Pular para o conteúdo principal

Amor até as cinzas, novo filme do diretor Jia Zhang-Ke



Datong, China, 2001. Qiao está apaixonada por Bin, líder de um bando de mafiosos local. Em uma briga com uma gangue rival, vendo que o amado estava numa situação difícil e não conseguia mais se defender, ela pega uma arma e dispara para salvá-lo. Como consequência de sua demonstração de amor, ela acaba na prisão. Cinco anos depois, ela sai da cadeia e vai atrás de Bin para tentar retomar o relacionamento, mas muita coisa mudou do lado de fora das grades.

Cobrindo o período que vai de 2001 a 2017, “Amor até as cinzas” é vendido, segundo o cartaz de divulgação, como “Uma história épica de um amor arrebatador”, um “relacionamento perigoso, cheio de altos e baixos” que se inicia novamente quando Qiao sai da penitenciária. O trailer também passa essa ideia. Mas de história de amor há muito pouco nessa obra. Pelo menos da parte de Bin.


Enquanto Qiao realmente se mostra disposta a tudo para ficar com o homem que ama, não apenas sendo presa para livrar a cara dele, mas também atravessando o país de trem, ônibus e barco apenas para reencontrá-lo quando é posta em liberdade, Bin não parece se importar tanto assim com ela. A impressão é que talvez ele a amasse antes da cadeia, mas com certeza ele não precisa mais dela depois disso – e nem ao menos tem a decência de dizer tal coisa olhando a mulher nos olhos.

Visualmente, o filme é belíssimo, além de trazer cenas muito bem coreografadas na primeira parte, tanto quando o casal dança em uma casa noturna quanto quando eles enfrentam os membros de outra gangue no meio da rua. As paisagens vastas e tristes do segundo ato também são de encher os olhos, refletindo o estado de Qiao nessa fase pós-prisão. Os tons escuros do terço final ilustram perfeitamente a total falta de esperança da protagonista e a mão sombria do destino que agarra Bin e o joga novamente nos braços da antiga namorada (mas isso não quer dizer que haja amor ali).


O filme vale pelas lindas imagens e pelas ótimas cenas de ação iniciais, mas daí a dizer que é uma história de amor... não dá. Amor unilateral não é amor. A sinopse poderia ser mais condizente com a trama. E o filme poderia ter uma duração menor, inclusive sem apelar para o sentimentalismo no final. No geral, acaba sendo só mediano.

Nota: 3 disparos de festim (3 de 5)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …