Minha fama de mau, o Bohemian Rhapsody brasileiro da Jovem Guarda


Lui Farias, filho do diretor Roberto Farias (Roberto Carlos em Ritmo de Aventura, 1968) deu continuidade ao legado do pai ao adaptar a autobiografia do cantor e compositor Erasmo Carlos, um dos grandes nomes da Jovem Guarda, no filme Minha fama de mau.

Lui introduz o filme misturando vários tipos de estilos para iniciar a história, colocando elementos de narração em off, quebra da quarta parede, cortando o filme como se fosse uma HQ, personagens saindo de pôsteres e interagindo com o protagonista, de modo que parece que o diretor fica indeciso em relação à escolha do tipo de filme que ele quer fazer, deixando o primeiro ato um pouco confuso.

A partir do segundo ato, o diretor estabelece seu estilo e a trama fica mais fácil de se acompanhar. O roteiro mostra, sem pressa, a trajetória de Erasmo, como ele se interessou pela música, suas maiores inspirações, mostrando o cantor subindo do anonimato até a fama, mantendo o ritmo na apresentação do personagem aos poucos. A narração poética do protagonista acaba realçando demais as cenas, apelando muito para o óbvio, mostrando exatamente aquilo que ele tinha dito.

Quando o roteiro começa a focar-se na amizade de Erasmo com o cantor Roberto Carlos, a relação deles é muito bem contada, junto com a direção que consegue mostrar bem essa amizade sem tirar o foco anterior do filme, mostrando como eles se conheceram devido ao mesmo gosto musical, como um ajudava o outro na hora de compor suas canções, e como muitas das letras de suas canções são experiências de vida pelas quais os dois passaram, e muitas vezes, juntos.

Resultado de imagem para minha fama de mau filme

A ambientação convence que o filme se passe nos anos de 1950, mas, mesmo ainda sendo convincente, a construção de época por meio dos cenários não surpreende muito, já que muitos deles são internos, notando-se que foi gravado em um estúdio, enquanto, para os cenários externos, foram usadas gravações reais da época, o que causa uma certa nostalgia. No entanto, o que mais chama a atenção são os figurinos, os quais remetem bem ao ano em que se passa o filme, e o vocabulário dos personagens, servindo-se bastante gírias da época, o que pode até mesmo levar o público mais jovem a achar graça do palavreado da Jovem Guarda.

Chay Suede faz um bom trabalho interpretando o jovem Erasmo Carlos. Ele é ambicioso, malandro, não mostra arrependimento pelo que faz para alcançar o estrelato, nunca abaixando a cabeça quando é pego se beneficiando, assumindo na maior cara de pau o que ele fez, conquistando com seu carisma o público.

Resultado de imagem para minha fama de mau filme

Gabriel Leone faz um Roberto Carlos muito parecido com o original, fazendo bem o cantor galã com seu charme e talento que “arrasa corações”.

Malu Rodrigues, que interpreta Wanderléa, não tem muita participação na história, só está no filme porque a personagem é amiga da dupla principal na vida real.

O trabalho de edição de som impressiona, misturando com bastante equilíbrio e precisão as vozes dos atores com as vozes originais dos cantores, o que confere mais autenticidade às cenas musicais, renovando esse velho movimento musical, e causando nostalgia em quem ouve. As canções também são bem encaixadas na trama, e vão agradar bastante o público mais velho que viveu a Jovem Guarda.

Resultado de imagem para minha fama de mau filme

Após o auge da carreira de Erasmo, o roteiro cai na estrutura padrão, que vai do topo à decadência, mostrando o início do fim da Jovem Guarda, do artista que não quer se adaptar aos novos movimentos musicais, das separações e reconciliações, com diálogos bem previsíveis, o que deixa o filme meio piegas a partir do terceiro ato.

Resultado de imagem para minha fama de mau filme

Minha fama de mau é um filme que pode ser considerado o Bohemian Rhapsody brasileiro da Jovem Guarda, que vai agradar aos fãs do estilo musical, e possivelmente despertará o interesse do público mais novo.

NOTA: 7 músicas na onda do iê-iê-iê. 

Há um livro homônimo, lançado em 2009 pela Editora Objetiva:

Se vocês clicarem nessa imagem aí embaixo, ela as levará à página de compra do livro na Amazon Brasil e vocês estarão nos ajudando a conseguir alguma graninha para colocarmos mais combustível na nossa nave, a USS Sinistra. 
Antecipadamente agradeço, A Capitã


Trailer do filme:


Comentários

Postagens mais visitadas