Pular para o conteúdo principal

Como Treinar O Seu Dragão ganha Maratona (grátis) no MIS no dia 8


Trilogia aborda a improvável amizade entre os personagens Banguela e Soluço e é baseada na obra literária de Cressida Cowell. Entrada gratuita

Comemorando a chegada do DVD e Blu-Ray de Como Treinar seu Dragão 3, o MIS - instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo – recebe no dia 08/06 a Maratona Como treinar o seu dragão, que apresenta os três filmes da franquia, em parceria com a Universal Pictures Home Entertainment.

Os ingressos para as sessões, gratuitas, podem ser retirados uma hora antes de cada sessão na recepção do MIS.



13h | Como treinar o seu dragão / How To Train Your Dragon (Dir. Dean DeBlois e Chris Sanders, EUA, 2010, 93 min, livre, blu-ray) Soluço é um jovem viking que desafia a tradição, quando fica amigo de um dos mais mortais inimigos — um feroz dragão que ele chama de Banguela. Juntos, os improváveis heróis têm que lutar contra tudo para o mundo de ambos, neste “maravilhoso e divertido sucesso!” (Today).



15h | Como treinar o seu dragão 2 / How To Train Your Dragon 2 (Dir. Dean DeBlois, EUA, 2014, 102 min, livre, blu-ray) Cinco anos após convencer os habitantes de seu vilarejo que os dragões não devem ser combatidos, Soluço convive com seu dragão Fúria da Noite, e estes animais integraram pacificamente a rotina dos moradores da ilha de Berk. Entre viagens pelos céus e corridas de dragões, Soluço descobre uma caverna secreta, onde centenas de novos dragões vivem. O local é protegido por Valka, mãe de Soluço, que foi afastada do filho quando ele ainda era um bebê. Juntos, eles precisarão proteger o mundo que conhecem do perigoso Drago Bludvist, que deseja controlar todos os dragões existentes.


17h | Como treinar o seu dragão 3 / How To Train Your Dragon: The Hidden Worl (Dir. Dean DeBlois, EUA, 2019, 104 min, livre, blu-ray) Decidido a fazer de Berk um verdadeiro libelo ao ideal da convivência pacífica entre homens e dragões, Soluço e seus amigos seguem atrás de caçadores, para não só libertar suas presas mas também impedir a matança desenfreada dos animais. O esforço do grupo desperta a atenção de Grimmel ao descobrir que entre eles está Banguela, um legítimo Fúria da Noite. O vilão então desenvolve um plano para capturá-lo a todo custo, usando como arma uma fêmea capturada, da mesma espécie.

Maratona Como Treinar O Seu Dragão
Data 08.06, sábado
Horário 13h, 15h e 17h
LOCAL Auditório MIS (172 lugares)
INGRESSO Gratuito (retirada de ingresso uma hora antes de cada sessão na recepção do MIS)
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA Livre

Museu da Imagem e do Som – MIS
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo| (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br
Estacionamento conveniado: R$ 18.
Acesso e elevador para cadeirantes. Ar condicionado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …