Pular para o conteúdo principal

Vox Lux - O preço da fama, um filme de Brady Corbet


Em Vox Lux, o que parece ser um filme sobre a trajetória de uma cantora acaba sendo muito mais do que isso, contando até que preço uma pessoa pode pagar pelo estrelato e pela fama.

Inicialmente, o filme começa com um estilo bem diferente do que o público esperava ao mostrar o atentado na escola onde a protagonista estudava, e, mesmo com o estilo mais violento, o diretor Brady Corbet conduz bem a cena, apresentando um pouco a interação entre a classe e a desconfiança que é logo introduzida, o que pega o público de surpresa. A cena também mostra um pouco da personalidade companheira e caridosa de Celestes (interpretada no início por Raffey Cassidy) ao tentar ajudar o criminoso que provocou a morte de seus colegas, mesmo não tendo sucesso.


O roteiro faz um bom uso da narrativa, ao apresentar informações sobre a vida de Celeste, principalmente para contar a relação afetiva com a irmã que, embora não tenha muita importância para o tema principal do filme, é importante para o desenvolvimento da protagonista, e a narração de Williem Dafoe é bem direta, contando sobre essa relação aos poucos durante o filme, e o tom  de sua voz acaba dando um certo chame ao longa, junto com o estilo do filme. Embora a narrativa seja bem utilizada, ela deixa o ritmo parecendo um pouco um documentário, quebrando o estilo dramático que foi estabelecido.


O ritmo também tem algumas falhas, muitas cenas são arrastadas ao contar o início da carreira de Celeste, e mesmo abordando temas interessantes, o diretor não deixa as coisas muito didáticas para o público, fazendo com que pareça que o ritmo do filme é  lento e desgastante, quando tinha potencial.

Celeste tem um bom desenvolvimento, mostrando como aos poucos a fama e a rotina agitada a transformaram na cantora de sucesso que se tornou.


Raffey Cassidy mostra uma Celeste mais tímida e feliz com sua vida. Mesmo depois de sobreviver ao atentado que quase tirou sua vida, ela tenta superar esse trauma ao se dedicar à música ao lado de sua irmã, que tanto apoiam uma a outra, e o jeito retraído e fechado da atriz acaba combinando com a personagem.

Quando Natalie Portman entra no filme, ela entra de cabeça na personagem, interpretando uma Celeste mais confiante, mimada, que se importa principalmente com sua carreira, mostrando de modo frio e cruel o jeito como ela trata agora sua irmã e até mesmo sua filha (que também foi interpretada por Raffey Cassidy).


Embora Jude Law esteja se empenhando em seu personagem, a direção de atores o deixa um pouco de lado, fazendo com que o personagem caia no estereótipo do agente ambicioso e cretino que só pensa na carreira de Celeste, mostrando se importar pouco com seu bem estar, e a partir da metade do filme, ele é quase esquecido, mas que acaba continuando na história até o fim, mesmo com todos os desentendimentos com Celeste.


Há bons enquadramentos e planos sequências muito bom ao expressar os sentimentos da protagonista, ao mostrar na tela o desespero que sente devido ao seu trauma, utilizando bem a mise en scène de forma que não deixa a cena expositiva.

O desfecho não deixa uma conclusão bem estabelecida, mesmo ao apresentar um traço sobre a recuperação de Celeste em relação a seus traumas, deixando a sensação de que o diretor decidiu não filmar o restante da história e finalizar nesse ponto ao tentar impactar o público sem sucesso.


Vox Lux tem alguns problemas na direção e em estabelecer um ritmo neutro, mas compensa no desenvolvimento da protagonista.

NOTA: 6 clips para o sucesso. (6/10)

Trailer:











Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…