Pular para o conteúdo principal

Atenção, fãs da Marvel: Homem-Aranha é destaque no BIG Festival #games



O ARTISTA TÉCNICO CHRIS PERRELLA FARÁ PALESTRA COM ENTRADA FRANCA 

Admiradores da Marvel e do Homem-Aranha, preparem-se! No dia 27 de junho, o BIG Festival 2019 (Brazil’s Independent Games Festival), evento mais importante de jogos independentes da América Latina, recebe Chris Perrella, um dos líderes do time de criação de “Spider-Man”, jogo de sucesso desenvolvido pela Insomniac Games para o Playstation 4. O artista técnico baterá um papo gratuito com o público sobre os métodos e os desafios para criar o ambiente úmido presente no game. Sujeita à lotação, a palestra ocorrerá na Avenida Paulista. 

Desde 2012, o BIG Festival incentiva o desenvolvimento do ecossistema de games no país, que lidera o crescimento do setor de economia criativa, responsável por gerar 1 milhão de empregos para cerca de 200 mil empresas (dados da FGV). O Brasil é hoje o 13o maior consumidor de games do mundo. Aqui, os negócios do setor correspondem a US$ 1,5 bilhão em receita, de acordo com o New Zoo, líder global de análises de games e esportes. Já o mercado latino-americano de jogos movimentou 4.9 bilhões de dólares no último ano, o que equivale a 4% do total mundial (US$ 137,9 bilhões). 

Brasil é o 13o maior consumidor de games do mundo. A indústria gera US$ 1,5 bilhão de receita. 

Esta é a sétima edição do BIG Festival, que oferece palestras (de 26/06 a 30/06) e exposição interativa de jogos (de 27/06 a 30/06) com entrada franca para os amantes de games, desenvolvedores e público em geral. O BIG é o evento onde todo profissional da indústria de games deve estar. Há uma programação própria dedicada ao mercado e o ponto alto são as rodadas de negócios (27/06 e 28/06), com inscrição mediante pagamento. Além das palestras que também estão abertas ao público consumidor. Para garantir vaga nas palestras, o ideal é fazer uma pré-inscrição. Mais informações no site. 

Em 2019, o BIG Festival tem o patrocínio da Prodesp - Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo - da Desenvolve SP, do BRDE, do Fundo Setorial do Audiovisual e da Ancine; em parceria com o Projeto Brazil Games, promovido pela Abragames - Associação Brasileira de Desenvolvedores de Jogos Digitais - e pela Apex-Brasil - Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos. A realização é da Bits Productions, do SPCine, da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, do Governo do Estado de São Paulo, do Ministério da Cidadania e do Governo Federal. 



Sobre o BIG Festival: O BIG Festival (Brazil's Independent Games Festival) acontece desde 2012 e é considerado o mais importante festival de jogos independentes da América Latina. Com a missão de fortalecer o ecossistema de games no Brasil, o evento abrange competição entre jogos nacionais e internacionais com prêmios em dinheiro, exposição ao público dos jogos selecionados, cerimônia de premiação, palestras e rodadas de negócios. 

Em 2018, o evento teve mais de 36 mil visitantes, mais de 180 palestras gratuitas, e mais de 3000 reuniões de negócios. Além disso, a sexta edição do festival contou com a estreia de diversas categorias, como o BIG Brands, que busca fomentar a competição entre os jogos on-demand, o Panorama Brasil, que cativou o público com 30 vagas exclusivas para a exposição de jogos brasileiros (incluindo estudantes), além da nova categoria Melhor Multiplayer que premiou as melhores experiências multijogador. 

Sobre o Brazil Games: O Projeto Setorial de Exportação Brazil Games é um programa sem fins lucrativos, criado pela Abragames (Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Eletrônicos) em parceria com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), com o objetivo de fortalecer a indústria brasileira de jogos digitais, capacitando e criando novas oportunidades de negócios para as empresas brasileiras no mercado internacional. 

Sobre a Apex: A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos estrangeiros para setores estratégicos da economia brasileira. A Agência apoia 15.000 empresas em 80 setores da economia brasileira, que por sua vez exportam para mais de 230 mercados. A Apex-Brasil também desempenha um papel fundamental na atração de investimento estrangeiro direto (IED) para o Brasil, trabalhando para identificar oportunidades de negócios, promovendo eventos estratégicos e prestando apoio a investidores estrangeiros interessados em alocar recursos no Brasil. 

BIG Festival 2019 São Paulo, Brasil: 26 a 30 de Junho Local: Club Homs. Endereço: Av. Paulista, 375 
Palestra “Swinging in the Rain: MARVEL’s Spider-Man” com Chris Perrella Data: 27/06 Horário: 10h 
Confira as nossas redes sociais: Facebook | Instagram | Twitter | Youtube 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …