Pular para o conteúdo principal

Análise de jogo: Fran Bow, a dissociação da realidade refletida nos traumas infantis




Contém leves spoilers do jogo
Olá pessoal! Tudo bem?
Acho que a essa altura todos já perceberam que meus maiores hobbies são jogos e animes. Por isso, acho que até demorei para escrever sobre esse jogo em especial, que apesar de não ser muito grande (foram 12 horas de jogo), causou uma grande impressão em todos os fãs de terror da Steam.
O jogo independente Fran Bow, da produtora sueca Kill Monday Games, traz um enredo surpreendente de terror psicológico e enfermidades da mente e alma. Nele, você joga como Fran, uma garotinha cujos pais foram brutalmente assassinados (e esquartejados em um cenário que remete a um tipo de ritual satânico) em casa. Ao fugir da cena com seu gato, Mr. Midnight (Senhor Meia-noite), Fran acaba ficando inconsciente no bosque e acorda em um sanatório, onde foi diagnosticada com esquizofrenia devido às visões que teve na noite da morte de seus pais (uma criatura demoníaca ensanguentada e com grandes chifres) e pelo fato de conseguir ter diálogos reais com seu gato.

No sanatório, Fran busca uma maneira de fugir e encontrar Mr. Midnight, sua única família ainda viva. Há outras crianças com as quais ela se relaciona e com quem busca informações, todas com diferentes distúrbios, traumas e algumas vítimas de abuso sexual.
O jogo se passa no período da Segunda Guerra Mundial. O doutor encarregado do sanatório faz experimentos com crianças, tendo preferência por gêmeos, o que nos remete ao cenário real de experimentos em humanos nos campos de concentração nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. No sanatório, todos são calados, tanto as crianças quanto os funcionários opressores que ministram um medicamento único, que parece ser o grande motivo do silêncio geral. Os funcionários se esforçam para convencer as crianças de que elas não estão bem e que, muito provavelmente, nunca ficarão. Em especial, há um tipo de pílula que Fran não pode tomar, que são as pílulas vermelhas. O curioso é que, por algum motivo, Mr. Midnight diz que Fran precisa dessas pílulas, e é claro que ela precisa ouvir seu melhor amigo!

Ao conseguir as pílulas, acontece uma estranha distorção no jogo. Lugares onde havia apenas crianças quietas se tornam lugares infestados de sombras e mensagens de sangue nas paredes. O ambiente muda completamente quando Fran toma as pílulas e a criatura com chifres continua a persegui-la, mas por quê?

Apesar do medo e das distorções, Fran jamais desistirá de encontrar Mr. Midnight e um caminho para casa. Ela segue com seu plano de fuga, lidando com funcionários abusivos e até mesmo pedófilos, para conseguir escapar do sanatório. Mas o que ela enfrenta do lado de fora pode ser ainda mais assustador. Mesmo com Mr. Midnight ao seu lado, ela ainda precisa se livrar da criatura que a persegue e descobrir o que aconteceu com seus pais. Mas como seguir em frente quando não se sabe o que é ou não real?
O clima tenso e a música ambiental do jogo fazem com que consigamos sentir cada emoção de Fran. O jogo é no estilo “point-and-click” e é fundamental usar as pílulas em todos os lugares para descobrir o que está escondido. Do que gostei em particular foram os puzzles, alguns bem difíceis e que o fazem perder alguns minutos antes de continuar o jogo, mas todos divertidos.

Em algum ponto você vai se perguntar: o que é ou não real? Será que a realidade acontece com ou sem as pílulas? Onde Fran realmente está? Como ela foi parar naquele lugar? Quem realmente matou seus pais? Será mesmo que Fran não sabe? Quem é Mr. Midnight realmente?
O jogo mostra com detalhes como o abuso pode arruinar a vida e mente de uma criança. Temas como pedofilia, abuso infantil e agressões são grandes tabus mostrados em detalhes nesse jogo. E por que não seriam? Apesar de desagradável, são os tipos de acontecimentos que moldam os medos, receios e limitações de Fran. Essa reflexão também serve para cada um de nós.

Muitas pessoas passam a vida toda lutando contra a programação mental que receberam na infância, lutando contra os medos, fobias e traumas. Mesmo sem entender nada disso, Fran continua com sua busca pela verdade. Ela enfrenta seus demônios mesmo se medicando e luta contra todos os seus medos para descobrir a verdade e resgatar as pessoas que ama. Apesar de todo o sofrimento e de toda a dor, ela ainda acredita que pode ser feliz com Mr. Midnight e, a cada vez que ela chora e pensa em desistir, ele está lá para abraçá-la e consolá-la.

Esse jogo com certeza o fará pensar no tipo de motivação que não só Fran, mas todos nós temos para levantar todos os dias e lutar contra nossos demônios. Ele mostra como a esperança de que tudo vai ficar bem é forte e nos motiva e seguir em frente, um dia após o outro. Mostra como nossa mente pode nos pregar peças e que, mesmo sem alucinações ou enfermidades, muitas vezes distorcemos a realidade e não sabemos o que é real ou não.
Fran Bow é um jogo que realmente merece 10 estrelas! Ele custa R$27,99 na Steam, que disponibiliza uma demo grátis para quem quiser conhecê-lo. 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …