Pular para o conteúdo principal

Um Amor Inesperado, um filme de Juan Vera


A comédia romântica Um Amor Inesperado, dirigida pelo argentino Juan Vera, tem uma boa história que é bem explorada em muitos aspectos, e consegue surpreender mesmo nos momentos previsíveis.

O início do primeiro ato apresenta bem o casal principal do filme, mostrando sua rotina, e seu relacionamento saudável, mas tem um ritmo bem maçante, o que faz o público perder o interesse na história do casal, até que o diretor apresenta um grande dilema sobre a situação do casamento deles. A partir daí o ritmo começa a ficar mais dinâmico e engraçado.


O diretor opta por usar o recurso narrativo dos protagonistas estarem contando a história, quebrando a quarta parede em alguns momentos, com o objetivo de introduzir uma informação que apresentará a nova situação dos personagens, mas que acaba não combinando com ritmo que a história estava tomando, deixando o espectador notar que está vendo um filme, fazendo com que não sinta o que personagens sentem por um momento.

A partir do segundo ato, o diretor estabiliza o ritmo e a narrativa, apresentando a nova vida de solteiros dos protagonistas e as situações cômicas e constrangedoras em que eles se metem a cada encontro, que raramente termina bem.


O que mais se destaca no roteiro são os diálogos bem elaborados junto com a situação em que um dos personagens se encontra quando o assunto é o relacionamento deles, ao conversarem com outras pessoas, quando o assunto é sobre estar em um relacionamento, fazendo-os questionar o que os prendem a seu casamento, e ao longo do filme a dúvida permanece, ao se perguntarem por que se separam, nunca chegando ao meio termo, o que provavelmente interfere e impede que tenham novas vidas com outras pessoas.


O diretor consegue abordar outros assuntos interessantes durante o filme, como relacionamentos de pessoas da meia idade, o uso de aplicativos de namoro, manter a amizade com seu ex, que conseguem se encaixar com a trajetória dos personagens, e mesmo com esses temas sendo pouco abordados, o diretor consegue fazer uma excelente execução do roteiro, sendo curto e direto no assunto, apresentado como um conselho para o personagem, deixando o tema orgânico e plausível na história.

A química entre os dois personagens funciona bem, devido à atuação dos atores que mostra que os dois estão se empenhando bem para dar ao público a sensação que eles realmente tiveram um longo relacionamento. 


Ricardo Darín passa a primeira impressão de que seu personagem está feliz com a vida que tem com sua esposa, mas esconde um desconforto com a rotina padrão que ele adquiriu. Diferente dele, Mercedes Morán deixa claro que está enjoada e um pouco infeliz com seu casamento, embora não mostre suas reações na frente do marido de imediato, mesmo com eles tendo dilemas e divergências sobre estarem juntos ou não, fica claro que os dois sentem um carinho enorme um pelo outro.

O desfecho, embora seja bastante previsível, é bem satisfatório e convincente devido à trajetória deles no decorrer do longa. Mesmo sendo piegas, o filme é bem divertido, bem dirigido, com excelentes diálogos e consegue abordar várias facetas e tipos de um relacionamento.

NOTA: 7 encontros constrangedores e meio.

Crítica por: Ana Carolina



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …