Pular para o conteúdo principal

John Wick, o sucesso por trás da história da franquia que está no seu terceiro capítulo


Sem dúvida, John Wick (“De Volta ao Jogo”, como foi intitulado o primeiro filme da franquia aqui no Brasil) é um dos maiores sucessos do gênero de ação da última década, agradando aos fãs desse tipo de filme.

Mas, mesmo com o sucesso do filme que deu origem a mais duas sequências (John Wick: Parabellum estreando hoje), o público mais atento pode perceber que a história do filme original que deu início a essa franquia, não é 100% original, servindo-se de duas estruturas básicas de roteiro que já foram utilizadas inúmeras vezes nos cinema.

Uma dessas estruturas, que é muito comum nesse gênero, e a do protagonista que, depois de um atentado contra algum membro de sua família, vai atrás das pessoas responsáveis para buscar vingança, sem pensar nas consequências de seus atos. 

Resultado de imagem para john wick - de volta ao jogo

A outra estrutura utilizada não tem sua origem nesse gênero de ação, mas sim nos filmes de velho oeste, que é a do matador que se aposenta de seu ofício logo após encontrar o amor de sua vida e, mesmo depois da morte de sua amada, ele permanece distante de sua antiga vida, até que o passado bate à sua porta para oferecer um “ultimo serviço” que somente ele pode finalizar, o que no início ele se recusa a fazer, mas logo muda de ideia e volta à ativa, até que no final ele percebe que nasceu para isso, querendo ou não. 

Mesmo com essas duas estruturas presentes no roteiro do filme, a direção de Chad Stahelski e David Leitch consegue equilibrar bem essa mistura, a ponto de renová-las ao trazer novos elementos para a construção da trajetória do protagonista e do ritmo, como por exemplo, a motivação de John em voltar à ativa causada pela morte de um membro de sua família. Normalmente outros filmes do gênero usam membros mais próximos como a esposa, os filhos, ou os pais. 

Resultado de imagem para john wick - de volta ao jogo

No caso de John Wick, o que desencadeou sua vingança foi a morte de seu cachorro, e esse recurso acaba funcionando devido a dois elementos: o primeiro é o que o cachorro representava para o personagem. Logo no início, vemos que o filhote foi o último presente de sua falecida esposa, dado a ele para que John tivesse um novo propósito de continuar sua vida sem ela, e o segundo elemento foi a opção de usar o assassinato do animal de estimação para provocar a sede de vingança em John pelo fato de o público sentir mais empatia com um filhote inocente que não tem noção do que ocorre à sua volta do que com um ser humano, e no momento em que o cachorro é brutalmente assassinado, o público sente mais a dor pela morte do animal em si, enquanto John sente algo maior, e através dele, o espectador consegue entender perfeitamente sua raiva, já que o filhote representava mais do que um bichinho de estimação, para ele era a última parte viva de sua esposa que foi tirada dele novamente, fazendo com que ele voltasse à ativa, mas, ao contrário dos filmes de velho oeste, o que leva John a voltar a matar não é necessariamente um trabalho perfeito para ele, mas sim a vingança por terem lhe tirado a última coisa que ele amava.

Imagem relacionada

Outro ponto interessante do filme é a apresentação de John logo após ele voltar de seu afastamento, quando é revelado que o homem que matou o cachorro do John é na verdade filho de seu ex-chefe. Percebe-se então a gravidade da situação que eles vão enfrentar quando é dito o tamanho do talento de John quando o assunto é matar alguém, e não demora muito até que vemos esse talento colocado em tela de forma explícita. O que também chama a atenção no filme é o fato de haver uma sociedade civilizada de matadores de aluguel que residem em um hotel de luxo, o que inicialmente parece ridículo, algo assim que foge da nossa realidade, e acaba se tornando interessante, devido ao modo como foi abordado, com os diretores estabelecendo regras rígidas dentro do hotel que devem ser seguidas para manter a ética e a compostura estabelecidas ao que foi nos apresentado, caso contrário, a punição seria bem severa (abordado no terceiro filme da franquia, John Wick: Parabellum - John Wick 3), mas que também estabelecem regras na estrutura do roteiro que fazem com que o público compre a ideia desse lugar frequentado por assassinos e matadores de alto escalão.

Resultado de imagem para john wick 2014

John Wick pode até não ter uma estrutura totalmente original, mas a história é muito bem contada, bem dirigida, estabelecendo regras que em hipótese alguma são quebradas, permanecendo com um bom ritmo, dando função às cenas de ação pesadas e explícitas que tornam a violência gráfica coerente com a narrativa, sem que se tornem gratuitas e desnecessárias, transformando o filme em um dos filmes mais revolucionários do gênero da nossa década - e suas sequências mantêm ritmo e qualidade. 

Resultado de imagem para john wick - de volta ao jogo


Aqui a Ana fala um pouco também da visão dela sobre o sucesso dessa franquia que voltou com tudo ao jogo nesse terceiro capítulo: Se queres paz, prepara-te para a guerra!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …