Pular para o conteúdo principal

Turma da Mônica - Laços terá pré-venda de ingressos a partir de 6 de junho


Começou a contagem regressiva! Falta exatamente um mês para a turminha mais querida do Brasil estrear em todas as salas do país. “Turma da Mônica – Laços”, de Daniel Rezende, estreia no dia 27 de junho e a partir de quinta que vem, 6 de junho, começa a pré-venda de ingressos.

O live-action "Turma da Mônica - Laços" chega aos cinemas seis anos depois da graphic novel homônima ser lançada pelos irmãos Vitor e Lu Cafaggi.   Em 2011, a Mauricio de Sousa Produções decidiu convidar essa dupla de jovens e talentosos artistas gráficos mineiros para recriar visualmente o universo de seus personagens mais famosos. Nascia assim a Turma da Mônica: Laços, que se tornou a graphic novel mais vendida do país e conquistou um dos principais prêmios dos quadrinhos no Brasil, o Troféu HQ Mix, nas categorias Edição especial nacional e Publicação infantojuvenil.

A trama do filme segue a essência da graphic novel homônima que a originou. O cãozinho de estimação do Cebolinha desaparece, e seus amigos enfrentam muitas aventuras e riscos para ajudá-lo a encontrar o Floquinho, provando que a amizade é um dos valores mais importantes para unir as pessoas.

“Quando Lu e eu fomos convidados a fazer uma graphic novel da Turma, uma das primeiras coisas que a gente pensou foi: como seria um filme da Turma da Mônica? Queríamos que a história tivesse um clima parecido com o de alguns filmes que marcaram nossas infâncias como ‘Goonies’ e ‘Conta Comigo’. Queríamos também criar uma história que conversasse com a infância de todo mundo. Não importando se essa infância aconteceu há vinte anos, trinta anos, ou se está acontecendo agora. Por isso, a história tem várias camadas. Algumas dessas camadas conversam mais com esse lado nostálgico dos adultos e outras com as crianças atuais”, conta um dos autores Vitor Cafaggi.

         “O mais legal da Turma é essa possibilidade da gente encontrar, na simplicidade da ficção deles, histórias tão multifacetadas e delicadas como as do nosso dia a dia”, complementa a coautora Lu Caffagi.  

“Turma da Mônica – Laços” é uma produção da Biônica Filmes e Quintal Digital, em coprodução com a Mauricio de Sousa Produções, Latina Estudio, Paris Entretenimento, Paramount Pictures e Globo Filmes. A distribuição é da Paris Filmes e Downtown Filmes.

Redes Sociais:
#turmadamonicaofilme

Sinopse

Os personagens mais queridos das histórias em quadrinhos chegam ao cinema pela primeira vez em carne e osso! A Turma da Mônica invade as telas para encantar crianças de ontem e de hoje.

Nesta história cheia de surpresas, o Cebolinha bola mais um plano infalível para roubar o Sansão, o coelhinho de pelúcia da Mônica, e se tornar o dono da rua. O plano não dá certo novamente, mesmo com a ajuda do seu melhor amigo, o Cascão.
Mas as coisas se complicam de verdade quando o Floquinho, o cachorrinho de estimação do Cebolinha, desaparece. Mônica, Magali e Cascão se juntam a ele numa grande aventura. Eles se embrenham na floresta para encontrar o Floquinho e descobrem que os laços de amizade que os unem são mais importantes do que os conflitos e as diferenças.
Turma da Mônica – Laços traz os personagens criados por Mauricio de Sousa há mais de 50 anos e é baseado na graphic novel de mesmo nome criada por Vitor e Lu Cafaggi.

Ficha técnica
Produção: Biônica Filmes e Quintal Digital
Coprodução: Mauricio de Sousa Produções, Latina Estudio, Paris Entretenimento, Paramount Pictures e Globo Filmes.
Direção: Daniel Rezende
Produção: Bianca Villar, Fernando Fraiha, Karen Castanho, Daniel Rezende, Charles Miranda, Cassio Pardini, Cao Quintas e Marcio Fraccaroli.
Baseado na Obra de Mauricio de Sousa
Inspirado na Graphic Novel "Laços” de Vitor Cafaggi e Lu Cafaggi
Roteiro: Thiago Dottori
Elenco: Luciano Baldan
Produção Executiva: Bianca Villar
Direção de Fotografia: Azul Serra
Direção de Arte: Cassio Amarante e Mariana Falvo
Figurino: Fernanda Marques, Manuela Mello e Verônica Julian
Caracterização:  Gabi Britzki e Simone Batata
Montagem: Marcelo Junqueira e Sabrina Wilkins
Som direto: Jorge Rezende
Edição de Som: Miriam Biderman e Ricardo Reis
Mixagem: Toco Cerqueira e Reilly Steele
Música: Fábio Góes
Canção Original: Tiago Iorc
Elenco: Giulia Benite (Mônica), Kevin Vechiatto (Cebolinha), Laura Rauseo (Magali), Gabriel Moreira (Cascão), Monica Iozzi (Dona Luísa), Paulo Vilhena (seu Cebola), Fafá Rennó (Dona Cebola) e Ravel Cabral (Homem do saco).  Participação Especial: Rodrigo Santoro (Louco)
Distribuição: Paris Filmes e Downtown Filmes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …