Pular para o conteúdo principal

Meu Top 10 de campeões de League of Legends – Parte 1


League of Legends é um dos principais MOBAs (Multiplayer Online Battle Arena) da atualidade. O jogo já conquistou mais de 500 milhões de jogadores pelo mundo e realiza grandes campeonatos anualmente. Não só pela jogabilidade e interação online, mas também pelo universo rico e campeões com grandes histórias, esse jogo se tornou meu favorito nos últimos anos e, por isso, venho trazer hoje meu top 10 de campeões do lolzinho (de acordo com história, não jogabilidade!). Espero que gostem!

1.      KAYLE, A JUSTA E MORGANA, A CAÍDA
“As emoções são uma fraqueza”.
“Apenas aqueles que você ama podem partir seu coração”.

skins Morgana exilada e Kayle nascida para a batalha

Morgana é um dos meus campeões favoritos do lol, não apenas pela jogabilidade e porque o rework ficou ótimo, mas pela sua história.
Morgana e sua irmã gêmea, Kayle, nasceram em meio às devastadoras guerras rúnicas que já haviam dizimado Shurima e Valoran e ameaçavam engolir até os cumes do Monte Targon. Devido à coragem para subir ao cume do Monte Targon, a mãe das gêmeas, Mihira, foi escolhida como Aspecto da Justiça, a fim de acabar de vez com as guerras e proteger o mundo para os justos.
Apesar de gêmeas, Kayle e Morgana sempre tiveram personalidades diferentes. Kayle acreditava cegamente em sua mãe e em um mundo onde os bons deviam ser protegidos e os maus, punidos. Já Morgana acreditava que as pessoas mereciam a chance de se redimir e que ninguém deveria ser punido enquanto demonstrasse arrependimento e vontade de mudar. Ao morrer, Mihira deixou suas espadas para as filhas, passando adiante o Aspecto da Justiça. As garotas ganharam asas e lutaram juntas em diversas guerras, até que o amor de Morgana pelos mortais tornou-se uma traição para Kayle. Desde então, as irmãs são inimigas.
Em meio a um conflito entre as duas, elas trouxeram a morte a seu pai, Kilam. Morgana decidiu que, se é isso que a divindade traz, ela não a queria. Ela abandonou a espada de sua mãe e amarrou suas asas com correntes etéreas, jurando que jamais voaria novamente. Kayle se tornou a portadora das duas espadas e foi reverenciada como Aspecto da Justiça por séculos, mas, sempre que alguém precisa de uma nova chance, eles buscam por Morgana, a caída.
Enquanto Kayle abraçou sua divindade, Morgana sofre eternamente com a perda de sua irmã e seus sentimentos humanos, mas ela acredita firmemente em suas convicções e em salvar a todos através da redenção que proporciona.

2.      KINDRED, OS CAÇADORES ETERNOS
“Nunca um sem o outro”.

Em um universo de guerras sem fim, os deuses da morte sempre estão presentes. Os Kindred são os deuses da morte de League of Legends. Todas as coisas vivas os conhecerão em seus momentos finais e decidem se partirão desse mundo de boa vontade, abraçados pela ovelha, ou contra sua vontade, mordidos pelo lobo. Como dito em sua própria lenda:


“Quando pegos no limite da vida, soando mais alto do que o som de qualquer trombeta, está a pulsação martelante das gargantas que chama os Kindred à sua caça. Levante-se e cumprimente o arco prateado da Ovelha para que suas flechas lhe derrubem rapidamente. Caso a recuse, o Lobo fará de você sua alegre caça, em que cada perseguição leva ao fim brutal”.

É interessante lembrar que “Kindred” em inglês significa “espíritos afins” ou “espíritos amigos”. No caso, são espíritos que se reconhecem e isso explica bem uma das interações do Lobo com a Ovelha, em que a Ovelha conta uma história.

“- Ovelha, conte uma história.
- Houve outrora um homem pálido com cabelos negros que estava muito sozinho...
- Por que estava sozinho?
- Tudo o que existe precisava encontrar esse homem, então, afastaram-se dele...
- Ele perseguiu tudo?
- Ele dividiu-se em dois com um machado...
- Para que ele sempre tivesse um amigo?
- Para que ele sempre tivesse um amigo.”



Os Kindred são os deuses mais antigos do universo de League e os deuses primordiais. As interações deles em jogo são incríveis, tanto com o mapa quanto entre eles. Não tem como deixá-los de fora dessa lista!


3.      LISSANDRA, A BRUXA GÉLIDA

“Isso é apenas uma batalha, eu já venci a guerra”.


Skin Coven Lissandra

Lissandra e suas irmãs, Serylda e Avarosa, nasceram em um mundo primordial, onde seres mágicos andavam livremente por Runeterra. Segundo a própria lenda, em busca de poder e sobrevivência, as três irmãs pagaram preços terríveis.
“Tentando comandar os céus acima delas, Serylda perdeu sua voz para o primeiro crepúsculo. Avarosa enfrentou a escuridão distorcida sob o mundo e foi ensurdecida pelo vazio desta, que esperava consumir toda existência.
Foi Lissandra que se colocou contra a magia selvagem do próprio mundo mortal. Por causa dessa rebeldia, as garras cruéis de um deus primordial cortaram seus olhos, cegando-a.”

Sem visão, Lissandra passou a vagar pelo mundo dos sonhos e lá encontrou entidades divinas com as quais comungara e fez um pacto em seu nome e de suas irmãs: Os Observadores. Os Observadores lhe concederam a quase imortalidade em troca de sua lealdade. Lissandra deveria preparar Runeterra para a vinda do Vazio.
As três irmãs e seus seguidores mais próximos foram chamados Glacinatas e receberam presentes do vazio, feitos de gelo verdadeiro que poderia ser tocado apenas por Glacinatas ou seus descendentes (como Ashe e Sejuani).
Mas Serylda e Avarosa não aceitaram a servidão e, quando o vazio irrompeu, a aliança de Lissandra não podia mais ser negada. Assim, Lissandra precisava escolher entre deixar o mundo ser consumido ou sacrificar o que mais amava. Ela criou uma barreira de gelo mágico, selando o vazio, seus servos e suas irmãs.
Assim, Lissandra segue em vida eterna, a única Glacinata ainda viva, tentando controlar as lendas sobre suas irmãs e esperando o dia em que o gelo mágico derreterá e sua guerra contra os Observadores terá um desfecho.

4.      ZOE, O ASPECTO DO CREPÚSCULO
“Ninguém precisa crescer se não quiser. Ou talvez precise. Realmente não sei.”



Zoe é um dos personagens mais poderosos, se não o mais poderoso, do universo de League of Legends. Ela é receptáculo do Aspecto do Crepúsculo, o Aspecto primordial do Monte Targon.
Zoe era uma garota comum que, apesar de promissora, era muito despreocupada e só pensava em brincar. Um dia, Zoe resolveu matar aula e rir dos padres Lunari que a procuravam aos gritos. Ao ser encontrada, ela já havia sido notada pelo Aspecto do Crepúsculo. Antes que os padres furiosos a encontrassem, o Aspecto colocou seis objetos a sua frente: um saco de ouro, uma espada, um livro com tarefas feitas, um tapete de devoção, uma corda de seda e uma bola de brinquedo. Cinco dos objetos permitiam que ela fugisse da situação, mas Zoe, despreocupada, escolheu a bola e a chutou na casa vizinha.
Encantado pela espontaneidade, o Aspecto pergunta a Zoe se ela gostaria de ver o universo e abre um portal para ela. Zoe entra no portal e se funde ao Aspecto, voltando para a Terra  milhões de anos mais tarde, ainda jovem e encantada pelos novos humanos e pelas mudanças em Runeterra.
Não se sabe ao certo qual o objetivo de Zoe, se ela é um ser caótico ou benigno. Tudo o que sabem é que ela quer se divertir.

5.      SYNDRA, A SOBERANA SOMBRIA
“Uma legião foi incapaz de me parar. Quais são as suas chances?”.

Syndra teve uma infância dura. Sempre foi culpada pelos infortúnios de sua família e provocada pelas outras crianças. Sua mãe exigia demais dela e a achava sem talento e preguiçosa, pois era fácil a garota se perder em pensamentos. Quando sua magia finalmente se manifestou como orbes de angústia, matando o salgueiro sagrado e tomando uma forma negra, ela começou a ser temida e sua família precisou buscar um novo lar.
Após meses de viagem, eles encontraram o Sacerdote Konigen, que falou sobre o templo onde treinava jovens para dominarem seus poderes. Sem opções, a família de Syndra a entregou para o sacerdote.
Com o passar dos anos, Syndra ficou cada vez mais frustrada porque, em vez de controlada, sua magia parecia diminuir. Konigen admitiu que estava suprimindo o poder de Syndra, pois um poder tão negativo teria um alto preço. Sentindo-se traída, Syndra liberou seu poder, levitando e destruindo o templo e seu mentor com seus orbes de angústia. Com medo de tamanha negatividade, um espírito antigo puxou Syndra para as profundezas, a aprisionando em sonhos por muitos anos.
Quando a guerra contra Noxus dividiu Ionia, muitos foram até Syndra, buscando eliminá-la ou usar seus poderes. Ela destruiu a todos. Ela nunca mais seria controlada e seu potencial finalmente seria ilimitado.

Gostaram da primeira parte? O lol tem muitos campeões com ótimas histórias e é uma das coisas mais envolventes do jogo. Se você ainda não jogou, recomendo muito que tente!
Até a próxima com a continuação dessa lista de campeões!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …