Pular para o conteúdo principal

#Oscar2019 - Guerra Fria: Amor em Tempos Difíceis



Ao longo de mais de uma década de Guerra Fria, um músico experiente e uma cantora talentosa tentam vencer obstáculos externos e dramas internos para viver um amor impossível.


Em meados dos anos de 1950, Wiktor (Tomasz Kot) já era um músico respeitado em sua terra natal, a Polônia. Junto com sua equipe, ele percorre aldeias isoladas, registrando canções populares com seu gravador. De volta à capital, ele participa pessoalmente da seleção de candidatos para compor um grupo folclórico polonês de música e dança. Entre os escolhidos está Zula (Joanna Kulig), a jovem promissora que conquista a vaga (e o coração de Wiktor) devido ao seu comportamento ousado.

Mas a fama que o grupo ganha no país faz com que os olhos do governo se voltem para ele, enxergando ali o veículo perfeito para a difusão de mensagens nacionalistas. Ofendido ao ver a arte corrompida por ideais políticos e pela fome de poder dos governantes, Wiktor propõe a Zula que fujam do país. E aí começa uma série de desencontros e reencontros do casal, que, nos anos seguintes, conseguirá vivenciar seu amor de forma breve e intensa em meio a dilemas pessoais e dificuldades impostas por terceiros.

A música é um elemento fundamental da trama e, se prestarmos atenção na letra da canção-tema, não é difícil adivinhar o final da história. As mudanças de ritmo e estilo musical também são outro indício (o filme começa com músicas folclóricas e danças animadas e termina com jazz e letras em inglês incapazes de traduzir o significado e o sentimento contidos nas canções originais).

Essa impossibilidade de se reconhecer no que canta gera uma sensação de não-pertencimento, uma das principais questões de Zula, que faz com que ela relute em deixar seu país por medo de perder sua identidade (o que de fato acontece: ela perde a nacionalidade, perde a língua materna e perde o reconhecimento como artista que havia alcançado em sua terra natal). Wiktor também sofre com a distância de casa, mas o peso para ele é menor: ele é mais velho, sua carreira é pouco afetada, e ele consegue até manter sua identidade em terra estrangeira.

Cheio de saltos no tempo, o filme se concentra em mostrar os reencontros do casal em diversos momentos e situações. A Guerra Fria, em si, não é mostrada, mas é possível vislumbrar o desenrolar da História a cada nova reunião de Wiktor e Zula, inferir que, assim como o relacionamento dos protagonistas, o comunismo também vai se desintegrando ao longo dos anos.

Com um visual em preto e branco belíssimo, a escolha do diretor vai além da estética pura e simples e, como ele mesmo disse em uma entrevista ao The Guardian, se justifica pela intenção de soar como uma combinação de memórias evocadas daquele período com realidades inventadas. A inspiração veio de fotografias antigas de álbuns que ele guarda com cuidado. Aliás, o enredo tem muito da história de vida dos pais do diretor (sua mãe, Zula, dançava num dos grupos folclóricos criados na época da Guerra Fria; seu pai, Wiktor, também viveu exilado após deixar o país cruzando ilegalmente a fronteira da Alemanha Oriental – até o final da trama imita a vida real!), ainda que não seja uma obra biográfica.

Uma história de amor contada com apuro visual e uma trilha sonora marcante.

P.S. Aqui no blog também tem a resenha de Guerra Fria feita pelo Bruno na época da 42ª Mostra de Cinema de São Paulo.

Nota: 3 acordes (3/5)
Estreia: 7 de fevereiro



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …