Pular para o conteúdo principal

Fora de Série, o primeiro longa de Olivia Wilde, entretém muito bem com seu humor escapista


A atriz Olivia Wilde (“House” e “Tron: O Legado”) faz sua estreia como diretora com uma comedia adolescente no estilo besteirol que consegue ser bem divertida e um pouco insana, Fora de série.

Resultado de imagem para Booksmart

Mesmo que a estrutura do roteiro não seja nada original, de duas pessoas à noite tentando chegar a um determinado lugar e se metendo em situações inusitadas, a diretora consegue oferecer boas situações, apresentando no primeiro ato que certos acontecimentos iriam acontecer naquela noite, e conduzindo as protagonistas de um ponto para outro de forma inusitada, mas coerente com o que tinha sido apresentado.

Resultado de imagem para Booksmart
Um dos problemas do filme é a demora no estabelecimento do ritmo. O primeiro ato, embora apresente algumas informações importantes e também introduza bem as protagonista, estabelecendo a amizade entre as duas e o grupo social a que elas pertencem dentro da escola, o ritmo é uma bagunça, mostrando os alunos da escola da forma mais caricata possível, dando a entender que os personagens somente demonstrariam o traço predominante de cada um, até que, durante o segundo ato, o ritmo consegue se estabilizar, deixando claro o tipo de filme e a proposta que a diretora quer fazer.

Resultado de imagem para Booksmart

O auge do humor fica por conta do segundo ato, ao mostrar as duas personagens interagindo nas situações em que acabam se metendo acidentalmente, mesmo que essas interações sejam feitas contra a vontade delas. A forma como a diretora conduz essas sequências, colocando as protagonistas em situações desconfortantes para elas e com as meninas saindo  delas com euforia, mostra que às vezes sair da nossa zona de conforto pode ser uma coisa revigorante, mesmo que no momento possa parecer a coisa mais louca a se fazer.

A diretora muda o estilo do filme, mostrando que ela soube fazer isso, depois de várias sequências de desventuras, e mesmo que cada uma delas tenha sido criativa e condizente com a narrativa, ela opta por não extrair demais desse recurso. Em vez disso, ela decide continuar se focando nas duas amigas, mostrando que o fim do ensino médio pode ser uma coisa boa e ruim ao mesmo tempo, devido ao distanciamento de amigos próximos.

Imagem relacionada

Embora os personagens sejam bem caricatos no inicio, logo depois que o ritmo se estabelece, a direção mostra bem outros lados de cada personagem, e muitos deles têm seus momentos no filme, com destaque para Gigi (Billie Lourd), que é sem duvida uma das melhores personagens do filme, e a atriz faz um ótimo trabalho, interpretando-a de forma impulsiva, desajustada, mas mantendo um bom equilíbrio, o que lhe confere personalidade. Talvez seu único problema seja o pouco tempo em cena.

A relação entre Molly (Beanie Feldstein) e Amy (Kaitlyn Dever) que é o grande foco da historia, é bem construída desde o inicio, ao mostrar suas ambições e o estilo de vida dedicado aos estudos, e de como uma completa a outra, principalmente quando uma delas percebe que poderia muito bem ser uma aluna dedicada e ao mesmo tempo se divertir ao extremo, e convence a outra disso.

O humor fica mais leve no terceiro ato, quando são estabelecidos os conflitos internos entre as duas e  quando é mostrado como pode ser difícil à separação depois de anos de convivência.

Imagem relacionada

Mesmo não sendo uma obra muito criativa, a condução da diretora impressiona em seu primeiro longa, e o humor escapista consegue entreter bem o público, arrancando boas risadas em diversos momentos do filme.

NOTA: 6 festas antes da formatura.

Trailer:






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…