Pular para o conteúdo principal

Lembro mais dos Corvos + Tea For Two - Cantos do cisne do Projeto Vitrine Petrobras são hinos de resistência


Lembro mais dos corvos é um filme-relato-documentário da atriz e diretora trans nipobrasileira Julia Katharine, em que esta, sob a direção de Gustavo Vinagre, fala abertamente sobre sua vida, não somente sexual, mas também, inclusive se questionando sobre a exotificação em torno do fato de sua vida sexual ser, digamos, considerada interessante e relevante por ela ser transexual. Em uma longa conversa em uma noite de insônia adentro, Julia, com seu carisma, sua ternura e sinceridade, sem papas na língua, nos envolve por pouco mais de uma hora e vinte e nos encanta com seu jeito tranquilo e simples de ser, apesar das adversidades. O filme é sublime e surpreende, pois, não só em momento algum é entendiante, como nos envolve na vida dessa pessoa real que se desnuda metaforicamente em frente às câmeras.


Mais um filme extremamente necessário em nossos tempos, especialmente no Brasil, em que a discriminação e a transfobia, apesar de serem crimes, estão muito em alta, Lembro mais dos corvos nos leva a situações dramáticas, divertidas, pesadas, leves, hilárias, alegres, um misto na verdade da vida como ela é, em que momentos e histórias tristes e felizes se alternam, como em um carrossel em um filme que às vezes é preto e branco e em outras, bem colorido. 

Além disso, o longa, que lamentavelmente será o último da parceria da Petrobras com a Vitrine Filmes, encerrando o Sessão Vitrine Petrobras, que fomentava o cinema nacional, será exibido junto com o curta Tea For Two, de Julia, que também lida com temas como a transfobia, de forma delicada e simples e metafórica e diretamente, inclusive às vezes dentro da própria comunidade LGBT, infelizmente. 

Segundo a Vitrine Filmes, o projeto que não só fomentava o cinema brasileiro como vendia os ingressos a preços populares de 6 e 12 reais, não foi oficialmente encerrado, mas está em busca de novo patrocinador, depois que o presidente do país cancelou o apoio da Petrobras ao projeto. É, nenhuma surpresa para mim, mas não deixa de ser lamentável. 

A escolha de Lembro mais dos corvos e Tea for two é um canto perfeito do cisne para o projeto na parceria com a Petrobras, pois s bem informados sabem muito bem sobre o discurso de ódio que o próprio presidente fomenta. 

Esse canto do cisne duplo merece muito ser prestigiado, um canto de cisne que clama pela resistência, mesmo em tempos difíceis.

Leia mais sobre o que Julia e Gustavo pensam não só do fim dessa parceria como da situação triste para a cultura nacional atualmente no Brasil aqui.  

Lembro mais dos corvos: 5 corvos ecoando ternura em vez de disseminar a morte [Se não souber o porquê dos corvos, entenderá no filme, que, como eu adoro, sim, tem o nome falado por ela em certo momento <3 Essa referência eu não tinha pegado heheh]

Tea for two: 5 xícaras de chá... café ;) [Quando vir o curta, entenderá a referência.]



Trailer:



Entrevista com Julia e Gustavo no Canal Central 42:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Netflix anuncia nova série em mandarim, “A NOIVA FANTASMA”

“Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...” A nova série original da Netflix “A Noiva Fantasma”, dirigida pelos premiados diretores malaios Quek Shio-Chuan e Ho Yu-Hang, foi produzida na Malásia e conta com uma equipe internacional de roteiristas de Hollywood, Malásia e Taiwan, liderados pela escritora de TV americana-taiwaneesa Kai Yu Wu, conhecida por seu trabalho em sucessos como Hannibal e The Flash.

A produção é uma adaptação de um best-seller homônimo do New York Times, escrito pela malasiana Yangsze Choo e lançado no Brasil, em uma edição belíssima, pela Editora Darkside Books. A série adota uma abordagem de produção refrescante.


A trama se passa em uma colônia da década de 1890, onde a protagonista, Li Lan, uma jovem educada e culta, recebe uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto. A oferta parece irrecusável, já que ajudaria sua fa…