Pular para o conteúdo principal

Lore - dos podcasts à série de TV da Amazon ao livro lançado pela DarkSide no Brasil (bônus: as três primeiras histórias do livro O mundo de Lore - Criaturas Estranhas)


Acho muito legal quando uma obra interessante é lançada em múltiplas mídias. Livros, HQs, filmes, séries de TV, mangás, geralmente muitas obras bacanas acabam saindo em formatos para todos os gostos. E não foi diferente, com Lore, a série produzida pela Amazon que nasceu de uma série de podcasts de não-ficção sobre histórias assustadoras.

Como a DarkSide está lançando o livro da série, eu acabei decidindo assistir ao primeiro episódio dessa série antológica (que está na minha lista faz tempo, tantas séries, tantos filmes, tantos livros, tão pouco tempo...) antes de me dedicar à maratona de The Umbrella Academy.

E, minha gente... é extremamente sinistro. Sinistro especialmente ao ser relembrada, mais uma vez, do quanto a medicina até não tanto tempo assim atrás (século XIX) estava mais próxima de tortura e/ou algo saído da imaginação bem fértil de ousados escritores. Especialmente com as "invenções" insanamente absurdas (tipo, um puxador de línguas, sério?!) para verificar se alguém estava morto. Legal também ser relembrada da origem da expressão "saved by the bell" (salvo pelo sino), que remetia a invenções patenteadas em que um sino tocava se a pessoa enterrada estivesse viva. De fato, essa série é ótima para nos lembrar de que às vezes, realmente, a vida real é mais sinistra e assustadora do que a ficção.


Exemplo: minha gente, as pessoas até não muito tempo usavam lenços de pano e guardavam seus lenços sujos e contaminados com doenças diversas, gente, socorro, que coisa horrorosa!!! Só eu que sempre achei nojento assoar o nariz em um lenço de pano e guardá-lo no bolso?

Então, nesse primeiro episódio da série, mostrando como as pessoas tomadas pela tuberculose eram, para muitos, vítimas de possessão demoníaca e, especificamente uma delas, acabou dando origem àquele que acabaria sendo o livro de vampiros mais famoso através das eras. Drácula, de Bram Stoker.

O segundo episódio é justamente sobre algo que considero um dos maiores horrores e uma das maiores barbáries da "medicina": a lobotomia. Deixarei esse para depois.

Super indico não só para quem curte terror, mas também para quem tem interesse em tudo aquilo que deu origem a mitos e lendas urbanas e outras coisas que hoje podem até parecer absurdas, mas que, em suas épocas, parecia ser o único remédio e/ou a única solução possível para vários males. E temos também histórias de pessoas que achavam que seus entes queridos eram lobisomens, uma história aterrorizante sobre um boneco, tem lobisomens, de tudo um pouco na série, e, assim como um dos casos deu origem a Drácula, muitos dos outros também deram cria a terríveis criaturas nos livros e nas telas - até hoje.

A série pode ser vista no Amazon Prime Video e já tem duas temporadas disponíveis, cada uma com 6 episódios cada.

Trailer:



“A verdade pode ser mais apavorante do que a ficção. Mahnke prova isso conforme mergulha no folclore e no lado mais obscuro da história, em busca de fragmentos de verdade que originam nossos mais profundos medos.” — Entertainment Weekly —




Clique na imagem abaixo para ler online o primeiro conto do livro e entrar n'O mundo de Lore - Criaturas Estranhas. E clique na imagem acima para fazer o download da amostra do livro com os 3 primeiros capítulos.




***
O mundo de Lore - Criaturas Estranhas encontra-se em pré-venda e tem previsão de lançamento para 28/02/219


Se vocês clicarem nessas imagens aí embaixo, elas o levarão à página de compra do livro na Amazon Brasil e vocês estarão nos ajudando a conseguir alguma graninha para colocarmos mais combustível na nossa nave, a USS Sinistra. 
Antecipadamente agradeço, A Capitã



O mundo de Lore


Drácula 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …