Pular para o conteúdo principal

O retrato de Dorian Gray: a corrupção da inocência


Se você não assistiu ao filme nem leu o livro, certamente já ouviu falar sobre Dorian Gray de outras formas. O filme "A liga extraordinária" e a série "Penny Dreadful" trazem ótimas versões desse personagem criado pelo escritor irlandês Oscar Wilde, mas nenhuma realmente explica a origem de sua maldição e o real significado de seu precioso retrato.


Dorian Gray nos é apresentado como a personificação da inocência. Um garoto puro e extremamente educado que entra em uma batalha interna após receber um retrato de presente e perceber o quanto é belo (e também que aquela beleza acabaria um dia). Ao ser perguntado se venderia a alma para manter sua beleza e responder que sim, Dorian se conecta ao retrato. Ele nunca muda, envelhece ou sofre consequências de seus atos, mas o retrato revela a verdadeira essência de sua alma, modificando sua imagem pouco a pouco, até se tornar um terrível demônio.

          "Eu represento todos os pecados que você não tem coragem de cometer."

Dorian sofre extrema influência de Lord Henry, que prega uma vida de luxúria e abusos que nem ele mesmo tem coragem de cometer, mas que influenciam Dorian a experimentar tudo o que o admirado amigo dita. De um garoto bondoso a um homem fútil e egocêntrico, Dorian é a personificação dos efeitos das tentações da sociedade sobre a inocência. Com certeza, uma grande crítica contemporânea, mostrando o efeito do comportamento social sobre o indivíduo.

Dorian não é predisposto ao mal. Como todos nós, ele é influenciado pelo ambiente e pelo que lhe é tentador, sem distinção de bem ou mal. Ao saber que a mulher que "ama" se suicida por ser abandonada por ele, Dorian tem seu único momento de remorso, que é apagado por Lord Henry ao dizer que ela era, realmente, uma mulher única, pois imortalizou Dorian em seu ato desesperado, aumentando ainda mais seu ego.



"Amor?

Uma ilusão.

Religião?

O substituto moderno para crença.

Você é um cético.

Jamais. Ceticismo é o começo da crença.

O que você é, então?

Se definir é se limitar."

Ironicamente, ao ver que Dorian viveu a vida que Henry pregou e não sofreu as consequências, Henry começa a temer o amigo. Em um momento de desespero, Dorian toma ações para "embelezar" sua alma, mas o quadro se torna ainda mais assustador devido à sua vaidade e falta de boas intenções. Dorian apunhala o quadro, desesperado por ver sua alma apodrecer. Pouco tempo depois, um velho deformado e irreconhecível é encontrado no chão, com uma faca em seu peito, ao lado de um retrato perfeito de Dorian Gray.

"Algumas coisas são preciosas por não durarem."



Como uma romântica otimista, essa história foi a primeira que me fez gostar mais do filme (de 2009) do que do livro, e por um motivo simples: O Dorian do filme realmente ama alguém, realmente busca a redenção e, de certo modo, a encontra. Independentemente das adversidades, nós sempre esperamos que a bondade surja e salve o protagonista Essa é a grande diferença que fez todo o sentido para mim. Não consigo acreditar em uma vida em que, nem por um momento, buscamos redenção e paz de espírito por motivos puramente altruístas. 

Se há uma história que nos traz valores realmente importantes, é "O retrato de Dorian Gray".  Oscar Wilde nos ensina, sem intenção alguma, a buscar nossa verdadeira essência e fugir da opinião social. Cada um de nós tem algo importante dentro de si, que desejamos proteger e guardar em nosso interior. Independente das grandes massas, mídias e dos veículos de comunicação, devemos buscar nossa verdade. Porque, afinal, "viver é raro. A maioria apenas existe."


Leia também a resenha do livro aqui.

Se vocês clicarem nessa imagem aí embaixo, ela os levará à página de compra do livro na Amazon Brasil e vocês estarão nos ajudando a conseguir alguma graninha para colocarmos mais combustível na nossa nave, a USS Sinistra. 
Antecipadamente agradeço, A Capitã


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…