Pular para o conteúdo principal

#Oscar2019 - No portal da eternidade: Um filme de imersão



Em 1888, aos 35 anos de idade, decepcionado com o rumo de sua vida e movido por uma necessidade visceral de capturar um instante e registrar o efêmero com perfeição e paixão, Van Gogh deixa a fria e cinzenta Paris e vai para a cidadezinha ensolarada e colorida de Arles, no sul da França. É lá, em total comunhão com a natureza, que ele, embora pobre e doente, consegue, enfim, se sentir realizado e produz suas obras mais impactantes e famosas. O que acompanhamos em “No portal da eternidade” é muito mais que uma biografia de um artista genial e controverso – passamos a enxergar por seus olhos, a caminhar com suas pernas e a viver com uma mente caótica.

Para Van Gogh (interpretado com maestria por Willem Dafoe), pintar era tão vital quanto respirar, e é isso que o diretor e também pintor Julian Schnabel percebe e retrata habilmente em seu filme. Mais importante que a fidelidade dos detalhes das locações que servem de cenário para a produção é reproduzir as sensações e os efeitos que esses locais tiveram sobre o biografado. O jogo que ele propõe ao espectador é o da imersão: não basta acompanhar a trama, é preciso fazer parte dela, enxergar as cores vívidas da natureza, notar as mudanças de luz, sentir a brisa soprando e fazendo as folhas das árvores farfalharem, ouvir os rumores dos campos e também os seus silêncios.


Para gerar esse nível de envolvimento da plateia, Schnabel usa o recurso da câmera na mão em grande parte das cenas – o que pode gerar certo incômodo em pessoas que sofrem de enjoo de movimento, que foi o meu caso – e ainda deixa as bordas do quadro embaçadas, sinalizando não só a forma de Van Gogh ver o mundo como também as distorções e confusões causadas por seus distúrbios psicológicos (que até hoje geram discussões médicas quanto ao diagnóstico).

Outro acerto do filme é colocar Paul Gauguin (vivido por Oscar Isaac) como contraponto de Van Gogh. Embora tivessem modos opostos de pensar – Van Gogh só conseguia pintar o que via e queria ser o mais realista possível na captura das emoções, enquanto Gauguin preferia registrar na tela o que estava em sua imaginação –, eles estabeleceram uma conexão verdadeira porque ambos tinham em comum a fidelidade aos seus princípios e a suas visões e, por isso, admiravam um ao outro. 


Mas o filme é mesmo de Willem Dafoe, que, inclusive, foi indicado ao Oscar 2019 na categoria ‘Melhor Ator’ (e, confesso, torço para que ganhe). Apesar de ter quase o dobro da idade que Van Gogh tinha no período retratado (o pintor tinha 37 quando morreu; Dafoe atualmente tem 63), seu vigor e sua entrega ao papel tornam sua performance 100% crível (além do fato de Van Gogh ter uma saúde precária naquela época). Para realmente encarnar o artista, Dafoe leu a biografia do pintor, analisou seus quadros e teve aulas de pintura com Schnabel, não só para aprender as técnicas, mas para entender como se dá um processo de criação, como o olhar vai mudando com o tempo.

Van Gogh achava que estar em contato com a natureza é uma forma de se comunicar diretamente com Deus, e dizia que pintava para um público que ainda não havia nascido. Se a arte é uma forma de driblar a morte, podemos dizer que o artista, sem dúvida, foi muito bem-sucedido e conseguiu cruzar o portal da eternidade.

Nota: 4 pincéis sujos de tinta (4/5).

Trailer: 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …