Pular para o conteúdo principal

Tá rindo de quê? Humor e Ditadura


O documentário Tá rindo de quê?, dirigido por Claudio Manuel (Casseta e Planeta), Álvaro Campos e Alê Braga, recolhe inúmeros depoimentos de grandes nomes do humor brasileiro e suas experiências durante a ditadura militar que deu início à censura em varias mídias do entretenimento, e sobre como isso afetou drasticamente a profissão de muitos gênios do humor.

Resultado de imagem para ta rindo de que documentario

Nomes como Carlos Alberto de Nobrega, Ary Toledo, Evandro Mesquita, Fafy Siqueira, Daniel Filho, Patricya Travassos, Bruno Mazzeo (entre outros), compartilham o máximo de informações sobre como a censura não só interferiu demais na vida profissional deles, como também apresenta os riscos que eles corriam sempre que entravam em cena, e como muitas vezes eles podiam sair do palco ou dos estúdios algemados ou até torturados por fazerem o público rir da realidade do país.

Além dos depoimentos, os diretores elaboram a montagem colocando charges satíricas da época, as quais ilustravam bem a interferência da ditadura sobre os redatores e roteiristas do meio artístico, dando uma noção mais básica e ilustrativa sobre os acontecimentos ditos pelos entrevistados, além de também mostrar trechos de programas humorísticos da TV, em que vemos sketches dos comediantes provocando a censura, fazendo críticas sobre o assunto por meio de piadas muito bem elaboradas, mostrando em tela o perigo que eles já tinham comentado.

Resultado de imagem para ta rindo de que documentario
Os diretores fogem um pouco do assunto principal para se focarem na carreira de Chico Anysio, de como ele contribuiu para o humor, através de depoimentos dos filhos e amigos próximos do humorista, mas, mesmo como esse desvio do assunto, o ritmo do filme se mantém.

Reprodução

Além do humor, outros meios de entretenimento também sofreram com a censura, como a pornochanchada e até as telenovelas, que foram proibidas de mostrar certos conteúdos. Quando os diretores começam a abordar o papel da mulher na comédia, no inicio o filme caminha bem, mostrando que as mulheres só tinham espaço no humor se fossem a “gostosa burra” ou “a feia engraçada”, e de como logo surgiram grandes mulheres nesse ramo que quebraram esse padrão, que é o caso da Dercy Gonçalves com seu humor impulsivo e totalmente incorreto politicamente, que o público amava. Quando o assunto começa a ser aprofundar, os diretores logo se focam em outro assunto, e o anterior acaba não tendo o destaque merecido, sendo que o tema poderia ter sido mais bem explorado.


Resultado de imagem para ta rindo de que humor e ditadura

Além da visão dos humoristas, eles mesmos contam sobre como a censura no humor afetou de forma negativa o público, e como eles começaram a seguir esses humoristas afetados, mostrando que a maioria dos espectadores não aprovavam essas mudanças vindas do regime militar.

Os entrevistados também comentam sobre o fim da censura e como eles estranharam a volta da liberdade de expressão na TV aberta, abordando novos temas que também merecem grandes destaques.

Resultado de imagem para ta rindo de que humor e ditadura

Embora muitos temas importantes tenham ficado ficaram de fora e outros foram mais ou pouco abordados, o documentário mostra bem o reflexo do que foi a ditadura no meio artístico, contada muito bem por artistas que sobreviveram àqueles anos sem graça.


NOTA: 8 piadas CENSURADO..

Trailer:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …