Pular para o conteúdo principal

O que esperar da segunda temporada de O mundo sombrio de Sabrina, que estreia dia 05/04 na #Netflix

Confesso que me empolguei com a série O mundo sombrio de Sabrina, fiquei feliz com o tom mais sombrio, a princípio não me incomodei com algumas coisas toscas e não achei ruim que, mesmo estando em 2019, o estilo dos monstros era ainda mais tosco do que na minha amada série, Buffy, A Caça-Vampiros. Mas, quando cheguei no quarto episódio, pensei, ah, meh... acho que vou abandonar a série. Porém, depois de algum tempo, resolvi dar uma segunda chance à série, e terminei a primeira temporada, inclusive o Especial de natal/Yule, que, confesso, foi um episódio de que eu realmente gostei. Changelling, referências a dividir a criança como na Bíblia, manequins humanos, tudo isso foi um combo bem legal. Apesar de, na minha opinião, O mundo sombrio de Sabrina ser uma série beeeem problemática, eu gostei dela. Gostei com muitas reservas, mas admito que gostei. É aquele guilty pleasure do qual às vezes extraio mais culpa do que prazer, mas, enfim, ok, cheguei ao final da temporada, o que esperar da segunda?


Em primeiro lugar, mais Salem, por favor! 



A abordagem das questões sociais importantes na série é simplesmente péssima. Falou-se sobre a leitura de livros feministas, livros que expõem o racismo etc. e tal e depois nem ouvimos mais falar em nada disso. Ah, claro. A noção de família seria ótima, se Sabrina não tivesse pensado mais em seu macho, que de alfa nem tem nada, enquanto estava no limbo, deixando para pensar em sua mãe, que ela encontrou lá, beeem depois. É, gente, complicado. 


A tentativa de explicar a fluidez de gênero de Rosie com se fosse algo hereditário é ridícula, para não dizer altamente ofensiva. Por outro lado, fui escavar o assunto e Susie, que sofre por ter dificuldades de se enxergar em um gênero específico, ou seja, que não se vê nem totalmente menina, nem 100% menino, ganha vida nas telas com Lachlan Watson, que se considera não-binário. Menos mal, talvez? 


Já não suportava triângulos amorosos em séries de livros para adolescentes, YA, NA etc. e, pelo que li, eis que Sabrina terá um triângulo amoroso mais acentuado ainda na segunda temporada, socorro, que horror! 

A sequência de decisões ruins de Sabrina foi como chutar um dominó e depois se certificar de que todos caíram, e, se isso não ocorreu, ir lá e chutar um a um os que sobraram em pé.

Mas enfim, depois de toda essa aparente negatividade, na verdade estou curiosa para o que virá na segunda temporada. E gostaria muito também que houvesse o crossover com Riverdale (falarei sobre esta que, sim, é minha queridinha, o guilty pleasure que está mais para pleasure do que para guilty) em um outro post. ;) 



Bem, um personagem de Riverdale já mostrou as caras em O mundo sombrio de Sabrina. Para não escrever os spoilers direto aqui, se quiser saber quem é e onde apareceu, clique aqui.

Pelo que andei lendo, o crossover acontecerá nos quadrinhos, em que Sabrina aparecerá em Riverdale - só que não leio nem nunca li os quadrinhos de Archie Comics, então, pelo menos por enquanto, vou ficar com as duas séries de TV :3

"Eu posso esclher ter medo dos meus poderes... ou eu posso usá-los."



Veja aqui os easter eggs e as referências a Riverdale em O mundo sombrio de Sabrina.   

Veja aqui a impressão geral que o Bruno Martuci teve sobre a primeira temporada da série.

E, enfim, se não viu ainda, veja o trailer (bem animador - sem ironias!) da próxima temporada ;)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …