Pular para o conteúdo principal

Combo: Detona Ralph & Wi-Fi Ralph - Quebrando a Internet - Quando a sequência é ainda melhor do que o primeiro filme!


Quando Detona Ralph saiu, confesso que não liguei a mínima para a animação. Aí, em janeiro desse ano, saiu Wi-Fi Ralph. Também não tive vontade de ver... até... bem, o curioso é que fui ver Capitã Marvel e havia alguns copos daqueles de combos do Cinemark para vender, e o que brilha no escuro, do Ralph, me chamou tanto a atenção, que acabei comprando. E foi aí que pensei: certo, o filme está em cartaz no Circuito SpCine, são só dois reais o ingresso, então vou ver Detona Ralph na Netflix e depois, se eu gostar, vou ver Wi-Fi Ralph. E que belas surpresas!

Se o primeiro filme já tem tudo de muito legal - aventura, aquelas mensagens sobre amizade bonitinhas da Disney, mas vem com uns twists bem legais, e, embora siga totalmente a fórmula da jornada do herói como a conhecemos desde os escritos de antigamente até praticamente todos os filmes de heróis modernos, a animação conquista não somente com um "vilão" tentando ser mocinho (o filme começa com uma reunião do bad-anon - algo como vilões anônimos...), mas as motivações dele são meio que tortas, e ele vai crescendo e aprendendo o que é ser um herói de verdade e o filme é bem legal 

Aí vem Wi-Fi Ralph - Quebrando a Internet! E a animação consegue ainda ser melhor do que o primeiro filme, contando o que se passa seis anos depois dos acontecimentos de Detona Ralph. Logo de cara, em Detona Ralph, quem curte games antigos (aham, old-school) e todo aquele lance de 8-bits deve desconfiar de onde surgiu a inspiração para o Ralph - sim, Donkey Kong! e, no segundo filme, há mais um easter egg para dar certeza disso para quem ainda tinha dúvidas. 

Vários personagens do mundo dos videogames aparecem em pequenas pontas em Detona Ralph: M. Bison, Zangief, Ken, Ryu, Chun Li e Cammy, todos da série Street Fighter; Q-Bert e seus inimigos; Pac-Man e o fantasma laranja; Bowser, o vilão dos jogos Super Mario Bros; e Sonic e Dr. Eggman, seu arqui-inimigo. Tudo isso em si já é muito bacana, mas, em Wi-Fi Ralph, tudo o que já era legal no primeiro filme é elevado à mais alta potência no segundo.

Uma das sequências mais hilárias, que arrancou muitas risadas de crianças e adultos no cinema foi justamente a das princesas. E o momento em que Vanellope se questiona por que elas começam a cantar do nada e tudo fica lindo e mágico... várias piadinhas internas da Disney consigo mesma, inclusive com as princesas dizendo que Merida é diferentona por ser "do outro estúdio".




A propósito, a Disney meio que aproveita esse filme para meio que se "desculpar" com as princesas, visto que sempre foram colocadas com aquelas que deveriam ser salvas por um homem, aquele blábláblá machista com o qual estávamos, infelizmente, tão acostumados. Até que isso mudou. Ainda bem. Elas fazem piadas com seus próprios filmes, com s clichês machistas e ainda viram um desses clichês do avesso ao ajudarem Ralph. É deliciosa e empoderadamente hilário! E, ao mesmo tempo, meio à la Black Mirror, mostra alguns comportamentos bem sinistros da internet e seus usuários... #m3d0

Ah, e não saia da sala antes do fim dos créditos... Hilariantemente hilária! Além disso, foi fofo incluir o amado <3 Stan Lee :3

O lance de "a Internet ama vídeos de gatinhos", os algoritmos, a viralização, o mecanismo de busca dando sugestão toda hora, hahaha, a representação da Internet como uma espécie de cidade renderizada de forma moderna numa versão meio néon e mais populosa da cidade dos Jetsons... Os pop-ups, gente, os pop-ups, vírus, twitter, ebay, outrs videogames, enfim, é tanta coisa legal que, essa sim, é uma daquelas animações marcantes, até com pontos fofinhos sim, porém, mais divertida e engraçada ainda do que o primeiro filme, com uma mensagem atualizada e muito legal sobre amizade, é um daqueles filmes que recomendo a qualquer um de qualquer idade, contanto que ainda tenha um coração que não seja de pedra. 

Detona Ralph - Nota: 9 Pac-Mans famintos



Wi-Fi Ralph - Nota: 10 voltas na pista "nova" criada pelo Ralph para Venellope 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …