Pular para o conteúdo principal

Cinderela Pop, o filme - Ganhando vida das páginas para as telas... em um ritmo diferente


Cinderela Pop, a primeira adaptação do livro escrito por Paula Pimenta que conta a velha história da Gata Borralheira nos tempos atuais e, embora o enredo seja praticamente o mesmo, a história se mostra bem criativa e renovadora.

O diretor Bruno Garotti (“Tudo por um Pop Star” e “Eu Fico Loko”) consegue contar essa história que já teve inúmeras adaptações para o cinema, TV e teatro, sem copiar demais das outras versões, conferindo personalidade própria a seu filme e principalmente para a protagonista, fazendo a personagem não cair no clichê da garota de bom coração que sofre nas mãos de sua madrasta abusiva e cruel. Os personagens principais são muito bem dirigidos, com destaque para Maisa e Filipe Bragança, que também estão se empenhando em seus personagens. Por outro lado, os personagens secundários e coadjuvantes começam a pender para o caricato e superficial.


Resultado de imagem para cinderela pop

Maisa surpreende com sua atuação. Mesmo sendo um filme que não exige tanto da atriz, ela tem um ótimo desempenho, fugindo da Cinderela tradicional que o publico está cansado de ver, humanizando a personagem e mostrando que ela é uma garota audaciosa e que tem ambições de alcançar o seu sonho, e que também tem emoções negativas para com pessoas desagradáveis que fazem parte de sua vida, mostrando que Cindy é uma garota comum da atualidade, com seus próprios problemas e bons momentos, como qualquer pessoa da realidade.

Resultado de imagem para cinderela pop filme

O personagem de Filipe Bragança, que interpreta Fredy, o interesse romântico de Cindy, embora piegas, sempre falando em encontrar o amor verdadeiro, os diálogos sobre esse tema são os melhores do filme, devido ao desempenho do ator, levando o público a acreditar que ele realmente crê no que ele diz.

Fernanda Paes Leme, que interpreta a madrasta, é uma típica vilã de novela, com falas bem expositivas, mostrando sua maldade e seus desejos de conquistar tudo o que ela quer, fazendo tudo o que for preciso para tal.

Resultado de imagem para cinderela pop

m relação a outros personagens coadjuvantes apresentados que também tinham um bom potencial, o diretor opta por não os abordar tanto para não ofuscar a trama dos protagonistas.

A mixagem de som é muito mal trabalhada, sendo que a música tem um grande destaque na história, percebendo-se que em muitas cenas é feito um trabalho de dublagem e playback.

O roteiro tem um bom ritmo e, embora seja previsível devido a sua estrutura baseada na história da Cinderela, consegue apresentar os eventos com naturalidade e remodelando um pouco o conto original e os elementos mais famosos da trama para que fique mais realista e orgânica, como o  lance com o sapatinho de cristal (no caso, um tênis) que fica bem mais plausível.

Os diálogos acabam sendo bem artificiais e piegas, parecendo capítulo de novela infantil. A narrativa que é introduzida logo no início acaba declarando o óbvio, ainda e usada junto com o elemento de mostrar na tela o que a personagem está pensando, e depois o que ela realmente fez... poderia ser mais criativo.

Resultado de imagem para cinderela pop

Cinderela Pop, embora seja um filme feito para o público infantojuvenil, não tem um ritmo maçante e entediante que faria com que o público mais velho revirasse os olhos, e acaba sendo uma bem-vinda releitura de um dos mais conhecidos contos de fadas de todos os tempos.

NOTA: 6 trampos de DJ antes da meia-noite.

Trailer:

Se vocês clicarem nessa imagem aí embaixo, ela os levará à página de compra do livro na Amazon Brasil e vocês estarão nos ajudando a conseguir alguma graninha para colocarmos mais combustível na nossa nave, a USS Sinistra. 
Antecipadamente agradeço, A Capitã

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…