Pular para o conteúdo principal

Minhas primeiras impressões de The Umbrella Academy e como o primeiro episódio da série da Netflix capta totalmente a essência dos 6 primeiros volumes das HQs!



Afinal, de que se trata The Umbrella Academy? Se você não conhece os quadrinhos originais que deram origem a essa adaptação, talvez você, logo no primeiro episódio, ache a série meio (ou bem) estranha. E se você conhece e leu as HQs, então sabe que o material é ainda mais bizarro. O que não é algo ruim, claro. Na verdade, acho fantástico que essa e outras adaptações de histórias "estranhas" ou "incomuns" (olá, Deuses Americanos, Good Omens e cia, sejam bem-vindas) sejam produzidas. E os personagens de The Umbrella Academy conseguiram ganhar vida e brilhar na tela da TV, ganhando profundidade ao saírem das páginas obviamente diferentes de como eles são nos quadrinhos (tanto em termos de aparência quanto em necessárias mudanças para se encaixar nesse outro tipo de mídia), mas com muita coisa em comum com eles. E posso dizer (e mostrar) claramente como esse primeiro episódio guarda e faz referência a muita coisa da HQ original. E tudo isso se encaixa, a meu ver, na roupagem nova que a Netflix, com os criadores e produtores (entre eles ninguém mais ninguém menos do que Gerard Way e Gabriel Bá), nos apresentam esses irmãos com super-poderes e super-tretas e super-disfuncionalidades.

Afinal, quem são esses 6 (ou seriam 7?) irmãos?



***

A história é basicamente a seguinte: 


Em um mesmo dia de 1989, quarenta e três crianças nasceram inexplicavelmente de mulheres aleatórias, sem ligação entre si, que no dia anterior não apresentavam nenhum sinal de gravidez. Sete foram adotadas por um industrial bilionário, que cria a Umbrella Academy e treina seus "filhos" para salvar o mundo. 

Agora, os seis membros sobreviventes se reúnem depois da notícia da morte do pai e precisam trabalhar juntos para resolver o mistério de sua morte. Mas a família incomum começa a se desentender em razão dos conflitos causados pelas diferentes personalidades e habilidades – tudo isso em meio à ameaça iminente de apocalipse global. 

The Umbrella Academy é baseada nas populares histórias em quadrinhos e graphic novels de Gerard Way (da banda My Chemical Romance), ilustradas pelo brasileiro Gabriel Bá e publicadas pela Dark Horse Comics. A produção é da Universal Cable Productions para a Netflix, Steve Blackman (Fargo, Altered Carbon) é produtor executivo e showrunner, e Jeff F. King (Mão de Deus), Mike Richardson, Keith Goldberg, Gerard Way e Gabriel Bá são coprodutores executivos.

Oras, a premissa parece simples, não? Bizarramente simples, talvez. No entanto, The Umbrella Academy acaba desvelando temáticas poderosas nas HQs, que, pelo menos de início, parecem muito bem transpostas na tela, aprofundando ainda mais temáticas como: família, disfuncionalidade familiar, afinal, família tem que ser mesmo de sangue? E a sensação de não-pertencimento que vemos na número 7 é forte tanto nas HQs quanto já nesse primeiro episódio da série de TV.





Uma das cenas que mais achei tocante na adaptação para a TV foi quando a número 07 faz um desenho com canetinha no pulso com o símbolo do guarda-chuva quando seus outros irmãos estavam sendo tatuados com esse símbolo...

São detalhes aparentemente irrelevantes como esse que fazem com que sintamos a sensação da número 7 de não-pertencimento, de diferenciação, de se sentir isolada e diferenciada em meio a seus "familiares".



Uma das coisas mais fantásticas foi como já, desde esse primeiro episódio, que tem o mesmo título da primeira parte da HQ, incorporou muitíssimo da essência dos quadrinhos, The Umbrella Academy, A Suite do Apocalipse, que eu li logo que saiu, faz teeeempo, e reli entre ontem e hoje, logo depois de ver o primeiro episódio da adaptação, e achei super incrível também a forma como a personagem de Ellen Page, a número 7, Vanya, foi inserida na adaptação para a TV de uma forma que lhe dá um bom destaque, com seu violino. Para quem leu as HQs, sabe o quanto essa "referência" é importante.



Além disso, temos vários outros elementos da HQ nesse primeiro episódio, como o livro escrito por Vanya...


... e já temos indicações desses experimentos também nesse primeiro episódio...


... e as pílulas, sim, elas também estão lá...


E a versão na série desse "massacre" na cafeteria ficou pra lá de incrível também!



Há várias outras referências, sejam diretas ou indiretas, mas não é meu propósito aqui me aprofundar excessivamente nos easter eggs, e sim apenas passar uma ideia geral de como o primeiro episódio da série de TV incorporou e muito bem alguns dos elementos principais das HQs logo de cara. Creio que tenha ajudado o fato de ter os criadores da HQ na produção, mas isso não diminui de formal alguma o valor dos acertos. 


Agora eu deixo vocês com um video sobre os bastidores da série e a sugestão não só de maratona da série de TV, como da leitura do material original. 

Como até agora só vi o primeiro episódio, não tenho como dar nota para a série como um todo, mas para The Umbrella Academy - Suite do Apocalipse, os quadrinhos, dou 5 de 5 acordes apocalípticos!



Um teaser...



E o vídeo aqui dos bastidores da série ;)


Bônus:


Mas um dos pontos mais altos do episódio não estava 
nos quadrinhos e é digno de se ver e rever e dançar junto <3333


Se vocês clicarem nessa imagem aí embaixo, ela as levará à página de compra do livro na Amazon Brasil e vocês estarão nos ajudando a conseguir alguma graninha para colocarmos mais combustível na nossa nave, a USS Sinistra. 
Antecipadamente agradeço, A Capitã

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …