Pular para o conteúdo principal

Cemitério Maldito (2019): quando o trailer conta demais, e o gato zumbi rouba a cena (e os corações da plateia)



O Bruno Martuci já fez aqui sua comparação do remake de Cemitério Maldito com a adaptação original. 

Mas afinal, sem termos comparativos, Cemitério maldito, versão 2019, vale a pena?

Bem, eu também vi os dois filmes. E (ainda) não li o livro. Eu gostei bastante do filme novo, e eu concordo com o Bruno nisso de que Church, o gato “zumbi”, ficou mais realista no remake, mas ele ficou tão fofinho <3 Creio que, para quem ama esses felinos, essa coisa mais realista dele tenha ficado, ainda assim, fofinha <3 (mais comentários sobre os gatos, com spoilers, no final desse texto.)



Para mim, um dos pontos fortes do terror do filme foi o lance com a irmã de Rachel. Além disso, tudo na volta de Ellie ficou mais realisticamente assustador, já que… eita, estou entrando nas comparações, mas é isso aí: remakes e adaptações sempre serão comparados com a obra original. Mas meu ponto aqui está mais para: por que esse ódio antecipado quanto aos remakes? Cemitério Maldito (2019) é um bom filme. Ainda que para mim não tenha sido tão bom quanto It, A coisa, é bom, e a cena final o torna ainda melhor. Aquele twist…. Na verdade, minha crítica maior aqui deve ser a mesma de muitos fãs: eles praticamente contaram um dos maiores twists nos trailers. Eu cheguei a achar que não estragaria a experiência que, apesar de muito boa, repito, o filme é bom, é ótimo, na verdade, nada como as decepções do ano passado (ao menos para mim) de A Freira e Hereditário (que começou bem, mas aquele final…), mas, infelizmente, estraga sim. Já sabendo que é a Ellie quem vai voltar, ficamos esperando por isso, o que quebra sim uma grande parte do impacto do filme. Era um spoiler do qual quem viu o trailer, mesmo que sem querer, quando estava no cinema assistindo a outro filme, poderia ter sido poupado. 



O filme cumpre seu papel como obra cinematográfica de horror sobrenatural ao mesmo tempo em que mostra os horrores das loucuras que os seres humanos podem chegar a fazer em vez de aceitarem que perderam algo. E o filme lida com culpas, é a culpa de Rachel em relação à irmã, a culpa de Louis por não conseguir salvar um paciente, a culpa de Jud por suas decisões do passado, esse lance da culpa que acaba gerando cada vez mais filmes de terror, parece algo intrínseco ao ser humano. E se…? Não! Não há como mudar o passado, mas dá para evitar erros futuros, certo? 



Enfim, se Cemitério Maldito em sua nova roupagem 30 anos depois do lançamento da primeira adaptação não é perfeito, ao menos, como filme de terror, ele cumpre bem seu papel, e talvez até mesmo possa fazer as novas gerações correrem atrás do filme original e/ou do livro, mas como entretenimento em si, este filme se sai muito bem. eu gostei demais! 



***

Spoilers abaixo, prossiga por conta própria.

Church, o gato, é o grande astro, claro. E aqui vão alguns comentários curiosos sobre os gatinhos ;)



Tanto na versão de 1989 quanto na de 2019, os gatos são gatos de verdade, e não recriações em CGI. Os olhinhos de lanterna assustadores de Church na primeira adaptação, mais a cor naturalmente escura de seus pelos, sendo um Blue Russian, já o deixavam beeeem assustador. Porém, em 2019, com a escolha de um gato maior, um Maine Coon (homenagem a Maine, estado natal de SK, além de homenagem à capa da primeira edição do livro). No filme de 2019, Church tem mais tempo em tela eeeee é mais “inteligente” ou “esperto”, especialmente naquela cena… em que ele supermanipula Louis para que ele não o mate! Parabéns, Church xD 





Trailer:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…