Pular para o conteúdo principal

Raiva: o neorrealismo em sua forma mais pura e bela



A história se passa na década de 1950, nos campos de Baixo Alentejo, no sul de Portugal, onde o emprego praticamente inexiste, a não ser que seja trabalhando para Reis, e mostra as dificuldades de uma família quando Palma, o patriarca, perde o emprego e está sem trabalho há quase um ano.

Sérgio Tréfaut assina o roteiro, baseado na obra literária de Manuel da Fonseca (“Seara de Vento”), e, de uma forma inteligente, não explica praticamente nada sobre o que está acontecendo, somos gradativamente apresentados à trama e aos problemas de Palma e sua família, o que, em si, poderia ser um grande problema, mas de cara o roteiro nos prende, e mesmo que não estejamos entendendo nada, queremos continuar assistindo ao filme para saber o que vai acontecer, e nesses pequenos momentos o longa começa a explicar tudo o que aconteceu para essa família estar na situação em que se encontra, porém, são nesses pequenos momentos que surgem dois problemas, o ritmo e o tempo de duração do longa.



O segundo ato acaba parando demais para explicar coisas que o público provavelmente já deduziu, e o ritmo cai de uma forma absurda, e parece que era obrigatório que o filme tivesse seus 90 minutos de duração. Em muitas cenas, fica evidente que seguraram o máximo, até o ultimo frame de filmagem para alcançar o tempo, enquanto o terceiro ato tenta recuperar o ritmo e acelera até o clímax, que é de uma beleza impecável.


Sérgio Tréfaut também dirige e, junto de seu diretor de fotografia, Acácio de Almeida, faz uma obra-prima esteticamente falando, filmada em preto e branco. Faltam-me adjetivos para falar sobre tamanha beleza visual. Merecem destaque a cena de abertura, o trabalho de luz e sombra, os planos fixos e simétricos, a fotografia à noite — é o neorrealismo em sua forma mais pura e bela, e o diretor ainda acerta em cheio por quase ter trilha sonora por boa parte do longa, e ouvimos até o som do vento passando pelo gramado.

Hugo Bentes, que já havia trabalhado com o diretor, faz Palma, e é dele que vem o título do longa. Ele interpreta um homem justo, que queria sustentar sua família e que teve tudo que era seu tomado por Reis. Praticamente, o único sentimento que lhe resta é a raiva, por seu ex-chefe ser dono da cidade, por não conseguir comida, por sua filha ser mulher e acabar trazendo um pouco de dinheiro para casa... durante todo o longa vemos sua raiva sendo aumentada até o ponto em que ele estoura e decide fazer justiça com as próprias mãos, e Hugo tem uma bela interpretação, em pequenos momentos notamos que, apesar da raiva, ele só quer cuidar de sua família e aos poucos vai endurecendo com tudo que acontece em sua vida.


Leonor Silveira faz Júlia, a esposa de Palma, e interpreta uma mulher que tenta apoiar seu cônjuge, mas vai aos poucos perdendo a razão por não ter uma perspectiva de melhora. Vale notar a presença da atriz em cena, que vai crescendo conforme o filme avança, e no final ela acaba protagonizando uma cena tão belíssima quanto trágica.


Diogo Doria interpreta Reis, o antagonista de Palma, e apesar de seu personagem demorar a aparecer, entendemos completamente a raiva do protagonista: ele é duro, comanda todos na base do medo, e se a ideia era nos deixar com raiva também, ele consegue realizar este feito de maneira impecável.


Raiva é um longa extremamente bem produzido, em todos os aspectos, mas peca por se estender demais; se estivéssemos diante de um curta de no máximo 40 minutos, seria uma obra-prima moderna do neorrealismo, mas vale a pena assistir a esse longa do cinema português, que outrora já foi gigantesco. 

Nota: 5 estrelas coloridas em um mundo preto e branco (5/5)

Crítica por: Carol
Trailer:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …