Pular para o conteúdo principal

Crianças Lobo: Um filme-anime emotivo e sincero em seu retrato misto de fantasia e realidade



Crianças Lobo (Wolf Children / Ookami kodomo no Ame to Yuki) é um belíssimo longa animado japonês (anime) que parte de uma premissa relativamente simples até algo mais profundo que invade os corações, as almas e as mentes das pessoas: Hana envolve-se romanticamente e tem filhos com um lobisomem que acaba morrendo afogado ao tentar caçar comida para a família, e, a partir de então, tem que se virar “sozinha” para criar os filhos, que são crianças-lobo.

Há momentos engraçadíssimos no anime, especialmente quando as crianças aprontam em suas formas lupinas, mas há também instâncias que falam diretamente com os adultos, pois usam diversas cenas e situações para falar de vários problemas que as pessoas enfrentam em suas vidas: criar os filhos na grande cidade ou no campo, as escolhas de quem e o que vamos ser quando crescermos - Ame e Yuki tomam rumos bem diferentes em relação a seus futuros, a amizade que vai surgindo com a convivência, o fato de que nenhum ser, seja humano ou animal, vive realmente sozinho… e até mesmo do quanto podemos aprender sobre vários aspectos da vida com os livros, sim, mas como é bem-vinda a ajuda de quem já tem mais experiência do que nós.

Ookami kodomo no Ame to Yuki carrega uma boa mescla de fantasia com realidade, com uma carga bem sentimental, sem ser piegas em momento algum, e estes dois aspectos são combinados com perfeição neste que é um anime lindíssimo e um excelente filme. Bem menos depressivo do que imaginei que seria a princípio, na verdade deixa nossos corações aquecidos até mesmo por deixar claro que cada um é isso daí: um indivíduo e, apesar de algumas escolhas levarem indivíduos a trilharem caminhos separados, elas precisam ser feitas. 





Sem vilões, grandes heróis, dragões ou princesas, este é  um filme que encanta enquanto caminha magistralmente entre a fantasia e a realidade com a mesma proeza com que as crianças se transformam em lobo quando pequenas… que tem seu charme e faz com que tenhamos algumas fisgadas nos nossos corações com sua montanha-russa de emoções, mas que deixa acesa a chama da esperança no final. 

5 filhotinhos de lobo embrulhados para presente


Trailer:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …