Pular para o conteúdo principal

Uglydolls e os bonecos "feios" mais fofos do pedaço chegam ao cinema!




Obviamente que já não sou criança faz tempo, rs, portanto eu nem sabia que existia a linha de brinquedos dos Ugllydolls. Assim que vi que o filme seria lançado, fiquei encantada.  Eu me lembrei da filha de Scott Lang, no primeiro filme do Homem-Formiga adorando o boneco feio que ela ganhou do pai!

Se a suposta Perfeição já assombra terrivelmente a vida dos adultos, com cobranças por corpos e mentes perfeitos, mesmo com todo o movimento atual de aceitação de diferenças, temos que nos lembrar de que o entretenimentos que vemos/vimos quando crianças acaba moldando nossas visões do futuro. Se até mesmo a Disney deixou de seguir aquela linha ultrapassada e machista dos contos de fadas “de antigamente”, temos de ter outros filmes infantis com mensagens positivas, afinal, não é só de Disney (nem de longe) que o entretenimento infantil é feito, ainda bem, senão seria um monopólio terrível e precisamos de diferentes linhas de criação e pensamento. 



Com isso dito, o filme é de uma fofura incrível. A animação é linda e os bonecos são pra lá de fofos - sinceramente, os “bonecos feios” são infinitamente mais bonitos do que aquelas bonecas assustadoramente dentro dos padrões tidos como aceitos. De fato, eu nunca gostei de bonecas, mas não temos como negar a influência negativa da Barbie em ideias de beleza e perfeição, mesmo que gostemos dela, não é?

Com mensagens positivas, uma animação bonita, uma história simples, porém carismática, confesso que, como uma adulta que ama coisas kawaii, sim, tenho vontade de ter os brinquedos. Já comprei o Mc lanche feliz por causa do brinquedo e adquiri meu cine caixinha por causa do copo. Mas além do merchandising, o filme encanta (e canta, visto que é em grande parte um musical) e conquista crianças e adultos, chamando a atenção para a necessidade de aceitação, diversidade, e uma liberdade das amarras que constringem, limitam e embotam as vidas de muita gente em busca de uma perfeição que parece mais um Santo Graal falso: Perfeição é algo que não existe. 

Nota: 3 brinquedos charmosamente feios e 1 criança feliz com eles <3 (4 de 5)

Trailer:





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …