Pular para o conteúdo principal

Doki Doki Literature Club é o jogo mais perturbadoramente humano que você vai jogar!



E hoje temos a nossa cadete, Catherine, voltando a falar sobre games aqui para a gente, com essa dica incrível que euzinha já fiquei super morrendo de vontade de jogar!

Com a palavra, Catherine:

<<Procurando algo para passar o tempo na sessão de visual novels da Steam, encontrei esse jogo, que também trazia "terror psicológico" em suas tags. Se tem algo que eu adoro, é a promessa de um bom terror, daqueles que nos deixam perturbados e pensando sobre como as coisas realmente deveriam ser. Esse, com certeza, é Doki Doki Literature Club.>>

ATENÇÃO: ALERTA DE SPOILER! - Afinal, essa é uma análise do jogo, mas eu li sem medo e recomendo, afinal, o objetivo aqui é convencê-l(a) a jogar, certo?

<<Logo de início, você é avisado de que este não é um jogo indicado para crianças nem pessoas facilmente impressionáveis. Por favor, respeite esse aviso!

Nessa visual novel, você é um garoto cuja amiga de infância, Sayori, pede uma "forcinha" para levantar o novo clube do qual ela faz parte: o clube de literatura. Você acaba se juntando por pressão, após conhecer várias garotas bonitas e perceber que o clube precisa de mais membros para continuar com suas atividades. E por que não? Você não costuma fazer parte de clubes e adora ficar em casa lendo mangás, algo que pode fazer no clube também! 



No decorrer do jogo, você escolhe palavras-chave para criar poemas e apresentá-los às colegas de clube. Os poemas que você cria e as decisões que toma o fazem se aproximar de diferentes garotas, mas não pense que se aproximar de lindas garotas é tudo o que um garoto pode desejar! Por trás das máscaras, sempre há cicatrizes, e algumas tão profundas que mudarão o rumo do jogo e o modo como você encara as pessoas na vida real também. O roteiro é tão bem construído que, em alguns momentos, faz com que você se sinta egoísta e triste por tratar personagens de jogos como meros passatempos ou seres descartáveis. De certo modo, ele o leva a acreditar que aquela é uma nova vida criada pela programação do jogo e que deve ser respeitada como deveria ser  no mundo real. Ele o leva a creditar que os sentimentos dos personagens são reais, e dificilmente você vai acabar o jogo sem acreditar na profundidade das emoções deles. 

Particularmente, Natsuki foi a membro do clube pelo qual mais senti empatia. O sofrimento e o abuso que ela esconde por trás de sua personalidade teimosa (e meio tsundere) é algo que podemos perceber em muitas pessoas com o mesmo histórico, e o julgamento que temos antes de decidir conhecê-la, de que é a mimada e menos interessante no clube, muda completamente. A carta que ela escreve sobre o pai com certeza foi um grande catalisador de empatia (é impossível ler e não ficar de coração partido!). 



"Quem se importa com o que uma pessoa gosta, contanto que não machuque ninguém e a faça feliz?"

Na primeira vez, me interessei muito pela Yuri, por parecer que sua personalidade era mais obscura, intelectual e tímida, mas ela também reflete a falta de foco que pessoas que vivem apenas para si e para seus hobbies podem encarar quando deixam alguém entrar em suas vidas, e isso é um grande problema, não saber lidar com outra presença e ter tanto medo de perdê-la, que acaba perdendo a si mesma. É o que a solidão faz com muitas pessoas, as torna obsessivas, egoístas e temerosas.

O mais interessante é que, se você joga prestando atenção na pasta do jogo, você pode ver os arquivos mudando enquanto o jogo é editado e encontrar novos arquivos, assim como perder alguns. Eu passei um bom tempo conversando com Monika no final e, como ela mesma diz, ela realmente tem muitos assuntos interessantes e o tempo parece congelado enquanto você a encara. Eu tirei vários prints do jogo e postei, porque a inteligência evidente no roteiro me deixou surpresa e muito animada.



"Eu adoraria conhecer esse Deus que parece rir do sofrimentos de todos os que não são dignos de seus milagres."

Enfim, há muitas coisas que ainda quero descobrir sobre o jogo e pretendo jogá-lo mais algumas vezes para entender completamente a história, mas indico demais para pessoas que gostam do gênero e que querem fazer uma reflexão sobre a vida. Pode ser um pouco perturbador, mas com certeza vale a pena dedicar um tempo a Doki Doki Literature Club!>> 



"Este é meu último adeus para o clube de literatura.

Eu finalmente entendi. O clube de literatura é um lugar onde nenhuma felicidade existe. Até o fim, ele continuou expondo mentes inocentes a uma terrível realidade - uma realidade que nosso mundo não foi feito para entender. Eu não posso deixar nenhuma de minha amigas passarem pela mesma epifania infernal.
Pelo tempo que tivemos, quero agradecer. Por fazer todos os meus sonhos se realizarem. Por ser amigo de todos os membros do clube.

E, acima de tudo, obrigada por fazer parte do meu clube de literatura!
Com amor infinito,
Monika."

Ps. por Ana Death: Só esse vídeo com a música do game já dá uma ideia do quanto ele é assustador!

Dica do Paulo: Está gratuito no Steam


Comentários

  1. Pode ser perturbador mais, é o único motivo de amar esse jogo, mais só é perturbador se suas escolhas forem, por exemplo rejeitar uma delas, aí automáticamente as coisas pioram, mas às vezes a eu joguei algumas acabou em paz e sossego

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …