Pular para o conteúdo principal

Deadly Class: Série produzida pelos irmãos Russo é tão péssima que arrancar silver tape de um machucado em carne viva parece uma opção mais atraente!



Assistir a Deadly Class até o fim é como colar silver tape em um machucado em carne viva e ficar quase dez horas tentando tirá-la dali… 

Depois do piloto que parecia até interessante e promissor, é como uma queda por uma colina sem fim cheia de lixo e pregos e desgosto até cair no fundo e ainda terminar com um cliffhanger totalmente desprovido de sentido… 

Em pleno 2019, a série Deadly Class conseguiu fazer um show de horrores: perpetuar caricaturas racistas, estereótipos de raças, inclusive transformando o que era "uma caipira genérica" nos quadrinhos em uma loira sexy neonazista nas telas. Chega a ser patético também, com todos os clichês ruins usados na própria série, como, Oi?, uma assassina adolescente com katana no meio da rua e ninguém se espanta, super normal, claro, só que não... quando, em um dos "treinamentos" da "escola", eles tiram uma onda naquele lance clichê de vários ninjas genéricos que atacam um de cada vez. Não tem nem a decência de tirar uma onda consigo mesma, como algumas séries o fazem, pois ainda tenta, sofrivelmente, ser uma série "séria". 

Embora Banjamin Wadsworth esteja bem ruinzinho no papel principal (ou talvez não seja culpa dele, talvez seu personagem tenha sido escrito e dirigido para ser assim: oco, vazio, sem rumo etc. etc. etc.), há de fato boas atuações, não vamos dizer que não, especialmente de Lana Condor como Saya. Mas isso não torna a série mais palatável, nem um pouco. Só adiciona mais um motivo para lamentar pela série: desperdício de boas músicas e boas atuações em uma série que dá tiros (e vomita e tenta chocar etc.) por toda parte e só consegue se perder cada vez mais até o defecho extremamente ... vazio. Se Black Mirror usa algo repulsivo em seu primeiro episódio para chocar sim, mas envolto em mensagens maiores e mais profundas, não espere ver isso em Deadly Class - e por isso me refiro a mensagens maiores e mais profundas, pois coisas gratuitamente chocantes e repulsivas estão por toda parte em Deadly Class, do começo ao fim. 




Deadly Class fracassa em todos os pontos possíveis e imagináveis, inclusive me fazendo me encolher de desgosto conforme os episódios avançam e todas aquelas músicas queridas e a cena musical e a angst (justificada) dos anos 80 acabam estando ali para tentar, inútil e desgostosamente, aproveitar-se da onda de nostalgia encabeçada por séries como Stranger Things. Está tudo ali: a gótica, o punk, a asiática com boas notas, a mexicana, o russo, a neonazi, o negro, todos os estereótipos pessimamente agrupados parecendo que é só para constar - eles não evoluem, mantêm o clichê e a sensação, depois de quase dez horas de tortura vendo essa série é de frustração, raiva e repulsa, para dizer o mínimo. é uma coisa ofensiva que ainda tenta passar por "diversa". De nada adianta uma atriz mexicana no papel de uma mexicana quando a série é assim... 




Há tentativas de imitar o que Tarantino já fez, só que bem feito, inclusive com o uso de uma mesma inserção de “música” usada em Kill Bill, só que em Deadly Class, tudo isso parece mais uma tentativa de parecer legal quando só se esbarra na superfície dos problemas que poderiam ser muito bem abordados em uma série que tem como premissa uma escola para adolescentes assassinos. Mas, não. O que funcionou em filmes antigos de Tarantino e funciona ainda ao revê-los até hoje não funciona em Deadly Class e isso não tem a ver com ser ou não politcamente incorreto. Tem a ver com ser de péssima qualidade mesmo. 


Os problemas mentais de Maria, por exemplo, são apenas pincelados, nunca aprofundados - e este é apenas um dos estereótipos que se junta ao fato de ela ser mulher, mulher mexicana, mulher depressiva/bipolar, mulher que não consegue ficar sem namorado... tudo isso em um balaio de gatos que só serve para irritar profundamente quem quer personagens profundos. O triângulo amoroso em torno dela só não é mais irritante do que aqueles quinze minutos de nada interessante na viagem de ácido do “protagonista”. A propósito, antes que alguém venha dizer bobagem, já vi filmes inteiros em que as pessoas viajam com drogas, só para começar citando Trainspotting, e aquilo ali com Marcus só é chato, extremamente chato. E vamos perpetuar também a inimizade quase que imediata entre duas amigas mulheres por causa de um macho, claro, né, por que não? Aff. Mas, antes de mais nada, eu não acho que uma série é ruim simplesmente se ela me irrita em termos de uma coisa ou outra - mas um combo de lixo desses servido por Deadly Class é difícil de defender. 



A experiência da série é simplesmente ruim. Continuei vendo, e foi um suplício, para ver se chegava a algum lugar, se fazia algum sentido que fosse, mas não. Foi uma tortura. Altamente recomendada por muitos, mas ainda bem que há outros tantos que concordam comigo. Eu gostaria de poder ter lido as reviews negativas primeiro, para nem ter tentado ver a série. Quase dez horas da minha vida que perdi com esse lixo presunçoso e praticamente sem história, sem desenvolvimento de personagens, sem nenhum fechamento de arco no fim da temporada, sem nada que tenha feito com que valesse a pena investir meu tempo com … isso.


E o pior foi que li pessoas ofendendo absurdamente em vários sites lá fora quem pensava como eu, wow! Parece que essa série deve agradar a fascistas que acham que divergência de opinião não deveria ser permitida, nem respeitada, e que se você não gosta desse lixo, é porque não o entendeu! Ah, vá!


Se você ainda não teve a oportunidade de ver Deadly Class, que está na Globopay, mas que já foi cancelada pelo canal que a criou, faça um favor a si mesmo. Se poupe, a não ser que seja sua praia ficar vendo séries de vômitos, cocô, tripas e outras coisas chocantes per se, mas que estão ali aparentemente só para causar. 

Eu já vi uma boa cota de séries ruins, filmes ruins, episódios ruins em séries boas… mas Deadly Class reuniu grandes nomes para criar um lixo tão grande que conseguiu ser uma experiência pior do que me forçar a terminar as 3 temporadas de Hemlock Grove. E olha que a terceira temporada de Hemlock Grove é uma coisa horrenda, socorro!

Desperdício de boa atuaçào... Não se iluda. Parece legal. Não é. =/

Nota: Zero. Por falta de boa narrativa, bons personagens, bons alguma coisa que seja, quando as únicas coisas boas aqui são as músicas - e aí é só correr para o Spotify ou YouTube, sei lá, e, bem, ouvi-las. Sem as associar com a porcaria que é Deadly Class. Vou levar tempos para ouvir Mr. Crowley de novo sem sentir repulsa por causa dessa série. Triste assim. =/ 

Comentários

  1. Dizer que deadly class e pessimo e depois dizer que Lana Condor foi optima quando a sua personagem so serve para ser manic pixie girl para Marcus e ser misteriosa (literalmente tiveram trazer para frente cenas nas HQ que so acontecem muito mais tarde para ela poder fazer alguma coisa e ter uma historia nao ligado a Marcus). E ser uma pessima amiga. As pessoas reclamam que queram ver mulheres com mais profundidade e isso acontece com a Maria que esta numa relacao abusiva do qual nao tive escolha e depois e obrigada a mata-lo para salvar os amigos e a si propria(claro que isso vai afecta-la). Que e uma orfa e foi criada num cartel que matou a sua familia toda e que esta a lidar com a sua saude mental sem apoio dos seus amigos ingratos. Nao, a Maria, nao e perfeita, estao numa escola para assasinos? Ela nao devia ter metido logo com Marcus depois de ter matado Chico. Mas como o Marcus tambem estava sozinho esperava que ele consegia percebe-la. Mas depois de Marcus meter cornos com a Saya que esta reclama que pode confiar nela ( nao pode) ela percebe que fez mal depender de Marcus quando este nao esta equiparado para lidar com a depressao dela e tambem este sendo o primeiro namoro dele e ela acaba tudo com ele. Ela tem uma progressao. Alias ela fica na casa quando tem todos os motivos para deixa-lo. E a Saya que chama todos de carraca e deixa-lo, porque a Maria tive a coragem de enfrenta-la e por ela no seu lugar. Nao gosto do triangulo amoroso mas ao menos a Maria descobre que nao precisa dos dois. E depois de ela acabar tudo com ele, e ele que vai atras dela e nao quer perder-la. E se a serie tiver uma 2 temporada iam ver ela enfrentar Alma Del Diablo e ter a sua venganca. E Marcus a perceber quanto ele precisa a Maria e que a ama. Sei que isto e longo mas to farto de ver pessoas a tirar conclucoes erradas as pessoas devem ler as HQ que e melhor do que a serie. Nao que a serie e mau alias consegue aprofundar melhor as personagens como os professores e personagens secundarias e como funciona a escola e os atores sao bons (sei que a Lana tem muitos fas mas dos 3 principais e a Maria Gabriela De Faria que e a melhor atriz e mais parecida com a personagem dos HQ, e a coisa errada que eu acho que fizeram foi fazer a relacao de Saya com Marcus parecer mais romantico quando na realidade nao e, mas prontos tiveram de fazer ela mais simpatica do que ela realmente e) mas sim ha lugares para melhorar. E desculpa bater na mesma tecla mas todos ja viram membros da Yakuza assassinos com difuldade em expressar-se na TV e media. Agora nunca vi uma mexicana balairina que usa leques que sao letal e que e muito expressiva e mesmo com tudo o que aconteceu tem muito forca de viver e paixao pela vida o que torna a sua relacao com Marcus tao interessante porque sao muito parecidos mas ela ainda consegue ser positiva. E claro que a serie e violenta e sobre adolscentes treinados numa escola para ser assasinos? Se nao consegue aceitar logo isso entao nao sei porque comecou a ver. O que faz a serie e os HQ bons e que e uma coisa diferente e as vezes tem momentos que incomodam (as personagens tem sexo e tomam drogas, sao os anos 80 e claro matam), nenhum das personagens sao santos. A serie talvez seria melhor numa canal que conseguia suportar a sua maturidade e que tinha mais platforma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na minha opinião, bem embasada, por sinal, a série é péssima. Não vou rebater nada do que você falou. Siga com sua opinião e respeite a minha.

      Excluir
    2. Ps.: Só um adendo: se você ler com atenção meu texto, perceberá claramente que elogiei a atuação de Lana Condor, não sua personagem :)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …