Pular para o conteúdo principal

Koe no Katachi (A voz do silêncio) e a catarse por meio de uma avalanche de sensações




Há um tempo estava rolando o feed do Facebook aleatoriamente quando vi um vídeo patrocinado da animação “Koe no Katachi” (traduzido para o inglês como "A silent voice"- "Uma voz silenciosa", e traduzido diretamente do japonês como "A forma da voz"). Logo de cara achei um nome interessante, pois o título traz a metáfora da voz para falar sobre uma estudante que sofre bullying por ser muda. Fui procurar a animação online e fiquei chocada com a carga de informação comportamental e os sentimentos que recebi.
O filme conta a história de Ishida e Shoko. Nishimiya Shoko é uma garota transferida para a escola de Ishida Shouya. Ela é bonita, mas há um pequeno detalhe: ela é muda. Shoko se esforça para se adaptar e é aceita pelos colegas, que a ajudam nas aulas e nos trabalhos de casa. É um bom início, mas, com o tempo, podemos ver como a inclusão de alguém com necessidades especiais pode ser problemática em uma turma regular. 



Shoko começa a atrapalhar os alunos porque não entende bem as informações e estes começam a se irritar com ela, o que desencadeia o bullying. Começa com pequenos comentários como “o cabelo dela é feio”, “que voz horrível ela tem quando tenta falar”, até o ponto em que Ishida a agride fisicamente e começa a fazer disso seu hobby diário. Ele joga água na colega, a chuta, destrói diversos aparelhos auditivos até finalmente cortar a orelha da colega em uma de suas gracinhas. Sua mãe precisa pedir desculpas para a mãe de Shoko e pagar pelo aparelho e, depois disso, Ishida começa a ser isolado pelos colegas que não queriam participar do bullying junto dele. Ishida começa a passar por tudo o que Shoko passava e esta finalmente muda de escola, acreditando deixar tudo para trás e encontrar um novo começo.



Ishida desenvolve um tipo de fobia social e ansiedade. Ele não consegue encarar multidões ou olhar nos rostos de seus colegas e cresce sentindo remorso pelo que fez. A animação começa com ele concluindo diversas tarefas, como aprender língua de sinais, trabalhar para pagar a sua mãe pelos aparelhos auditivos e tudo com apenas uma finalidade: suicidar-se sem deixar nada inacabado.

Porém, Ishida não tem coragem de levar isso adiante e apenas volta a ser um estudante comum, até que, por acaso, encontra Shoko em outra escola e a persegue para que ela lhe dê mais uma chance de amizade. Com um pouco de medo no começo, mas sentindo compaixão pelo amigo, Shoko aceita e ela e Ishida se tornam inseparáveis.

O anime parece correr bem, Ishida consegue se redimir e Shoko se apaixona por ele, mas feridas antigas nem sempre cicatrizam e, por trás de todo otimismo e de toda bondade, Shoko ainda está desesperada com sua situação, com o trabalho que os amigos e a família têm por causa dela e, em suas próprias palavras, ela se odeia. É por isso que, após ver os fogos de artifício com Ishida, ela corre para seu apartamento e tenta pular da janela. Seu plano só não dá certo porque Ishida a segura, mas acaba caindo em seu lugar e ficando em coma.



Com certeza as cenas da tentativa de suicídio e de Shoko indo ao hospital para se desculpar com a mãe de Ishida são as mais pesadas de todo o filme. É muito difícil assistí-lo até o final sem chorar!

Koe no katachi fala de várias situações cotidianas às quais não prestamos atenção: aquele colega estranho e aparentemente antipático que na verdade tem depressão e ansiedade, aquela amiga que vive animada e sorrindo, mas que na verdade se odeia, se corta e pensa em se matar todos os dias, aquela pessoa que que o trata mal, mas que na verdade gostaria de ter uma chance de se aproximar de você e não sabe o que fazer.



O bullying é engraçado enquanto não pensamos no alvo como um ser humano, “quem nunca sofreu bullying?” e “bullying molda caráter” são algumas das frases ditas por vítimas e por praticantes de bullying e, infelizmente, ambas estão certas. Bullying molda personalidade, molda medos, cria falta de expectativa e fé em si mesmo. E o modo como Ishida passa a se comportar depois de sentir o que Shoko sentiu mostra o isolamento típico de quem não pode mais confiar em ninguém.

Essa é minha recomendação! Você vai chorar? Sim. Vai ficar com raiva de Ishida? Sim. Vai se identificar com algum personagem? Com certeza. Mas eu posso lhe assegurar que você vai ver as pessoas com outros olhos depois dessa carga sentimental transmitida por Koe no Katachi.
Com certeza 10 estrelas para Ishida e Shoko, que conseguiram transformar seus piores sentimentos em amor, perdão e amizade.


Texto Por: Catherine Meira. --- Meu nome é Catherine, tenho 26 anos e escrevo desde os 15. Dei aulas de inglês por 10 anos e já escrevi sinopses, traduções e revisões para diversos livros, como a série “Minecraft” de Winter Morgan. Atualmente escrevo para o Bagulhos Sinistros e traduzo livros e jogos como Freelancer. Amo jogar diferentes RPGs e MOBAs e estou sempre procurando novas leituras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …