Pular para o conteúdo principal

Minha fama de mau, o Bohemian Rhapsody brasileiro da Jovem Guarda


Lui Farias, filho do diretor Roberto Farias (Roberto Carlos em Ritmo de Aventura, 1968) deu continuidade ao legado do pai ao adaptar a autobiografia do cantor e compositor Erasmo Carlos, um dos grandes nomes da Jovem Guarda, no filme Minha fama de mau.

Lui introduz o filme misturando vários tipos de estilos para iniciar a história, colocando elementos de narração em off, quebra da quarta parede, cortando o filme como se fosse uma HQ, personagens saindo de pôsteres e interagindo com o protagonista, de modo que parece que o diretor fica indeciso em relação à escolha do tipo de filme que ele quer fazer, deixando o primeiro ato um pouco confuso.

A partir do segundo ato, o diretor estabelece seu estilo e a trama fica mais fácil de se acompanhar. O roteiro mostra, sem pressa, a trajetória de Erasmo, como ele se interessou pela música, suas maiores inspirações, mostrando o cantor subindo do anonimato até a fama, mantendo o ritmo na apresentação do personagem aos poucos. A narração poética do protagonista acaba realçando demais as cenas, apelando muito para o óbvio, mostrando exatamente aquilo que ele tinha dito.

Quando o roteiro começa a focar-se na amizade de Erasmo com o cantor Roberto Carlos, a relação deles é muito bem contada, junto com a direção que consegue mostrar bem essa amizade sem tirar o foco anterior do filme, mostrando como eles se conheceram devido ao mesmo gosto musical, como um ajudava o outro na hora de compor suas canções, e como muitas das letras de suas canções são experiências de vida pelas quais os dois passaram, e muitas vezes, juntos.

Resultado de imagem para minha fama de mau filme

A ambientação convence que o filme se passe nos anos de 1950, mas, mesmo ainda sendo convincente, a construção de época por meio dos cenários não surpreende muito, já que muitos deles são internos, notando-se que foi gravado em um estúdio, enquanto, para os cenários externos, foram usadas gravações reais da época, o que causa uma certa nostalgia. No entanto, o que mais chama a atenção são os figurinos, os quais remetem bem ao ano em que se passa o filme, e o vocabulário dos personagens, servindo-se bastante gírias da época, o que pode até mesmo levar o público mais jovem a achar graça do palavreado da Jovem Guarda.

Chay Suede faz um bom trabalho interpretando o jovem Erasmo Carlos. Ele é ambicioso, malandro, não mostra arrependimento pelo que faz para alcançar o estrelato, nunca abaixando a cabeça quando é pego se beneficiando, assumindo na maior cara de pau o que ele fez, conquistando com seu carisma o público.

Resultado de imagem para minha fama de mau filme

Gabriel Leone faz um Roberto Carlos muito parecido com o original, fazendo bem o cantor galã com seu charme e talento que “arrasa corações”.

Malu Rodrigues, que interpreta Wanderléa, não tem muita participação na história, só está no filme porque a personagem é amiga da dupla principal na vida real.

O trabalho de edição de som impressiona, misturando com bastante equilíbrio e precisão as vozes dos atores com as vozes originais dos cantores, o que confere mais autenticidade às cenas musicais, renovando esse velho movimento musical, e causando nostalgia em quem ouve. As canções também são bem encaixadas na trama, e vão agradar bastante o público mais velho que viveu a Jovem Guarda.

Resultado de imagem para minha fama de mau filme

Após o auge da carreira de Erasmo, o roteiro cai na estrutura padrão, que vai do topo à decadência, mostrando o início do fim da Jovem Guarda, do artista que não quer se adaptar aos novos movimentos musicais, das separações e reconciliações, com diálogos bem previsíveis, o que deixa o filme meio piegas a partir do terceiro ato.

Resultado de imagem para minha fama de mau filme

Minha fama de mau é um filme que pode ser considerado o Bohemian Rhapsody brasileiro da Jovem Guarda, que vai agradar aos fãs do estilo musical, e possivelmente despertará o interesse do público mais novo.

NOTA: 7 músicas na onda do iê-iê-iê. 

Há um livro homônimo, lançado em 2009 pela Editora Objetiva:

Se vocês clicarem nessa imagem aí embaixo, ela as levará à página de compra do livro na Amazon Brasil e vocês estarão nos ajudando a conseguir alguma graninha para colocarmos mais combustível na nossa nave, a USS Sinistra. 
Antecipadamente agradeço, A Capitã


Trailer do filme:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …