Pular para o conteúdo principal

Vox Lux - O preço da fama, um filme de Brady Corbet


Em Vox Lux, o que parece ser um filme sobre a trajetória de uma cantora acaba sendo muito mais do que isso, contando até que preço uma pessoa pode pagar pelo estrelato e pela fama.

Inicialmente, o filme começa com um estilo bem diferente do que o público esperava ao mostrar o atentado na escola onde a protagonista estudava, e, mesmo com o estilo mais violento, o diretor Brady Corbet conduz bem a cena, apresentando um pouco a interação entre a classe e a desconfiança que é logo introduzida, o que pega o público de surpresa. A cena também mostra um pouco da personalidade companheira e caridosa de Celestes (interpretada no início por Raffey Cassidy) ao tentar ajudar o criminoso que provocou a morte de seus colegas, mesmo não tendo sucesso.


O roteiro faz um bom uso da narrativa, ao apresentar informações sobre a vida de Celeste, principalmente para contar a relação afetiva com a irmã que, embora não tenha muita importância para o tema principal do filme, é importante para o desenvolvimento da protagonista, e a narração de Williem Dafoe é bem direta, contando sobre essa relação aos poucos durante o filme, e o tom  de sua voz acaba dando um certo chame ao longa, junto com o estilo do filme. Embora a narrativa seja bem utilizada, ela deixa o ritmo parecendo um pouco um documentário, quebrando o estilo dramático que foi estabelecido.


O ritmo também tem algumas falhas, muitas cenas são arrastadas ao contar o início da carreira de Celeste, e mesmo abordando temas interessantes, o diretor não deixa as coisas muito didáticas para o público, fazendo com que pareça que o ritmo do filme é  lento e desgastante, quando tinha potencial.

Celeste tem um bom desenvolvimento, mostrando como aos poucos a fama e a rotina agitada a transformaram na cantora de sucesso que se tornou.


Raffey Cassidy mostra uma Celeste mais tímida e feliz com sua vida. Mesmo depois de sobreviver ao atentado que quase tirou sua vida, ela tenta superar esse trauma ao se dedicar à música ao lado de sua irmã, que tanto apoiam uma a outra, e o jeito retraído e fechado da atriz acaba combinando com a personagem.

Quando Natalie Portman entra no filme, ela entra de cabeça na personagem, interpretando uma Celeste mais confiante, mimada, que se importa principalmente com sua carreira, mostrando de modo frio e cruel o jeito como ela trata agora sua irmã e até mesmo sua filha (que também foi interpretada por Raffey Cassidy).


Embora Jude Law esteja se empenhando em seu personagem, a direção de atores o deixa um pouco de lado, fazendo com que o personagem caia no estereótipo do agente ambicioso e cretino que só pensa na carreira de Celeste, mostrando se importar pouco com seu bem estar, e a partir da metade do filme, ele é quase esquecido, mas que acaba continuando na história até o fim, mesmo com todos os desentendimentos com Celeste.


Há bons enquadramentos e planos sequências muito bom ao expressar os sentimentos da protagonista, ao mostrar na tela o desespero que sente devido ao seu trauma, utilizando bem a mise en scène de forma que não deixa a cena expositiva.

O desfecho não deixa uma conclusão bem estabelecida, mesmo ao apresentar um traço sobre a recuperação de Celeste em relação a seus traumas, deixando a sensação de que o diretor decidiu não filmar o restante da história e finalizar nesse ponto ao tentar impactar o público sem sucesso.


Vox Lux tem alguns problemas na direção e em estabelecer um ritmo neutro, mas compensa no desenvolvimento da protagonista.

NOTA: 6 clips para o sucesso. (6/10)

Trailer:











Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …