Pular para o conteúdo principal

Violet Evergarden: Assim como Violet, todos deveriam buscar um significado para "eu te amo"



A Catherine já virou influencer para mim, hehehe Afinal, com esse texto, ela me convenceu a ver esse anime que estou amando já <3 - Ana Death

***
<<Se você tem Netflix (e quem não?), com certeza pelo menos ouviu falar do anime Violet Evergarden, que saiu com algumas críticas exageradas sobre ser o melhor anime do gênero e uma grande promessa desde o primeiro episódio... bom, para mim não foi assim. De fato, eu achei Violet superestimado quando vi o primeiro episódio e demorei muuuuuuuuuuuuuuuito tempo para dizer "vou dar mais uma chance", mas posso garantir que valeu a pena!

O anime conta a história de uma ex-soldado, treinada para não ter sentimentos e ser uma grande arma de guerra, que acaba sob o comando do Major Gilbert Bougainvillea, um homem gentil e que se sente mal por ver uma "criança" sendo usada como arma. Ele é a primeira pessoa que não a trata como tal e lhe dá o nome "Violet" após ver uma linda violeta no campo. Mas, depois de uma batalha decisiva em que Violet perde os dois braços tentando salvar seu superior, o Major desaparece e é dado como morto, mas não sem antes deixar uma importante mensagem: Eu te amo.


Mas como uma garota criada para ser uma arma e para receber ordens poderia entender um sentimento tão complexo?

Após a guerra, um amigo do Major dá a Violet a oportunidade mais improvável para uma garota como ela: se tornar uma autômata de automemória, uma mulher que escreve cartas transmitindo os sentimentos mais profundos das pessoas. Inicialmente, Violet aceita essa nova vida como uma ordem de seu querido major. Mas, com o tempo, ela vê a oportunidade de descobrir o que a última frase da pessoa que mais respeitou e admirou significava e compreender os sentimentos de todas as pessoas que cruzam seu caminho é sua esperança para entender os sentimentos da pessoa mais importante de sua vida.

E, afinal, não deveríamos todos buscar o que Violet Evergarden busca? Uma definição pura e real do que é o amor, influenciada pelos sentimentos bons de quem a cerca? Quando crianças, criamos a definição de sentimentos e crenças que vão nos acompanhar por boa parte de nossas vidas. Essa visão pode ser traumática ou surreal, dependendo do quanto somos respeitados como indivíduos ou somos apenas vistos como "mini-adultos", que não sabem de nada e não possuem nada para transmitir e estão aqui apenas para herdar a visão que nossos pais têm da vida. É fácil associarmos sentimentos bons a coisas ruins. Afinal, encontramos muitos falsos amores, relacionamentos quebrados e convenientes, pessoas que desistiram de seus ideais e famílias que se odeiam em nossas vidas. Sofremos tanto nessa busca por identidade que, quando finalmente encontramos aquele amor que é tudo o que nossa criança interior acha que o amor deveria ser, estamos machucados e com medo demais de acreditar nele.



É fácil destruir um relacionamento por ter medo de que acabe mal, por mais irreal que pareça. Nosso medo de sofrer nos faz sofrer constantemente e deixar de acreditar em várias coisas que aprendemos como verdades. Mas, se tem uma coisa que Violet nos ensina, é que, mesmo após uma guerra, ainda há espaço para buscar felicidade e verdades que existem em tempos de paz. Afinal, de que vale a superação se não acreditamos mais na recompensa? É muito difícil aprender novas verdades após viver sem nenhuma, mas não é impossível abrir nossos corações para pessoas que realmente querem tocá-los. Se machucar faz parte, estando ou não disposto a isso. Mas essa disposição pode pelo menos nos trazer a recompensa que o medo jamais trará.


Com certeza os traços do anime por si só já valem um bom tempo de investimento: isso você pode notar desde o primeiro episódio. A música de abertura (Sincerely) também é muito bonita e, mesmo que de início a história pareça confusa, posso garantir que pouco tempo depois você vai chorar com as cartas de Violet e redescobrir a si mesmo.
E você, o que acreditava que era o amor?>>

Trailer:

Comentários

  1. Ahhh, Violet! E aquele episódio #5, que coisa mais perfeita! Uma joiazinha em si, o mais perfeito até agora <3333

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …