O Último Lance: arte, família e choque de gerações



Olavi é um velho negociante de arte prestes a se aposentar que vê em um leilão a oportunidade com que sempre sonhou: comprar por um valor bem abaixo do mercado um quadro que ele acredita ser de um pintor famoso e depois fazer um bom negócio na revenda. Só que é uma jogada arriscada. E o faturamento de sua loja já não anda muito bom. Para complicar ainda mais sua situação, a filha, com quem tem um relacionamento conturbado, aparece e pede a ele para aceitar o neto, Otto, como estagiário. Olavi tem, então, a chance de alcançar o ápice de sua realização profissional e de corrigir seus vacilos com a família. Só que é necessário fazer escolhas. E tudo tem um preço.

O longa finlandês aborda a relação entre o mundo da arte e a tecnologia, o antigo e o novo, e como esses universos aparentemente distintos podem se conciliar. A mesma relação é espelhada por Olavi e Otto: um apegado à forma tradicional de consumir e negociar pinturas, o outro mostrando que o digital também tem seu valor e pode ser usado para enaltecer o antigo e simplificar a vida. Como esperado, a relação entre avô e neto começa espinhosa, mas acaba por desabrochar em uma parceria de confiança.


Menos suaves, porém, são os encontros entre Olavi e sua filha Lea, já que ela tem motivos de sobra para ressentimentos e não vê com bons olhos a forma como o negociante de artes usa Otto para atingir seus objetivos comerciais, colocando, como sempre, seus interesses pessoais e seu ego acima das relações familiares e dos sentimentos alheios.

“O último lance” é um filme bem tradicional na forma e no desenvolvimento, mas isso de modo algum é um demérito. Mensagens positivas são sempre válidas, e a química entre os atores que interpretam avô e neto é ótima. Uma história previsível, mas que dá um quentinho no coração.

Nota: 3,5 catálogos de exposição (3,5 de 5)
Estreia: 18 de abril


Comentários