Pular para o conteúdo principal

#Streaming - Ana e Bruno, um filme que usa a loucura como porta para mostrar a toxicidade de certas pessoas


Ana e Bruno é, de fato, como digo no título desse post, um filme que usa a loucura como porta para mostrar a toxicidade de certas pessoas, mas não se limita a isso.

Ana e Bruno mostra, com uma animação belíssima e encantadora, como o ser humano consegue criar paranoias e coisas que não existem, fruto de seus medos, de suas angústias, de seus pré-conceitos, enfim: de suas neuroses. Ana é uma menina encantadora, que faz amizade com vários amigos imaginários criados por outros internos em um hospício. Bruno, um homenzinho verde, que nos lembra um duende, é um desses amigos. Não que ele ou Ana não tenham defeitos - eles têm. Os personagens principais são profundos, não são aqueles estereótipos simples, eles têm camadas, estando mais para arquétipos.



A história começa quando Ana e a mãe são levadas pelo pai a um lugar que parece ser muito bonito, mas que é, na verdade, um hospício. Em meio às aventuras de Ana para ir atrás de seu pai, somos apresentados aos conflitos que vão sendo desvelados aos poucos, como se estivessem descascado uma cebola. E Rosy, a paquiderme "criada por um controlador neurótico", como nos informa Bruno, é tão assustadoramente tóxica, extremamente controladora, birrenta e obcecada pelo próprio Bruno - que meio que se aproveita disso quando lhe é útil - que dá medo. A toxicidade dela é muito alta, e me passaram pela cabeça algumas pessoas assim que já conheci. Tenso demais.

Carlos Carrera imprime sua marca na película, além do que notamos algo bem comum em filmes mexicanos e/ou com temática mexicana, como vimos em Viva - A vida é uma festa: a memória. O esquecimento que leva à não-existência. A animação tem toques dessa temática em diversos momentos, nos deixando com os coraçõezinhos repuxados de agonia em vários momentos.



No entanto, o filme não para por aí e se aprofunda nos temas de loucura, perdas e recomeços, e consegue ser encantador, embora pesada pelos temas abordados, e foge ao lugar comum. Ana e Bruno ganhou já um lugarzinho especial no meu coração junto a Minha vida de abobrinha, e quando revi o filme (o que recomendo), eu já o vi sabendo do que estava para acontecer, então dá aquelas sensação de que tudo se encaixa e as dicas estavam ali, desde o comecinho, para juntarmos as peças do quebra-cabeças. O filme surpreende e encanta, um "conto de fadas" sombrio, por assim dizer, do que eu deveria ter desconfiado, já que veio recomendado por ninguém menos do que Guilhermo Del Toro.

5 baiacus imaginários flutuantes (5/5)

Disponível em streaming: Amazon Prime Video 

Trailer:


Comentários

Popular

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…