqui ela postou para a gente os 5 melhores filmes de 2018, na opinião dela, óbvio, hehehe, neste post aqui ela fala ainda mais sobre o que leu, os filmes e as séries que assistiu e sua opinião sobre eles. Super valer a pena ir lá dar uma checada ;)



2. Do blog da Aline, que eu adoro, eu escolhi essa resenha de um livro sobre o qual euzinha mesmo estou bem curiosa, Geek Love, da Darkside Books. Preciso dizer que fiquei ainda com mais vontade de ler esse livro? (Aliás, a Aline faz só aumentar minha já infinita lista de leitura, hahaha) Segundo ela, "é um livro atemporal e reflete as sombras do ser humano ao trazer a família de freaks". Vejam aqui tudo que ela tem a dizer sobre este livro.


3. O Bruno Martuci Ramos falou o que ele achou do filme aqui, eu adorei também, ainda que eu seja mais fã-raiz, rs, e prefira Dragon Ball, o original hahaha, mas o filme é bacanudo sim, e, caso queiram ver outra opinião, chequem a review do Paulo lá no Dollarscast.


4. Como nós aqui também sempre que possível falamos sobre consciência negra, temas sociais importantes em geral, LGBT, etc., e até compartilhamos aqui um conto africano no Dia da Consciência Negra, do site do Tom Dutra, escolhi esse post aqui, mais um livro que vai para a minha lista de leituras!



5. E, por último, mas não menos importante, "Quadrinistas mulheres seguem invisíveis no mainstream", um post no Meio e Mensagem, que é uma entrevista com Gabriela Borges, fundadora do movimento Minas de HQ.

O dedo coça para colocar mais recomendações, mas vou parar nas 5 e colocar as próximas no meu rascunho aqui, né?

Enfim, espero que tenham gostado. Nesse ano de 2019, a USS Sinistra e sua tripulação e seus membros, convidados e tripulantes honorários ainda trarão muito mais novidades nesse site que nem de longe é apenas um site APENAS sobre cinema. Embora a gente fale (escreva) muito de cinema. Porque amamos cinema. Vocês, não?

Beijos,

A Capitã, nesta data estelar 1.723.076
Ana Death Duarte
LLAP




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Netflix anuncia nova série em mandarim, “A NOIVA FANTASMA”

“Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...” A nova série original da Netflix “A Noiva Fantasma”, dirigida pelos premiados diretores malaios Quek Shio-Chuan e Ho Yu-Hang, foi produzida na Malásia e conta com uma equipe internacional de roteiristas de Hollywood, Malásia e Taiwan, liderados pela escritora de TV americana-taiwaneesa Kai Yu Wu, conhecida por seu trabalho em sucessos como Hannibal e The Flash.

A produção é uma adaptação de um best-seller homônimo do New York Times, escrito pela malasiana Yangsze Choo e lançado no Brasil, em uma edição belíssima, pela Editora Darkside Books. A série adota uma abordagem de produção refrescante.


A trama se passa em uma colônia da década de 1890, onde a protagonista, Li Lan, uma jovem educada e culta, recebe uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto. A oferta parece irrecusável, já que ajudaria sua fa…