Pular para o conteúdo principal

Eu sou mais eu: filme nacional aborda a questão da autoaceitação usando o artifício mais lugar comum possível




Não importa o quanto você reclame ou diga que "não é bem assim", o cinema nacional sempre fez parte da essência de ser brasileiro. Independente de ser humor besteirol ou filme de drama aclamado em todo o mundo, nossa pátria tem uma capacidade imensa na diversidade de produção para suas obras de longas-metragens, e, no caso de "Eu sou mais eu", filme que estreou no final do mês passado, podemos dizer que ele trabalha um gênero que é bem evidenciado lá fora, porém pouco trabalhado em terras tupiniquins.

Aqui temos um enredo que se foca em mostrar toda a jornada da personagem Camila (que é interpretada pela Kéfera) para buscar sua verdadeira identidade e ser mais ela mesma e, honestamente, isso é feito de uma forma bem divertida e abusando dos clichês que são possíveis para o gênero, pois filmes que carregam o estilo de voltar ao passado ou ir para o futuro não costumam trazer tantas inovações, até por ser um formato que fica mais na linha do arroz com feijão.



Porém, mesmo no básico, dá para dizer que o filme usa bem o trunfo que possui, pois trabalha bem com essa questão de se autoaceitar e, de quebra, ainda nos mostra que o bulliyng é algo nocivo e que ocasiona sequelas ao longo da vida, às vezes, inclusive, nos tornando pessoas diferentes demais do que éramos na nossa adolescência.


Outro ponto interessante a se mencionar é que, mesmo usando uma fórmula bem conhecida, a trama sabe ser consistente no que deseja contar e ainda tira sarro de si mesma, fazendo algumas piadas com relação à situação durante a película, sem contar que há um real trabalho para nos entregar momentos bem alternados, saindo do humor divertido para o drama no timing certo.

As atuações estão bem encaixadas, assim como as interações entre as personagens. Aqui tudo consegue ter o tom certo para funcionar e fluir devidamente ao longo das duas horas de filme. Também é interessante citar que houve todo um cuidado com a ambientação do filme, focando-se em realmente nos dar uma sensação de que se passa em 2004; graças a isso, temos uma verdadeira imersão no tempo em que as videolocadoras faziam sucesso e o Orkut era a moda do momento.



Além disso, cabe a menção de que este é um filme exclusivamente voltado para o público mais adolescente, em especial por trabalhar bem as nuances pelas quais a galera nessa faixa etária passa, em especial no que envolve ser quem você se sente bem sendo; mas, ainda assim é um filme que pode ser visto pelos adultos sem muitos problemas, já que a narrativa também pode levá-los a uma reflexão sobre as questões que permeiam a juventude de uma forma geral. Sem contar que é um bom entretenimento para a família.

Como último ponto, vale a consideração que, apesar de tudo, o filme é estritamente clichê, e isso é notado em diversos pontos. Logo, mesmo com todas as recomendações e com todos os meus comentários pertinentes, se você for daqueles que procura por algo diferente, não se arrisque, porque se frustrará com este filme, pois ele é óbvio desde seu primeiro momento. 

Nota: 3 de 5 voltas ao passado

Texto escrito pelo nosso Cadete Honorário, Paulo Raposo, cuja bio estará disponível em breve, pois, no momento, ele deve estar em alguma missão em outro planeta ;) 

Trailer:




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …