Pular para o conteúdo principal

John Wick e como às vezes um bom filme de ação não precisa de muita história para ser bem-sucedido



Se você gosta pelo menos um pouco de filme de ação, o que o leva a considerar a possibilidade de assistir a filmes como De volta ao jogo (John Wick Chapter 1), Busca Implacável e o  novo filme de ação de Liam Neeson, que está para estrear, Vingança a Sangue-Frio? Ou você nem cogitaria pagar para ver esse tipo de filme?
Eu amo cinema de arte, filmes mais profundos, digamos assim, mas amo muitão também, desde sempre, filmes de ação, porrada, tiroteio etc., embora também deva confessar que alguns não descem de jeito nenhum. Veja mais para o final desse post que filme de ação conseguiu me deixar com muito sono! hehehe

Eu admito que gosto de filmes de ação. Sim, muito. Filmes como Mercenários, Machete, O passageiro, Polar, Jack Reacher (os dois filmes, em que Tom Cruise arrasa com sua atuação eficiente e o bom uso do Krav Magá), John Wick 2 & 2. Sempre gostei. E nunca liguei muito para aquilo de que muitos reclamam: falta história. Curiosamente, foi com o segundo filme de John Wick (que eu podia jurar que era inspirado em videogame até me informar e ver que seguiu o rumo inverso, indo depois para os videogames) que eu percebi que muitas vezes, em filmes de ação especialmente, menos é mais. 

A storyline de De volta ao jogo (John Wick: Chapter 1) é bem simples: ex-hitman vinga-se daqueles que roubaram seu carro e mataram seu cachorro. Vejam bem: não importa muito o background do personagem, embora ele seja provido pelas falas daqueles que uma vez o empregaram: o homem que caça do bicho-papão, Baba Yaga, em russo. No segundo filme, o passado de John Wick e o que trouxe para o momento em que vive agora, o preço da liberdade, intrigas, etc., tudo isso, na minha opinião pelo menos, fez de John Wick 2 um filme bom, mas nem de longe comparável ao primeiro, em que as cenas da morte do cachorrinho e as emoções despertadas em um ex-assassino de aluguel e que deixam um imenso rastro de sangue são bem mais intensas e dignamente motivadas. 

Creio que talvez seja eu que prefira histórias mais pessoais em termos de filmes de ação, talvez. Filmes como Chamas da Vingança e agora me desperta a curiosidade o Vingança a Sangue-Frio. Quero também ver John Wick: Parabellum, que talvez seja bom, mas que talvez também não supere o primeiro, ainda que seja um bom entretenimento. Mas, hey! Não estou nem de longe dizendo que o segundo filme de John Wick não seja bom - é ótimo! E estou sim curiosa e ansiosa pelo terceiro capítulo dessa história (e curiosa para saber se afinal John decide dar um nome a seu novo catioríneo... e quem são os novos catioríneos que vimos na foto lá em cima do terceiro filme... O.o).


A última coisa que espero de um filme de ação é que me dê sono, e confesso que eu deixava passando Velozes e Furiosos 6 quando estava com insônia e dormia rapidinho. hahaha E você, o que o atrai ou afasta em um filme de ação?



Trailer de John Wick: Parabellum


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …