Pular para o conteúdo principal

O Último Lance: arte, família e choque de gerações



Olavi é um velho negociante de arte prestes a se aposentar que vê em um leilão a oportunidade com que sempre sonhou: comprar por um valor bem abaixo do mercado um quadro que ele acredita ser de um pintor famoso e depois fazer um bom negócio na revenda. Só que é uma jogada arriscada. E o faturamento de sua loja já não anda muito bom. Para complicar ainda mais sua situação, a filha, com quem tem um relacionamento conturbado, aparece e pede a ele para aceitar o neto, Otto, como estagiário. Olavi tem, então, a chance de alcançar o ápice de sua realização profissional e de corrigir seus vacilos com a família. Só que é necessário fazer escolhas. E tudo tem um preço.

O longa finlandês aborda a relação entre o mundo da arte e a tecnologia, o antigo e o novo, e como esses universos aparentemente distintos podem se conciliar. A mesma relação é espelhada por Olavi e Otto: um apegado à forma tradicional de consumir e negociar pinturas, o outro mostrando que o digital também tem seu valor e pode ser usado para enaltecer o antigo e simplificar a vida. Como esperado, a relação entre avô e neto começa espinhosa, mas acaba por desabrochar em uma parceria de confiança.


Menos suaves, porém, são os encontros entre Olavi e sua filha Lea, já que ela tem motivos de sobra para ressentimentos e não vê com bons olhos a forma como o negociante de artes usa Otto para atingir seus objetivos comerciais, colocando, como sempre, seus interesses pessoais e seu ego acima das relações familiares e dos sentimentos alheios.

“O último lance” é um filme bem tradicional na forma e no desenvolvimento, mas isso de modo algum é um demérito. Mensagens positivas são sempre válidas, e a química entre os atores que interpretam avô e neto é ótima. Uma história previsível, mas que dá um quentinho no coração.

Nota: 3,5 catálogos de exposição (3,5 de 5)
Estreia: 18 de abril


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …