Pular para o conteúdo principal

A cinco passos de você: emoção, encanto e conscientização sobre uma doença rara nas telonas #fibrosecística




A cinco passos de você é um filme importante. A fibrose cística é uma doença que nunca tinha sido assim central em um filme antes. Além disso, a Paris Filmes, como publiquei aqui, fez uma parceria linda com o Instituto Unidos pela Vida. 

Já me perguntaram se esse filme era no estilo dos filmes e livros do John Green. Muitos pela internet acham que sim, mas eu, particularmente, que não gosto dos livros dele, do estilo dele e, embora eu ainda não tenha lido o livro de A cinco passos de você, posso dizer que amei o filme - ao contrário de A culpa é das estrelas. 



É claro que diversas liberdades criativas foram tomadas para a realização do filme no que concerne à doença, e, embora isso tenho incomodado alguns - vejo sempre isso acontecer, seja com essa ou qualquer doença, como no ano passado, com as reclamações sobre a forma como é abordado o autismo em Tudo que quero. 

Qualquer filme que não seja um documentário sempre lidará com escolhas artísticas - e mesmo um documentário, bem, nunca é imparcial, há sempre uma agenda por trás, mesmo que inconsciente. E quanto a A cinco passos de você, bem, eu super amei e recomendo o filme. 



Cole Sprouse, Jughead de Riverdale, está ótimo no papel de Will. Fiquei um pouco receosa ao ver o trailer, porque o personagem dele no filme é bem aquele estilo rebelde do Jug, mas me surpreendi com  a atuação dele no longa, diferenciando bem o Will do Jug. Esse menino é ótimo. A atriz que interpreta Stella, Haley Lu Richardon, é incrível também. Ela convence com sua atuação honesta, sua vontade de viver, apesar de tudo, nos momentos mais tristes também, e o melhor amigo dela, vivido nas telas pelo ator Moisés Arias, bem, ele também é ótimo, ele arrasa, ele dá um show. Esse trio principal nos leva por uma montanha-russa de emoções que não só, obviamente, emociona como nos leva a pensar em nossas vidas e nas vidas dos outros. 



São seis passos de distância que portadores de fibrose cística devem manter uns dos outros. Então, por que o filme (e livro) se chama(m) A cinco passos de você? Isso é totalmente esclarecido no longa e meio que já explicado no trailer. 



O desespero, a solidão, a necessidade do toque… você já parou para pensar como um simples encostar a mão no ombro de alguém pode literalmente significar uma possível contaminação e morte? Sim, é triste. Mas a abordagem no filme é bela e encantadora e, sim, cheia de momentos divertidos, pois nem tudo na vida é tristeza, mesmo para pessoas com doenças terminais, certo? Pelo menos, não precisa ser. 

Stella, além de fibrose cística, tem TOC, e eu meio que super me identifiquei com ela (apesar de eu não ir a extremos como ela) em algumas partes, especialmente naquela em que ela diz que mantém sua lista do que fazer em um caderno porque ali ela pode riscar o que já fez. Muito minha cara isso. 



A química entre os atores é excelente, e, em momento algum o filme cai naquele dramalhão exagerado, meio que típico de novela mexicana (como acontece várias vezes com meu guilty pleasure, Riverdale) . Temos no filme momentos leves, pesados, emoções demais, e então esse filme nos conquista pela abordagem, pelas atuações, enfim, por todo seu conjunto. 



Ah, um outro ponto que eu gostaria de destacar: muito se fala sobre o quanto a tecnologia atual e a internet e as redes sociais são nocivas, quando, na verdade, é o uso que o ser humano faz delas que pode vir a ser nocivo. Em A cinco passos de você, vemos o quanto a tecnologia e as redes sociais podem ajudar com informações e estreitando as distâncias entre os doentes e seus entes queridos. 

Nota: 5 passos de distância da pessoa amada (5/5)




Se vocês clicarem nessa imagem aí embaixo, ela os levará à página de compra do livro na Amazon Brasil e vocês estarão nos ajudando a conseguir alguma graninha para colocarmos mais combustível na nossa nave, a USS Sinistra. 
Antecipadamente agradeço, A Capitã


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …