A cinco passos de você: emoção, encanto e conscientização sobre uma doença rara nas telonas #fibrosecística




A cinco passos de você é um filme importante. A fibrose cística é uma doença que nunca tinha sido assim central em um filme antes. Além disso, a Paris Filmes, como publiquei aqui, fez uma parceria linda com o Instituto Unidos pela Vida. 

Já me perguntaram se esse filme era no estilo dos filmes e livros do John Green. Muitos pela internet acham que sim, mas eu, particularmente, que não gosto dos livros dele, do estilo dele e, embora eu ainda não tenha lido o livro de A cinco passos de você, posso dizer que amei o filme - ao contrário de A culpa é das estrelas. 



É claro que diversas liberdades criativas foram tomadas para a realização do filme no que concerne à doença, e, embora isso tenho incomodado alguns - vejo sempre isso acontecer, seja com essa ou qualquer doença, como no ano passado, com as reclamações sobre a forma como é abordado o autismo em Tudo que quero. 

Qualquer filme que não seja um documentário sempre lidará com escolhas artísticas - e mesmo um documentário, bem, nunca é imparcial, há sempre uma agenda por trás, mesmo que inconsciente. E quanto a A cinco passos de você, bem, eu super amei e recomendo o filme. 



Cole Sprouse, Jughead de Riverdale, está ótimo no papel de Will. Fiquei um pouco receosa ao ver o trailer, porque o personagem dele no filme é bem aquele estilo rebelde do Jug, mas me surpreendi com  a atuação dele no longa, diferenciando bem o Will do Jug. Esse menino é ótimo. A atriz que interpreta Stella, Haley Lu Richardon, é incrível também. Ela convence com sua atuação honesta, sua vontade de viver, apesar de tudo, nos momentos mais tristes também, e o melhor amigo dela, vivido nas telas pelo ator Moisés Arias, bem, ele também é ótimo, ele arrasa, ele dá um show. Esse trio principal nos leva por uma montanha-russa de emoções que não só, obviamente, emociona como nos leva a pensar em nossas vidas e nas vidas dos outros. 



São seis passos de distância que portadores de fibrose cística devem manter uns dos outros. Então, por que o filme (e livro) se chama(m) A cinco passos de você? Isso é totalmente esclarecido no longa e meio que já explicado no trailer. 



O desespero, a solidão, a necessidade do toque… você já parou para pensar como um simples encostar a mão no ombro de alguém pode literalmente significar uma possível contaminação e morte? Sim, é triste. Mas a abordagem no filme é bela e encantadora e, sim, cheia de momentos divertidos, pois nem tudo na vida é tristeza, mesmo para pessoas com doenças terminais, certo? Pelo menos, não precisa ser. 

Stella, além de fibrose cística, tem TOC, e eu meio que super me identifiquei com ela (apesar de eu não ir a extremos como ela) em algumas partes, especialmente naquela em que ela diz que mantém sua lista do que fazer em um caderno porque ali ela pode riscar o que já fez. Muito minha cara isso. 



A química entre os atores é excelente, e, em momento algum o filme cai naquele dramalhão exagerado, meio que típico de novela mexicana (como acontece várias vezes com meu guilty pleasure, Riverdale) . Temos no filme momentos leves, pesados, emoções demais, e então esse filme nos conquista pela abordagem, pelas atuações, enfim, por todo seu conjunto. 



Ah, um outro ponto que eu gostaria de destacar: muito se fala sobre o quanto a tecnologia atual e a internet e as redes sociais são nocivas, quando, na verdade, é o uso que o ser humano faz delas que pode vir a ser nocivo. Em A cinco passos de você, vemos o quanto a tecnologia e as redes sociais podem ajudar com informações e estreitando as distâncias entre os doentes e seus entes queridos. 

Nota: 5 passos de distância da pessoa amada (5/5)




Se vocês clicarem nessa imagem aí embaixo, ela os levará à página de compra do livro na Amazon Brasil e vocês estarão nos ajudando a conseguir alguma graninha para colocarmos mais combustível na nossa nave, a USS Sinistra. 
Antecipadamente agradeço, A Capitã


Comentários