Pular para o conteúdo principal

#homevideo - Sadako vs. Kayako, o embate de duas lendas



Mesmo não gostando de filmes de terror, dificilmente você não ouviu falar nos filmes “O grito” e “O chamado”. Não? Que tal a Samara, aquela menina que vive no fundo do poço e tem um vídeo amaldiçoado que, se você assistir, te mata em sete dias? E aquela mulher fantasma que vive com o filho em uma casa assombrada e amaldiçoa todos que pisam na casa a e os leva para um lugar desconhecido?


Depois de “Freddy vs Jason” e “Alien vs Predador”, finalmente os fãs de terror foram presenteados com o confronto de dois gigantes do terror oriental. “Sadako vs Kayako”, ou “O grito vs O chamado”.
Quem assistiu aos filmes “O grito” e “O chamado” conhece bem as lendas e sabe que, apesar de em todos os filmes os protagonistas lutarem para acabar com a maldição, ela nunca acaba. Não importa o que façam, a maldição sempre volta. Talvez se torne repetitivo por isso, mas faz muito sentido. Para entender, precisamos dar uma olhada no folclore japonês e notar que essas duas protagonistas não são fantasmas comuns, mas sim Yurei.


Yurei é um tipo muito específico de espírito conhecido no Japão. São espíritos de pessoas que morreram violentamente, com ódio ou desejo de vingança extremo e, por isso, suas almas nunca descansarão em paz. Não existe maneira de destruir um Yurei e ele sempre irá até o final para buscar sua vingança, revivendo repetidamente o momento de sua morte e amaldiçoando todos os que ousem cruzar seu caminho.
Nesse filme, Natsumi pede a sua amiga, Yuri, que grave um vídeo para o aniversário de casamento de seus pais. Ao comprar o VHS, elas percebem que há um filme dentro e o veem. O que elas não sabiam é que haviam encontrado o vídeo amaldiçoado. Yuri se distrai e Natsumi acaba vendo o vídeo sozinha e sendo amaldiçoada por Sadako. Do outro lado, Suzuka acaba de se mudar com seus pais, sem saber que seria vizinha da famosa casa onde um pai assassinou a esposa e seu filho e depois cometeu suicídio. Suzuka começa a ter sonhos vívidos com a casa e a ver um garotinho assustador. Ela sente que a casa a está chamando...

Natsumi, e Yuri procuram seu professor de folclore para ajudá-las a dar fim à maldição. Ele sempre foi fissurado pela lenda urbana do vídeo amaldiçoado e não perde a oportunidade de assistir ao tal vídeo, dizendo que morreria de bom grado para comprovar a existência de Sadako. Eles buscam um exorcista para Natsumi, mas Sadako é um espírito poderoso demais e há apenas uma dupla que pode ajudá-la: os famosos exorcistas Kyozo e Tamao.

Sendo impossível fazer um exorcismo para acabar com a maldição, Kyozo e Tamao decidem colocar dois grandes espíritos para lutar entre sim, esperando que eles se destruam. Assim, ela faz com que Yuri e Suzuka entrem na casa amaldiçoada para assistir o vídeo de Sadako, colocando ela e Kayako frente à frente para um confronto pelas almas das garotas amaldiçoadas. Quem sairá vitoriosa dessa luta de gigantes?

O filme é muito promissor no geral. Acredito que todas as pessoas que amam filmes de terror gostam de uma dessas duas séries que aterrorizou gerações. No entanto, a batalha entre os espíritos foi muito mal organizada e até decepcionante. A direção deixou muito a desejar, transformando dois clássicos em mais um filme de terror asiático clichê. É possível prever as cenas do filme pelo decorrer da história, prever os sustos e as trocas de cena e isso o tornou monótono. Não há grandes desfechos e a caracterização de Sadako deixou a desejar. Kayako se tornou o clássico fantasma oriental pálido e com movimentos desconexos e assustadores.

O que mais me deixou pensativa sobre o filme foi o fato de o vídeo amaldiçoado ter mudado de “sete dias” para “dois dias”. Isso não é explicado no filme e também não pude achar explicação na internet. Se alguém souber, me diga, por favor! Talvez na era digital as coisas tenham que ser mais rápidas, inclusive as maldições, mas ainda não sabemos!

Eu dou 5 de 10 vídeos amaldiçoados para ele, apenas pelo fato de o filme ser baseado em filmes de terror incríveis, porque ele sozinho... não recomendo!


Catherine Meira

Trailer:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …