Pular para o conteúdo principal

A espiã vermelha, um filme de Trevor Nunn



O filme A espiã vermelha contém uma história interessante e surpreendente, que consegue fazer o publico refletir sobre os atos da protagonista de trair seu país para evitar uma guerra nuclear, mas ,mesmo com a premissa comovente, sua execução deixa a desejar.

O ritmo lento do filme acaba se tornando um pouco entediante na primeira metade, mesmo apresentando bem os acontecimentos e as informações da trajetória de Joan, a direção não consegue transformar o que foi apresentado em algo que desperte o interesse do público. O diretor Trevor Nunn conduz a historia de Joan de forma direta, explicita, e sem muita exposição, mostrando bem como e o que a levou por esse caminho, e as consequências disso no futuro, quando ela foi acusada de traição.

Imagem relacionada

A montagem entre as duas linhas do tempo inicialmente é bem feitas, essas linhas são bem conectadas ao mostrar a velha Joan (Judi Dench) relembrando fatos de seu passado e cortando para algo que remete à lembrança dela ao mostrar a jovem Joan (Sophie Cookson) executando alguma tarefa que a levou a ser interrogada em sua velhice, mas, em alguns momentos, a edição faz questão de mostrar a breve reação dela ao se lembrar do passado, dando a impressão de que o diretor quer que o público tenha essa mesma reação à cena que foi mostrada, deixando o ritmo um pouco forçado.

A reconstrução de época é bem convincente, com figurinos realistas, trajes e roupas dos anos de 1940, junto com a fotografia que faz uso de uma palheta de cores em tons pastéis, o que ajuda a passar a sensação de um ambiente antigo. Quando o roteiro apresenta alguns elementos da época como o machismo dos homens ao verem uma mulher ao lado de vários cientistas homens, pensando automaticamente que ela é a secretária e não uma cientista como os outros, esses elementos são colocados de forma óbvia, conferindo uma certa artificialidade às cenas. 

Resultado de imagem para a espiã vermelha

A partir da metade do segundo ato, a direção começa a mostrar bem Joan fazendo as coisas pelas quais ela foi acusada, seus atos de espionagem, com cortes rápidos que têm a intenção de mostrar a agilidade e o desespero da personagem devido à gravidade de seus atos, o que é feito de forma dinâmica e prende a atenção do público.

Resultado de imagem para a espiã vermelha

Os pares românticos de Joan ao longo de sua trajetória têm uma função na trama pelo lado politico, mas pelo lado romântico, é desnecessário, quase não ajuda na construção da história, mas também não atrapalha.

Imagem relacionada

Sophie Cookson interpreta bem a jovem Joan. A atriz consegue passar bem a motivação da personagem e o que isso pode custar para ela, mas, mesmo com medo de destruir sua vida e das pessoas próximas a ela, seus objetivos são muito maiores, e, se ela tivesse ficado de braços cruzados esperando o pior acontecer, isso poderia ter custado as vidas de milhares de pessoas se ela ficar de braços cruzados só esperando o pior acontecer.

Imagem relacionada

Judi Dench está bem como sempre, mesmo tendo pouco tempo em cena em comparação com Sophie, ela mostra bem que mesmo depois de 60 anos ela não se arrependeu do que fez, mas que também nega publicamente seus atos, mostrando que ainda tem medo de que algo aconteça com ela, e que poderia afetar sua família de forma negativa.

Mesmo que o filme só consiga prender a atenção do público no terceiro ato, a história é bem impressionante, com boas abordagens ao mostrar a protagonista cometendo um crime contra seu país pelos motivos certos.

NOTA: 5 passos e meio para evitar uma guerra nuclear.

Trailer:

Se vocês clicarem nessa imagem aí embaixo, ela os levará à página de compra do livro na Amazon Brasil e vocês estarão nos ajudando a conseguir alguma graninha para colocarmos mais combustível na nossa nave, a USS Sinistra. 
Antecipadamente agradeço, A Capitã


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…