Pular para o conteúdo principal

Shigatsu Wa Kimi No Uso (Sua mentira em abril) é meu desafio de “assista sem chorar” para vocês


Ano passado eu procurava algum anime shoujo (aqueles animes fofos, geralmente feitos para meninas mais novas) para assistir e acabei encontrando esse anime com um nome enorme - Shigatsu Wa Kimi No Uso. Eu não li muito sobre ele e não sabia exatamente do que se tratava, apenas que o protagonista tocava piano e que o anime começava com o terceiro movimento de Moonlight Sonata. Sim, eu havia achado um anime que eu precisava muito assistir! Mas não apenas isso. Não demorou muito para perceber que esse anime é extremamente perigoso para pessoas sensíveis e ele me inspirou a voltar a tocar depois de muito tempo parada. Então, deixo aqui essa recomendação que eu já deviera ter feito há muito tempo!

Shigatsu wa kimi no uso, ou “Sua mentira em abril”,  é um anime de 2014, em que todos os protagonistas são músicos. A história gira em torno de Kousei Arima, um prodígio pianista que aos 5 anos já ganhava diversos concursos e era invejado por muitos no cenário. Kousei aprendeu tudo com sua mãe, uma grande pianista que morreu quando ele tinha 11 anos. Devido aos treinos intensos e à rigidez de sua mãe, Kousei tem um colapso em uma apresentação e não consegue mais tocar. Sempre que tenta, ele tem crises de pânico e não consegue ouvir as notas, o que fez com que desaparecesse dos concursos, deixando muitos adversários decepcionados por perderem a chance de disputar com o grande prodígio.




Apesar de perder tudo o que amava, Kousei se sente sortudo por ter seus dois melhores amigos, Tsubaki e Watari, sempre ao seu lado. O que ele com certeza não esperava era conhecer a bela violinista, Kaori Miyazono, por intermédio de Watari. Kaori é incrivelmente alegre e habilidosa e faz algo que Kousei foi obrigado a tomar como errado: ela toca com o coração. Sem se importar com vencer concursos, bolsas ou apresentações, o único intuito de Kaori é deixar um legado e viver no coração de todos que a ouvem.

Kaori é apaixonada por Watari, mas ela e Kousei passam muito tempo juntos e ela dá um ultimato a Kousei: ele a acompanhará em uma apresentação. Custe o que custar, ele tocará com ela.

Não quero dar spoilers porque a história é surpreendente, mas o que esses dois conseguem juntos e o legado que Kaori deseja, suas motivações e o quanto isso é importante para ela fazem com que a história seja única. A trilha sonora é maravilhosa e uma ótima oportunidade para conhecer o mundo da música clássica, o intenso treino para fazer parte de tudo isso e a genialidade de compositores que nunca deixarão de ser contemporâneos.




Kaori e Kousei formam uma dupla incrível, são protagonistas que se completam em todos os sentidos e, com certeza, te emocionarão muito! Esse anime merece 10 de 10 estrelas pelo cuidado com o roteiro, pela animação detalhada e fofa e pelo quanto é inspirador em todos os sentidos. Espero que gostem tanto quanto eu! <3






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …