Pular para o conteúdo principal

Vingadores: Ultimato: Crítica sem spoilers - Prepare-se para o que vem por aí...


A grande conclusão dessa era do Universo Cinematográfico Marvel, em Vingadores: Ultimato, é realmente tudo que os fãs esperam e muito mais.

Logo no início, o filme vai para a direção mais óbvia e previsível, dando a impressão de que os roteiristas ficaram preguiçosos para desenrolar a história, mas, quando a trajetória parece caminhar em direção a algo simples e sem criatividade, o roteiro já nos surpreende no início do primeiro ato. A partir desse ponto, a direção trabalha bem o desenvolvimento dos personagens, mostrando como cada um seguiu em frente após o estalar de dedos de Thanos, mostrando que, embora eles seguissem com suas vida deles, eles não superaram por completo o que aconteceu.



O roteiro mostra bem como cada um foi afetado pelos eventos do filme anterior (Vingadores: Guerra Infinita), mostrando sentimentos de culpa, desespero, raiva, descrença, medo, entre outros sentimentos que são divididos entre os personagens e são muito bem trabalhados em cima de cada um, destacando um certo sentimento em cada herói, mas sem deixar que isso seja o único traço de suas personalidades, criando camadas únicas para cada um, mas com os mesmos objetivos e motivações em mente.

Resultado de imagem para vingadores ultimato

Algumas informações que foram estabelecidas em outros filmes do UCM, são ignoradas nesse filme , oque incomoda os fãs mais exigentes, além de apresentar uma situação ou um contratempo e ele é mal resolvido ou simplesmente ignorado e esquecido, dando espaço para a trama principal.

Resultado de imagem para vingadores ultimato

A direção dos irmãos Russo (Vingadores: Guerra Infinita, Capitão América: Guerra Civil) novamente apresenta um espetáculo visual, a montagem é cuidadosamente bem feita ao dividir bem o tempo em tela dos personagens, ao mostrá-los em situações importantes para o desenvolvimento da história. As cenas de luta também são bem empolgantes, utilizando planos longos e estáticos, que sempre acompanham os personagens durante a luta sem perder o foco delas.

Mesmo com o estilo diferenciado, a estrutura ainda segue a fórmula Marvel, com o mesmo tom cômico introduzido, mas que também dá espaço para um tom mais dramático, o que acaba combinando, devido à reação e ao ânimo dos personagens. O maior problema transparece quando é mostrada uma cena grandiosa e inspiradora e o clima é cortado totalmente com uma piada desnecessária, e mesmo que essas piadas funcionem em vários momentos durante o filme, elas quebram facilmente os momentos triunfantes.

Resultado de imagem para vingadores ultimatoAs referências a outros filmes do UCM tem uma grande função na história, elementos pequenos que, quando foram apresentados no passado, não tinham tanta importância, mas quando retomados, eles acabam ajudando a construir um clima mais dramático, o que acaba emocionando o público (que assistiu aos outros filmes da Marvel Studios).

Resultado de imagem para vingadores ultimatoO terceiro ato é algo surpreendentemente espetacular, apresentando ao público tudo o que foi prometido ao longo dos anos e muito mais. A batalha final é provavelmente o maior evento do UCM, cheio de surpresas que deixam o publico eufórico com as cenas de batalha constantes sem cansá-los  devido aos vários plot twists apresentados durante a batalha, que tiram o folego dos fãs, e o grande desfecho supera todas as expectativas.

Imagem relacionada
Mesmo com a quebra do ritmo e algumas falhas no roteiro, Vingadores: Ultimato é surpreendente, emocionante, empolgante, com um final que agrada bastante os fãs do gênero e finaliza com perfeição essa Era da Marvel.

NOTA: 9 sacrifícios, custe o que custar.


Trailer:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …