Pular para o conteúdo principal

8 motivos para ir ao BIG Festival 2019 #vemprobig #bigfestival2019


8 MOTIVOS PARA IR AO BIG FESTIVAL

1. É de graça e fácil de chegar

O BIG Festival deste ano acontece na Avenida Paulista, 735, bem pertinho das estações Trianon-Masp e Brigadeiro do metrô. Além de ter entrada gratuita, o evento oferece um cronograma de atividades para toda a família.



2. Games para todos os gostos

Selecionamos os 75 melhores jogos independentes do mundo, incluindo uma seleção exclusiva dos melhores jogos brasileiros do ano. Além de jogar, no BIG você conhece os desenvolvedores que fizeram os jogos! No site do BIG Festival, é possível conhecer todos os finalistas da edição deste ano e já planejar qual experimentar primeiro.

3. Programação de palestras

Para quem quer saber mais sobre a indústria de games, as palestras e workshops do BIG Festival são indispensáveis. Profissionais renomados vão discutir diversos temas relacionados à criação de jogos e o visitante poderá ver como os desenvolvedores criam personagens, como escolher um curso de jogos digitais ou até mesmo conhecer um dos nomes responsáveis pela criação de "Spider Man", de Playstation 4. Veja aqui as mais de 120 palestras disponíveis no evento.



4. Conteúdo dedicado aos eSports

Fique por dentro de como são os investimentos de eSports no Brasil, como é ser um pro player ou ainda como é o ecossistema de eSports sob o ponto de vista de experts da indústria. Com uma expectativa de movimentar US$ 456 milhões em 2019, segundo pesquisa da Newzoo, o mercado de eSports não para de crescer e de gerar empregos e oportunidades.

5. Destaque para conteúdos sobre VR e XR

Como a Realidade Virtual e a Realidade Estendida vêm se transformando e para onde elas estão indo? Saiba mais nas palestras do BIG XR/VR e jogue os games finalistas para essa categoria!



6. Momento cosplay

Primeira edição do Concurso Cultural de Cosplay Live Arena no BIG Festival. Os cinco cosplayers que mais receberem likes em suas selfies no Instagram durante o BIG Festival 2019 ganharão uma bolsa do curso EAD Cosplayer e Cosmaker da Live Arena.

7. Game Jam do Facebook

Já imaginou desenvolver um jogo em 30 horas ininterruptas? O Facebook Game Jam é uma competição onde 10 serão equipes selecionadas pelo BIG Festival e Facebook para criar um jogo do zero. Os jogos desenvolvidos serão apresentados ao júri do Facebook e ao público às 16h do domingo (30). Intervenções espontâneas de profissionais do Facebook ao longo da Game Jam darão dicas de como utilizar as ferramentas disponíveis na plataforma. É tudo aberto ao público.



8. Google Day
Google e BIG Festival juntos mais uma vez! Este ano o line-up sugerido do Google trouxe temas como Firebase, conteúdo para Youtube, Google Rewards, Google Play e AdMob! Confira as palestras do Google Day e não perca!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …