Pular para o conteúdo principal

Querido menino, um retrato conscientizador da dependência química



Nic parece ter tudo na vida. Uma boa família, uma vida escolar exemplar… mas ele acaba entrando em um turbilhão de destruição por causa das drogas. 

“Querido Menino” aborda o vício em drogas sem tentar escandalizar mostrando todas as cenas deprimentes da vida do usuário, como se vê em filmes como “Eu, Christiane F.”, “Diário de um adolescente” e vários outros do gênero. Com uma pegada mais dramática e sem um tom moralista, o filme mostra a espiral descendente de um jovem que parece ter tudo e mesmo assim, acaba se perdendo nesse vício. É o retrato da luta de uma família para salvar o filho e o próprio agregado familiar, mostrando o sofrimento, as frustrações, tanto do viciado quanto de seus familiares, especialmente o pai. É doloroso ver uma pessoa vista como “promissora” se perdendo nas drogas e arrastando os familiares para dentro de um círculo triste de desespero, luta, frustração, enquanto todos tentam salvar o rapaz de algo tão terrível como o vício em drogas. 



O filme é bem-sucedido ao nos entregar um retrato realista, frustrante às vezes, sim, enfurecedor em outras, de como as drogas podem arrastar para dentro de sua espiral mortal qualquer um. É bom para lavar um pouco o pré-conceito de que as pessoas que se envolvem com drogas são bandidos, sem família, pobres… infelizmente, é um mal que pode atacar qualquer um. E o filme é baseado em fatos reais, baseado no livro best-seller de David Sheff e no livro de memórias de seu filho, Nicolas Sheff. 



O longa, que conta com Brad Pitt na produção, e que leva o título, em inglês, da canção “Beautiful Boy”, de John Lennon, tem Steve Carell como o pai, que cada vez mais me surpreende nos dramas, conseguindo se sobressair mais do que nas comédias, com uma carga tensa e uma atuação honesta e profunda no papel do pai que tenta salvar o filho desse terror real que é o vício em drogas. 

Trata-se da jornada de um pai tentando salvar o filho, mas vai além disso, e não é exatamente uma jornada de herói, mas sim de um ser humano tentando salvar o outro, no meio da qual há recaídas, há um tempo sem uso, há esperança, luz, volta à escuridão, com uma carga dramática tensa, em que vemos inclusive os irmãos pequenos de Nic, muito bem interpretado por Timothée Chamalet, de “Me chame pelo seu nome”, imersos nessa situação, sabendo do que está acontecendo com o irmão. Não há como não se emocionar nem tentar se colocar no lugar daquelas pessoas. É triste. É tenso e intenso, mas tem um tom de esperança, mesmo que o sucesso do tratamento nã tenha números altíssimos. Mesmo que as vidas de muitos, não só os usuários, como amigos, parentes e outros que os cercam sejam arrasadas no processo. 



Sem o choque do incrível “Trainspotting” e os outros citados na abertura desse texto, não completamente inovador, mas seguindo uma linha mais de conscientização do que da simples, mesmo que válida, provocação de choque por parte do espectador, “Querido Menino” é um drama sem exageros nem firulas, extremamente recomendado até mesmo para aqueles que ainda acham que isso não é doença, que é vagabundagem, ou até mesmo para aqueles que têm amigos e/ou parentes vítimas dessa terrível doença que é cair nos braços terríveis das drogas.

4 telefonemas cheios de desespero (4/5)

Trailer:


Se vocês clicarem nessa imagem aí embaixo, ela as levará à página de compra do livro na Amazon Brasil e vocês estarão nos ajudando a conseguir alguma graninha para colocarmos mais combustível na nossa nave, a USS Sinistra. 
Antecipadamente agradeço, A Capitã



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …